UOL Notícias Internacional
 

16/09/2009

Marina Silva, a companheira que desafiou Lula

El País
J. Arias e S. Gallego-Díaz
Em Brasília
  • Adriana Zehbrauskas/Folha Imagem

    Em 1994: senadora eleita pelo PT do Acre

  • Roberto Jayme/Folha Imagem

    Em 1989: vereadora eleita pelo PT em Rio Branco

Os cuidadosos planos do presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, para organizar sua sucessão em outubro de 2010, fazendo que sua escolhida, Dilma Rousseff, tivesse uma vitória arrasadora no primeiro turno, saltaram pelos ares. Toda a estratégia deverá ser revista por causa de outra mulher: a ecologista e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, que passou para o Partido Verde e quase com certeza será candidata.

O anúncio de Marina Silva de que abandonava o Partido dos Trabalhadores (PT), no qual lutou durante 30 anos lado a lado com Lula, caiu como um verdadeiro golpe na política brasileira. Silva estava há um ano e meio em silêncio, desde que se demitiu do cargo de ministra do Meio Ambiente, convencida de que suas ousadas políticas sobre desenvolvimento sustentável na Amazônia eram boicotadas por outros membros do governo, especialmente pela poderosa Rousseff, chefe de gabinete de Lula (uma espécie de primeira-ministra na sombra).

O terremoto deve-se não tanto às expectativas reais de Marina Silva como ao fato de que introduz um forte elemento de incerteza. A peleja presidencial não será um duelo entre Rousseff, 62, e o governador de São Paulo, José Serra, 67, líder do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), como estava previsto, mas uma batalha mais aberta. Talvez se animem a participar outros candidatos que disputam no primeiro turno o voto de esquerda do PT.

Lula pareceu ignorar até agora a escassa popularidade de Rousseff - famosa por seu caráter forte e sua mão de ferro, mas pouco valorizada nas pesquisas -, talvez convencido de que seu enorme prestígio e seu amplo crédito político seriam mais que suficientes para inclinar, no momento certo, a balança eleitoral a favor de sua escolhida. Embora a proclamação de candidatos ainda não seja efetiva, e o PT prefira repensar as coisas, ninguém confia em que Lula dê seu braço a torcer e deixe cair a candidatura de sua chefe de gabinete.

Quero algo parecido com o que o PT fez há 20 anos

Não posso falar ainda como candidata, mas creio que o debate deve ser sobre ideias e que a ética deve prevalecer. Eu nunca mentiria a respeito da honra de alguém para ganhar eleições. E de um ponto de vista político creio que, se me apresentar, será com a aspiração de chegar a esse segundo turno. Eu gostaria de fazer algo parecido com o que o PT fez há 20 anos, quando rompeu com os partidos tradicionais

A personalidade de Silva, 51 anos, negra, de origem muito humilde como Lula e com um forte sentido ético da política, torna as coisas muito mais difíceis. Sua chegada ao circuito eleitoral, com conotações que fazem lembrar a candidatura de Barack Obama nos EUA, pode desviar a atenção de muitos jovens, interessados em suas ideias ambientais. Silva, herdeira do mítico ecologista Chico Mendes, assassinado em 1988 por latifundiários da Amazônia, é também uma pessoa dotada de simpatia pessoal e um caráter dialogador, que obrigará a colocar sobre o tapete eleitoral a delicada questão do desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Lula não pode concorrer a um terceiro mandato segundo a Constituição brasileira, e embora conte com uma aprovação superior a 80% negou-se a promover qualquer mudança legislativa nesse sentido. O presidente desenvolveu uma política pragmática não só no campo da economia, mas também das alianças políticas, ao extremo de obrigar recentemente o PT a apoiar a continuidade de José Sarney, líder do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) na presidência do Senado, apesar das múltiplas acusações de corrupção que pesam sobre ele. O PMDB pode ser básico para reforçar Rousseff em um eventual segundo turno presidencial.

Se afinal é a economia que acaba decidindo muitas eleições, Lula ainda tem um importante trunfo nas mãos. O Brasil acaba de sair da recessão, com um aumento de 1,9% do PIB no último trimestre. As previsões de crescimento para 2010 são de 5%. Esse é o melhor sonho do ex-sindicalista que se transformou em um dos dirigentes mais populares do mundo: deixar o comando com o país crescendo. Lula havia profetizado que a crise no Brasil seria só uma marola. Na época ninguém acreditou.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h39

    0,76
    3,172
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h46

    0,73
    65.574,57
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host