UOL Notícias Internacional
 

28/04/2009

"Correa cria problemas com os vizinhos e com os EUA", diz candidato derrotado no Equador

El País
Soledad Gallego-Díaz Em Quito
O ex-presidente Lucio Gutiérrez apostou até o último minuto que conseguiria arrastar Rafael Correa para o segundo turno, mas os resultados ficaram muito longe de seu empenho. "O presidente Correa cometeu um erro fundamental, o de ideologizar a economia, querer submetê-la a sua ideologia socialista, e isso nos trouxe diversos problemas, não só internos mas também em nossas relações com vizinhos como Colômbia ou Brasil e com os EUA", protestou, sentado à mesa do modesto escritório que mantém na sede de seu partido, Sociedade Patriótica, em Quito, poucas horas antes das eleições.

Gutiérrez não está disposto a aceitar nem que Correa tenha trazido melhoras sociais. "Onde estão? Aqui há mais desemprego, mais crime, menos democracia. Isso são avanços sociais?" Segundo Lucio Gutiérrez, Rafael Correa não saberá enfrentar uma crise econômica como a que se aproxima: "Eu governei este país [em 2003] em plena crise, com o petróleo a US$ 18 o barril. Encontrei uma administração que não tinha recebido salários. E consegui resolvê-la, com paciência e incentivando os investimentos. Mas Correa faz exatamente o contrário, desanima e não gera confiança. Quatro anos à frente do governo poderão ser uma catástrofe", afirma.

O ex-presidente acusa Correa de concentrar demasiado poder. "Se eu estivesse à frente do governo, renunciaria a alguns dos poderes que a nova Constituição concede ao chefe do Executivo e que são excessivos", afirma. A nova Constituição, promovida por Correa e aprovada em referendo por 75% dos votos, é sua besta negra. "Sim, se eu pudesse a modificaria. Desde o preâmbulo, onde se fala de invocar a natureza, 'pachamama' e Deus, nessa ordem. Basta invocar a Deus", reconhece. É claro que ele utilizará seus assentos na Assembleia Nacional para dificultar o desenvolvimento legislativo dessa Constituição que tanto o irrita.

Considera possível unificar a oposição tão dividida? "Com base em um projeto programático, includente, sim. Creio que é possível que a oposição atue coordenadamente, seja eu quem represente essa união ou não", responde rapidamente. "Correa e seu pessoal", afirma, "foram muito descarados em seus abusos e em suas mentiras. Foram protagonistas de escândalos de corrupção, colaboraram com as Farc da Colômbia, e há provas disso. Inclusive durante a campanha eleitoral deu de presente lâmpadas de baixo consumo, toneladas de tela de uso agrário, pagos com o dinheiro de todos". Gutiérrez criticou duramente em sua campanha as missões internacionais da UE e da OEA, por "não fazer nada". "Se realmente não controlam nada, não sei para que vêm", declara.

Gutiérrez, que teve de sair às pressas de helicóptero do palácio presidencial em 2007 devido a uma revolta popular, crê que apesar de tudo conserva o afeto de uma parte dos equatorianos, e só aceita um erro durante seu mandato: "Não saber comunicar, explicar o que estávamos fazendo". As urnas foram bem mais severas.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h16

    -0,05
    3,173
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h23

    1,12
    65.403,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host