UOL Notícias Internacional
 

24/12/2009

O principal dissidente chinês enfrenta uma pena de 15 anos de prisão

El País
José Reinoso
Em Pequim
Pequim julga Liu Xiaobo por subversão, depois de assinar um manifesto democrático

Os tribunais chineses começaram nesta quarta-feira o julgamento de Liu Xiaobo, um de seus dissidentes mais destacados, em meio a suspeitas das organizações de direitos humanos de que Pequim tenta acelerar o caso durante o Natal no Ocidente para atrair menos atenção internacional.
  • EFE

    Pequim julga Liu Xiaobo por subversão, depois de assinar um manifesto democrático



Os promotores acusam Liu, que na segunda-feira completará 54 anos, de "incitar à subversão do poder do Estado". Ele publicou ensaios críticos ao Partido Comunista Chinês na Internet e foi um dos autores da Carta 08, um manifesto político que pede reformas democráticas, divulgado em dezembro do ano passado. Ele poderá ser condenado a até 15 anos de prisão.

A detenção de Liu há mais de um ano e seu julgamento provocaram forte repúdio. Muitos cidadãos chineses demonstraram solidariedade ao detido e criticaram o governo em blogs e outros fóruns. Os EUA e a UE pediram diversas vezes sua libertação, o que Pequim considera uma ingerência "inaceitável".

Além dos EUA e da UE, várias embaixadas europeias, incluindo a sueca, pediram para assistir ao julgamento como observadores. A autorização lhes foi negada. Mas diplomatas de uma dezena de países, entre eles EUA, Reino Unido, Canadá, Suécia, Austrália e Nova Zelândia, reuniram-se na quarta-feira às portas do tribunal à espera de notícias sobre a audiência.

A Espanha, que no próximo semestre substituirá a Suécia na presidência rotativa da União, não pediu para participar do julgamento nem enviou representante, segundo confirmaram fontes da embaixada. "Sabíamos que não nos deixariam entrar", declararam.

A polícia advertiu os principais dissidentes chineses para que fiquem em casa. "Agentes do departamento de segurança vieram me dizer que não tentasse ir ao julgamento. É totalmente injusto. Liu não deveria ser julgado. Está sendo incriminado pela Carta 08, o que prova que a China precisa da Carta", disse Ding Zilin, mãe de um dos estudantes mortos nas manifestações pró-democracia na Praça Tiananmen em 1989 e uma das vozes mais críticas do governo, informa a agência France Presse.

Bao Tong, um alto funcionário que foi expurgado depois dos protestos de 89, recebeu as mesmas ordens. "Eu insisti que fazia parte do caso. Liu vai ser julgado, então eu também deveria ser. Não me escutaram", afirmou. Tanto Ding como Bao são signatários da Carta 08.

Às portas do tribunal, alguns partidários de Liu gritaram "Longa vida à democracia, longa vida a Liu Xiaobo", sob o olhar atento de dezenas de policiais que cercaram a área.

A mulher do dissidente, Liu Xia, afirmou que não tem esperanças sobre o desenlace do julgamento e que não pretende recorrer do veredicto, caso ele seja culpado. "Com um governo como este, um governo sem princípios, não há nada que se possa fazer", salientou, segundo a agência Reuters.

Liu, ex-professor da Universidade Normal de Pequim e escritor, foi preso durante 20 meses por sua participação nos protestos de 1989 e posteriormente foi internado durante três anos em um campo de reeducação pelo trabalho. Foi um defensor constante das reformas e de maiores liberdades.

Com seu julgamento, Pequim lançou um novo sinal de advertência a outros reformistas, em um ambiente de perseguição crescente que começou antes dos Jogos Olímpicos do ano passado. Em abril de 2008, Hu Jia, outro incansável defensor dos direitos humanos, foi condenado a três anos e meio de prisão por "incitar à subversão do poder do Estado" - a acusação habitualmente usada por Pequim para calar as vozes críticas. Hu foi detido em 27 de dezembro passado, em plenas festas de Natal no Ocidente.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h16

    -0,05
    3,173
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h23

    1,12
    65.403,25
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host