Indústria está preocupada com controle sobre novas reservas brasileiras

Jonathan Wheatley e Richard Lapper

O governo brasileiro acredita que tem em seu território entre 40 a 50 bilhões de barris de petróleo em reservas recentemente descobertas no litoral do país no Atlântico Sul, disse o ministro da Fazenda Guido Mantega ao "Financial Times".

Se forem comprovadas, as reservas fariam com que o Brasil deixasse de ser uma nação auto-suficiente em petróleo e pouco expressiva em termos dessa indústria global para se tornar uma das maiores potências de petróleo do mundo.

Somadas às reservas atuais de 14,4 bilhões de barris de petróleo e quantia equivalente de gás natural, elas potencialmente transformariam o Brasil na oitava maior nação de petróleo do mundo, ultrapassando a Rússia. Mas há uma preocupação cada vez maior na indústria em relação a como o governo irá lidar com as concessões para as companhias petroleiras operarem nas novas reservas.

De acordo com as regras atuais, as companhias dão seus lances para ganharem a concessão de explorar as reservas de óleo e gás numa base de risco, pagando royalties para o governo sobre os seus lucros.

Mas esse sistema pode mudar para um de "produção compartilhada", sob o qual as reservas continuariam a ser propriedade do governo e as companhias de petróleo trabalhariam como fornecedoras de serviços -um sistema bem menos atrativo para a indústria.

"Estamos trabalhando num novo modelo para deixar a maior parte das novas reservas sob o controle da nação", disse Mantega durante entrevista na sexta-feira, apesar de ressaltar que ainda não foi tomada nenhuma decisão sobre qual sistema será adotado.

Numa audiência no Senado na semana passada, Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras, companhia de petróleo controlada pelo governo, argumentou a favor do modelo de produção compartilhada. De acordo com as regras vigentes, disse, "estaríamos dando [às companhias de petróleo] uma chance enorme de tirar a sorte grande".

Mantega parece apoiar essa idéia. "O sistema de concessão funciona quando você não sabe se existe petróleo ou não no local. Agora não há mais nenhum risco, sabemos que existe petróleo ali, então o contexto é outro."

As notícias sobre as reservas vieram à tona no final do ano passado quando a Petrobras disse que um poço perfurado no campo de Tupi sugeria a existência de reservas de até 8 bilhões de barris. Reportagens da mídia especializada disseram mais tarde que a área total em estudo poderia ter até 33 bilhões de barris, apesar de a Petrobras insistir que é muito cedo para determinar um número exato para as reservas.

As novas reservas estão localizadas a cerca de 250 quilômetros da costa brasileira, a 2.000 metros de profundidade e outros 4.000 metros sob o fundo do mar, sob uma camada de sal com cerca de 800 quilômetros de extensão e 200 quilômetros de largura. Uma vez que o sal está sob uma pressão enorme, o que o torna volátil e extremamente quente, é difícil e caro chegar a essas novas reservas. Mas todos os poços de exploração até agora conseguiram perfurar a camada de sal e encontrar petróleo, o que sugere um risco baixo.

Entretanto, os analistas advertem que as companhias de petróleo não terão muito interesse em investir nos novos campos caso o governo adote o modelo de produção compartilhada.

"O Brasil tem todas as chances de atrair muitos investimentos para transformar esse potencial [dos novos campos] em produção", diz Adriano Pires, especialista da indústria petroleira no Rio de Janeiro. "Mas parece que a ala nacionalista do governo não quer que isso aconteça".

"Não faz sentido para as companhias de petróleo participarem desse sistema", disse um analista do mercado de petróleo de um banco de investimentos em São Paulo, que pediu para não ser identificado. "Os limites [colocados às companhias] são enormes, é difícil fazer planos, e a quantidade de interferência do Estado é muito grande."

No ano passado o governo retirou da sua rodada anual de leilões de concessão todos os blocos que estão dentro da área sobre a camada de sal. Autoridades dizem que todas as concessões já realizadas das áreas sobre a camada de sal ou próximas dela serão respeitadas, mas que não há planos de fazer leilões para novas concessões na área. O governo Lula estuda aplicar a "produção compartilhada": as reservas continuariam a ser propriedade do governo e as companhias de petróleo trabalhariam como fornecedoras de serviços Eloise De Vylder

UOL Cursos Online

Todos os cursos