UOL Notícias Internacional
 

05/03/2007

Portugal Telecom pronta para disputar a Vivo com a Telefônica

Financial Times
A Portugal Telecom poderá enfrentar a Telefônica da Espanha pelo controle da Vivo, a maior operadora de telefonia móvel do Brasil, após derrotar com sucesso uma oferta de tomada hostil de 15,6 bilhões de euros feita pela Sonaecom, uma concorrente portuguesa menor.

A batalha pela Vivo é uma das várias conseqüências potenciais do colapso da oferta da Sonaecom, que colocou outros planos estratégicos dos grupos portugueses de telecomunicações em espera por quase 14 meses. "Eu quero corrigir a idéia de que a Telefônica é a compradora natural da Vivo", disse Henrique Granadeiro, presidente e executivo-chefe da Portugal Telecom.

A Portugal Telecom também tem capacidade de controlar a Vivo, ele disse, especialmente considerando que "eles também falam português no Brasil, não espanhol".

Ele falou após os acionistas da Portugal Telecom terem rejeitado na sexta-feira uma proposta da Sonaecom para abolir um estatuto da empresa que limita os direitos de voto de um único acionista a 10%.

Eliminar a restrição ao voto foi uma condição essencial para o sucesso da oferta da Sonaecom, apresentada em fevereiro de 2006.

A Portugal Telecom e a Telefónica controlam conjuntamente a Vivo, a maior operadora de telefonia celular da América Latina, por meio de um controle acionário de 63%, dividido meio a meio. A Sonaecom indicou sua disposição de vender a participação da Portugal Telecom na Vivo para a Telefônica caso sua oferta fosse bem-sucedida.

A Telefônica também estava confiante na compra da participação da Portugal Telecom, com a aprovação do atual conselho diretor desta, mesmo se a oferta da Sonaecom não fosse aceita.

Mas Granadeiro deu uma indicação clara de que a Portugal Telecom visa manter sua participação na Vivo ou também buscar o controle da empresa. Brasil e África são as duas principais áreas onde a Portugal Telecom planeja construir suas operações internacionais, disse ele.

A Telefónica, a maior acionista da Portugal Telecom com pouco menos de 10%, votou a favor da proposta da Sonaecom para suspender as restrições de votação da Portugal Telecom. Granadeiro descreveu a decisão como um
"desalinhamento estratégico" com o conselho diretor da Portugal Telecom, dizendo que a Telefónica terá que refletir sobre as conseqüências para sua parceria com a Portugal Telecom.

"Eu não quero fazer uma proposta sem estar certo de que a noiva deseja se casar", disse ele.

A Portugal Telecom também se comprometeu, sob pressão do governo, a separar a propriedade de suas redes de linhas fixas e cabo e a criação de uma companhia separada para a Portugal Telecom Multimedia, sua divisão de TV a cabo e conteúdo de mídia, neste ano.

A Sonaecom, o segundo maior grupo de telecomunicações de Portugal, pode
estar entre as várias candidatas que provavelmente disputarão a Portugal Telecom Multimedia.

Com aprovação do órgão regulador português de concorrência para a proposta de fusão de suas operações de telefonia móvel com as da Portugal Telecom, a Sonaecom também disse que pode considerar a possibilidade de uma parceria com as operações portuguesas da Vodafone.

George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,71
    3,127
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,37
    64.938,02
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host