Maioria dos líderes corporativos americanos acha que executivos-chefes ganham em excesso

Francesco Guerrera
Em Nova York

A grande maioria dos líderes corporativos americanos acredita que os
executivos-chefes ganham demais e não dão retorno suficiente pelo dinheiro desembolsado por suas empresas, segundo um estudo que fortalecerá os críticos das remunerações excessivas.

Os resultados -que serão publicados na segunda-feira pela Associação
Nacional de Diretores Corporativos (Nacd, na sigla em inglês)- provavelmente darão mais força aos pedidos de investidores e políticos, incluindo o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, por contenções na remuneração dos executivos em um momento de crescente desigualdade de renda nos Estados Unidos.

As críticas de altos executivos aos salários de seus pares também poderiam encorajar investidores ativistas e fundos hedge a transformarem em alvo empresas com desempenho abaixo da média e com executivos com remuneração elevada em reuniões de acionistas.

Quatro entre seis executivos-chefes ou presidentes de empresas entrevistados pela Nacd, em julho e agosto, disseram que a remuneração de altos executivos é alta em comparação ao seu desempenho.

Apenas 2,2% dos quase 70 executivos-chefes e presidentes envolvidos na
pesquisa disseram que a remuneração era baixa demais, enquanto um terço a consideraram "no tamanho certo".

Suas opiniões foram apoiadas por diretores externos, com mais de 80% deles dizendo que os executivos-chefes ganham em excesso.

"Há um entendimento geral que a remuneração do executivo é uma área difícil para conselhos diretores e administração ", disse Peter Gleason, diretor-chefe da Nacd.

Desigualdade social

A questão é particularmente sensível devido ao fato da desigualdade entre
ricos e pobres nos Estados Unidos ter atingido seu maior ponto em mais de 60 anos.

Números divulgados na semana passada mostraram que a participação na renda nacional do 1% dos americanos mais ricos chegou a 21,2% -um recorde pós-guerra- em parte devido ao boom dos lucros das empresas.

Bush disse na semana passada ao "The Wall Street Journal" que ele achava que a remuneração de alguns executivos era excessiva e que alguns conselhos diretores precisavam melhorar sua supervisão em relação a isso.

Quase 60% dos diretores entrevistados pela Nacd disseram que o motivo para os pacotes de pagamentos excessivos era a ausência de formas objetivas de medir o desempenho do executivo. Quase metade criticou o uso de opções e concessão de ações que recompensam os executivos quando o preço das ações sobe, em vez de quando suas operações melhoram.

Os investidores têm se manifestado com mais vigor contra o que chamam de "pagamento pelo fracasso" -grandes pacotes de demissão que recompensam os executivos-chefes afastados do cargo. George El Khouri Andolfato

UOL Cursos Online

Todos os cursos