Planos de exploração de petróleo nas Falkland geram protesto da Argentina contra Londres

Jude Webber
Em Buenos Aires

A Argentina deverá protestar diante da Grã-Bretanha sobre os planos de empresas britânicas de realizar perfurações prospectivas ao redor das ilhas Falkland, que deverão começar em cerca de dois meses. Fontes britânicas confirmaram que o Ministério das Relações Exteriores argentino convocou autoridades para uma reunião ontem, mas não no nível de embaixador. Uma fonte do ministério disse que "haverá um protesto".

A reunião ocorre depois que a empresa Rockhopper Exploration se declarou pronta para começar a perfurar nas águas ao redor das ilhas disputadas entre os dois países. A Argentina, que não reconhece as licenças de exploração, chama as ilhas de Malvinas e mantém sua reivindicação de soberania apesar de ter perdido a rápida guerra com o Reino Unido em 1982.

"O Reino Unido não tem dúvidas sobre a soberania das ilhas Falkland e as áreas marítimas ao redor", disse um porta-voz da embaixada britânica em Buenos Aires. "O governo das ilhas Falkland tem o direito de desenvolver uma indústria de hidrocarbonetos."

A Rockhopper diz que em dois meses estará pronta para perfurar até quatro poços na bacia das Falkland Norte, e também poderá participar de outros quatro poços planejados pela Desire Petroleum, outra companhia britânica. Isso levanta a perspectiva de um programa de perfuração de oito poços na área, que há muito tempo é considerada rica em petróleo.

"Acreditamos que nossa área é de baixo a médio risco no panorama de exploração global, com potencial para descobrir mais de 3,5 bilhões barris de petróleo recuperável usando parâmetros conservadores, e isso deverá ter um considerável interesse para a indústria no ambiente atual", disse o presidente executivo da Rockhopper, Pierre Jungels, em um comunicado.

Seis poços foram perfurados em uma área com a metade do tamanho do Texas na bacia Falkland Norte em 1998, e cinco tiveram fluxos de petróleo ou gás. O Departamento de Recursos Minerais do governo das ilhas Falkland disse "que há muitas coisas melhores para testar".

Outras empresas também estão operando na área. A Desire Petroleum diz que tem 12 locações na bacia Falkland Norte prontas para perfurar, e a Argos Resources também está explorando na mesma bacia. Na bacia das Falkland Leste, a Falklands Oil & Gas, que tem uma sociedade com a BHP Billiton, espera começar a perfurar no ano que vem. Enquanto isso, a Borders & Southern está realizando estudos sísmicos na bacia Falkland Sul.

A situação política das ilhas permanece altamente delicada. No ano passado a Argentina disse que qualquer empresa que explore hidrocarbonetos lá será proibida de atuar na Argentina. Luiz Roberto Mendes Gonçalves

UOL Cursos Online

Todos os cursos