UOL Notícias Internacional
 

04/10/2009

A maioria das crianças nascidas a partir de 2000 chegará aos 100 anos, aponta estudo

El País
Laura Lucchini Em Berlim
A maioria das crianças nascidas a partir de 2000 poderá comemorar os 100 anos e, além disso, gozará de muito boa saúde. É a conclusão a que chegou um estudo realizado por pesquisadores dinamarqueses e alemães sobre as expectativas de vida e o desenvolvimento das doenças em 30 países ricos. A pesquisa, publicada nesta sexta-feira pela revista científica "The Lancet", questiona a crença de que o envelhecimento da população significará um custo crescente para o Estado e salienta que a longevidade excepcional não precisa estar relacionada a um nível elevado de incapacidade.

  • Marlene Bergamo/Folha Imagem - 22.set.2009

    Segundo estudo, as crianças nascidas a partir do ano 2000 vão viver até os 100 anos



Os cientistas do Instituto Max Planck na Alemanha, dirigidos por Kaare Christensen, do Centro Dinamarquês de Pesquisa do Envelhecimento, analisaram o desenvolvimento demográfico e a incidência de doenças nos países industrializados e chegaram à conclusão de que a maioria das crianças que nasce hoje em países como Espanha, Alemanha, França, Itália, EUA e Japão, entre outros, poderá viver mais de um século.

Segundo os dados manipulados pelo estudo, no século 20, a esperança de vida nos países ricos aumentou em três décadas e, além disso, desde 1840 não houve sinais de desaceleração dessa tendência. Isso não significa que o ser humano poderá chegar a ser imortal; segundo os especialistas, existe um limite que poderia ser situado ao redor dos 150 anos. "Quando as expectativas de vida se aproximam mais de seu limite, essa tendência deveria se desacelerar", explica Kaare Christensen, destacando também que "ainda não estamos nos aproximando do limite, prevê-se um aumento da expectativa de vida".

"As pessoas não estão somente vivendo mais que antes, como vivem com menos incapacidades e limitações", afirma Christensen. Isto se deve, além dos avanços médicos, ao fato de que cada vez o trabalho exige menor esforço físico, a alimentação é feita mais conscientemente nos países ricos e as pessoas cuidam mais do corpo fazendo esportes.

O estudo publicado por "The Lancet" insiste em que a longevidade excepcional não precisa estar relacionada a um nível de incapacidade elevado, que implicaria altos custos para o Estado no futuro. Com relação a esse ponto, inclui "provas preliminares" segundo as quais ampliar a vida laboral - uma opção que joga a favor da sustentabilidade do sistema de aposentadorias - pode ser benéfico para a saúde se reduzir o número de horas trabalhadas por semana.

"Se as pessoas de 60 anos ou mesmo as de 70 e poucos trabalharem mais tempo do que o fazem atualmente, a maioria das pessoas poderia trabalhar menos horas por semana. Há evidências que indicam que com uma menor carga semanal, mas com uma vida de trabalho mais longa se poderia aumentar a expectativa de vida e melhorar a saúde da população", diz o estudo. Mas os pesquisadores admitem que essa opção por si só não bastaria para enfrentar as implicações do envelhecimento mundial.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,32
    3,157
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    0,56
    63.760,62
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host