Quinta-feira,
8 de maio de 2003




Empresa de Dick Cheney vai controlar petróleo do Iraque


Enric González


WASHINGTON - Dick Cheney continuará como vice-presidente na candidatura de George W. Bush para as eleições de 2004. "O presidente me pediu que sirva de novo, e estou de acordo", ele anunciou na quarta-feira. Apesar de seus quatro infartos, Cheney se sente com forças: "Um médico me acompanha 24 horas por dia, e eu seria o primeiro a renunciar se considerasse minha saúde um obstáculo para meu trabalho", acrescentou. O vice-presidente mantém uma enorme influência na Casa Branca. Ele é acusado de utilizá-la a favor da Halliburton, empresa que dirigiu entre 1995 e 2000. A companhia parece ter conseguido, de forma mais ou menos encoberta, o controle de todo o petróleo do Iraque.

A Halliburton conseguiu do Pentágono um contrato sem licitação, pelo qual, segundo se anunciou, a empresa se comprometia a extinguir todos os incêndios que ocorressem nos poços de petróleo iraquianos durante a guerra e a realizar reparos de emergência nos mecanismos de extração. O volume do contrato chega a US$ 7 bilhões em dois anos.

Mas na verdade o contrato era muito mais generoso do que se disse publicamente. O deputado democrata Henry Waxman pediu oficialmente ao Pentágono que detalhe exatamente as condições do contrato outorgado à Halliburton. A resposta dada na quarta-feira pelo tenente-general Robert Flowers revelou que a Halliburton obteve direitos de exploração e comercialização do petróleo iraquiano. Segundo os termos do contrato, a empresa, além de apagar incêndios e fazer reparos, poderá explorar todos os poços a seu encargo e comercializar o petróleo sem nenhuma concorrência dentro do país.

Um porta-voz do gabinete de Dick Cheney afirmou que o vice-presidente está "totalmente alheio à concessão do contrato, às condições do mesmo e se houve ou não licitação". A Halliburton, por sua vez, afirmou em comunicado que as acusações de favorecimento são "infundadas" e que obteve o contrato pelo fato de ser a única empresa "capaz de se encarregar de um plano de contingência tão amplo" como o solicitado pelo governo.


Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves


 


Copyright 2001-2002 UOL - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Universo Online ou do detentor do copyright.