Cientistas estão mais perto da "leitura da mente"

Clive Cookson Editor de ciência

Uma máquina para ler mentes se tornou mais real ontem, quando cientistas do University College London divulgaram os resultados de um experimento em que tomografias do cérebro revelaram a localização de pessoas que se moviam em um ambiente de realidade virtual.

Demis Hassabis, coautor do estudo, disse que é "um pequeno passo na direção da ideia da leitura da mente, porque apenas por olhar para a atividade neural conseguimos dizer o que alguém estava pensando".

O experimento, publicado ontem na revista "Current Biology", é importante para a neurociência porque mostra pela primeira vez que as memórias são organizadas em estruturas ou padrões específicos no hipocampo, uma região do cérebro que é crucial para a navegação e a memória e para imaginar situações futuras.

Quatro voluntários navegaram ao redor de uma sala em um jogo de realidade virtual computadorizado enquanto os pesquisadores examinavam seu hipocampo com um aparelho de imagem de ressonância magnética funcional (fMRI). Os pesquisadores tinham passado algum tempo com os sujeitos "treinando" o software analítico para reconhecer suas memórias espaciais.

"Surpreendentemente, apenas de olhar para os dados do cérebro pudemos prever exatamente onde eles estavam na sala de realidade virtual", disse Eleanor Maguire, líder do projeto. "Em outras palavras, pudemos 'ler' suas memórias espaciais."

Mas o doutor Hassabis disse que levariam pelo menos dez anos - e provavelmente muito mais - para que a técnica possa ser usada em investigações forenses, por exemplo, para dizer se um suspeito está mentindo sobre sua presença no local de um crime.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

UOL Cursos Online

Todos os cursos