UOL Notícias Internacional
 

12/03/2007

China mantém suas cartas próximas do peito em planos de pôquer online

Financial Times
A Liga da Juventude Comunista da China, "o exército reserva e ajuda" do partido do governo, participará de uma joint-venture com investidores estrangeiros para oferecer pôquer online para os jovens do país.

Mas em uma amostra da interpretação de tais jogos em um país onde jogos de azar são proibidos, os investidores do empreendimento e os supostos fornecedores divergem em como será possível aumentar o interesse dos jogadores com a perspectiva de vitória.

A Foundation, a empresa com sede em Hong Kong que fechou o acordo em fevereiro com a Liga da Juventude, espera poder organizar competições de pôquer e xadrez online com prêmios em dinheiro para os vencedores.

Mas um alto representante do Centro de Cinema da Liga da Juventude, que receberá uma participação de 10% no empreendimento, a China Youth Network Cultura Company (Cyncc), disse achar que os jogos de pôquer devem ser oferecidos "apenas como entretenimento", sem premiações.

Tanto a Foundation quanto um representante da liga negaram as alegações da Playtech, a fornecedora de software para jogos de azar online listada no mercado de ações britânico, que sua venda esperada de software para a Cyncc era um "marco imenso", que permitiria "uma forma segura de fornecer jogos na China, mantendo ao mesmo tempo controle sobre as apostas".

"Isto não é um exercício de jogos de azar", disse Teddy Cheng, presidente da Foundation. Cheng acentuou que os jogos, formatos e software da Cyncc terão que ser aprovados pelo governo da China e que a extensão do envolvimento da Playtech ainda não foi decidida.

Mas ele disse que Pequim está relaxando gradualmente suas definições do que constitui jogos de azar e que provavelmente emitirá regras mais claras, dando aos empreendimentos de jogos mais espaço para operar.

"Eu acho que o governo está começando a relaxar um pouco", disse Cheng.

O representante da Liga da Juventude rejeitou a sugestão de que o acordo significa uma mudança na abordagem de Pequim em relação aos jogos de azar.

"Não há tal coisa", disse o representante, apesar de ter se recusado a
comentar o motivo da liga ter decidido investir no empreendimento, dizendo não estar familiarizado com o pôquer e os outros jogos que serão oferecidos.

Tais pontos de vista divergentes sobre o empreendimento refletem em parte a falta de distinções na China entre "jogo de azar", que é proibido, e jogos legais que visam lucro potencial, como as loterias promovidas pelo governo.
George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h19

    0,79
    3,176
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h27

    -0,24
    64.991,27
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host