UOL Notícias Internacional
 

12/03/2010

Google inclui a Espanha na lista de países censores da internet

El País
David Alandete
Em Washington
  • O fechamento de dois blogs anti-Catalunha provoca denúncia do Google no Congresso dos EUA

    O fechamento de dois blogs anti-Catalunha provoca denúncia do Google no Congresso dos EUA

O gigante da internet Google desprestigiou na quarta-feira (10) a Espanha diante do Congresso dos EUA. Ocorreu em um depoimento na Câmara dos Deputados sobre democracia, segurança e liberdade de expressão na rede, quando se analisaram as técnicas que diversos governos aplicam para censurar sites da web. Com a desculpa de um incidente judicial isolado - a proibição de dois blogs que pediam o boicote a produtos da Catalunha, por parte de um juiz em 2007 -, a vice-presidente do Google, a advogada Nicole Wong, igualou a Espanha a regimes que aplicam uma repressão sistemática e constante da rede, como a China ou o Irã.

"O Google foi um foco habitual dos esforços governamentais para limitar a liberdade de expressão porque nossas tecnologias e serviços permitem que as pessoas com conexões à internet falem para um público mundial. Mais de 25 governos bloquearam os serviços do Google nos últimos anos", declarou Wong no depoimento entregue ontem pelo Google à Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, para sua inclusão nos Arquivos do Congresso.

A advogada do Google detalhou na continuação que 13 países bloquearam o YouTube, entre eles China, Paquistão, Marrocos e Irã. Posteriormente, incluiu a Espanha em uma contagem de sete países que censuraram os sites Blogger ou Blogspot: "Nos últimos dois anos recebemos informes de que nossa plataforma de blogs foi ou está sendo bloqueada pelo menos em sete países, incluindo China, Espanha, Índia, Paquistão, Irã, Mianmar e Etiópia". Finalmente citou os três países que impediram o acesso a sua rede social Orkut: Arábia Saudita, Irã e Emirados Árabes Unidos.

Trata-se da segunda vez que o Google lança uma acusação semelhante contra a Espanha. Em 2 de março, em uma audiência diante do Subcomitê de Direitos Humanos e Legislação do Senado americano, fez declarações idênticas. Este jornal contatou então a Google. Não recebeu resposta do setor de comunicações da firma nos EUA, mas ontem a empresa na Espanha emitiu um comunicado a respeito.

"Um juiz espanhol ordenou há três anos o bloqueio de duas páginas de Blogspot em um incidente sobre o qual se informou extensamente. Mas ocorreu só uma vez. Não voltou a ocorrer e não temos problemas com a Espanha em relação à liberdade de expressão", afirmou um porta-voz em uma mensagem eletrônica.

Isto não impediu o Google de citar a Espanha, sem dar qualquer prova no depoimento entregue aos legisladores, como um país no qual se pratica a censura na rede. E o fez no âmbito de duas audiências nas quais se discutiam direitos humanos e a decisão da firma de deixar de se submeter à censura chinesa, depois de colaborar com o regime de Pequim desde 2005.

Vários blogs, meios de comunicação e serviços de notícias, como a Agência France Presse, divulgaram ontem essa acusação, citando a Espanha em seus textos. Segundo fontes do Congresso, as palavras de Wong podem prejudicar seriamente a imagem da Espanha diante dos legisladores americanos, uma potência aliada na Otan e junto da qual participa no conflito do Afeganistão.

"A partir de agora, qualquer congressista que vá ao arquivo do Capitólio encontrará essa lista de países", explica o chefe de gabinete de um veterano deputado, que prefere se manter no anonimato. "Sua inclusão implica que os congressistas podem pensar que a política da Espanha para a Internet é igual à da China. Isto, diante das relações entre os dois países, não ajuda. E coloca para os congressistas uma pergunta séria: por que a Espanha está nessa lista?"

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h49

    0,05
    3,174
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h56

    -0,31
    64.661,43
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host