Jovens iranianos pedem mudanças

Anna Fifield Em Teerã

Slogans inimagináveis foram ouvidos nas praças de Teerã e outras cidades iranianas esta semana. "Ahmadinejad, adeus", os jovens entoaram em enormes manifestações públicas contra Mahmud Ahmadinejad, o presidente incendiário que tenta a reeleição hoje, e a favor do moderado Mir Hosein Musavi, seu mais forte adversário.
  • Vahid Salemi/AP

    Mulheres apóiam o líder reformista Hossein Mousavi, candidato presidencial que enfrenta Mahmoud Ahmadinejad. O verde é a cor oficial da campanha de Mousavi


Esta campanha eleitoral expôs as divisões na sociedade iraniana que geralmente são mantidas ocultas por restrições impostas aos jovens, transformando a eleição de hoje em um referendo da polêmica presidência de Ahmadinejad.

Uma figura divisora no exterior, em parte por causa das ambições nucleares do Irã, Ahmadinejad polarizou a opinião pública em seu país. Centenas de milhares de jovens estão saindo às ruas todas as noites para mostrar que o Irã que eles querem é muito diferente da visão que o presidente tem do país. Cerca de 60% dos iranianos têm menos de 30 anos.

A corrida eleitoral está sendo ferozmente disputada enquanto Ahmadinejad enfrenta um desafio muito mais duro de Musavi do que se previa algumas semanas atrás. Se nenhum dos quatro candidatos conseguir mais de 50% dos votos hoje, os dois mais votados irão para um segundo turno na próxima sexta-feira.

Muitas pessoas que dizem que votarão em Musavi, um sério senhor de 68 anos, na verdade parecem estar votando contra Ahmadinejad. "É irracional e emocional, eu sei, mas eu apenas quero derrubar Ahmadinejad", diz Ali Reza, um empresário de 29 anos que diz que seu principal interesse é a posição do Irã no mundo. "Eu me orgulho de ser iraniano e tenho fortes ideais nacionalistas, mas ele prejudicou a reputação do Irã."

  • Arte UOL


Os críticos atacaram as políticas externas e econômicas de Ahmadinejad e se queixaram de que seu governo endureceu as restrições sociais, enquanto os que seriam mais dedicados aos ideais revolucionários islâmicos prosperaram.

O ressentimento popular ferveu durante esta semana, com jovens seguidores de Musavi chamando o presidente de mentiroso. "Algumas pessoas acham que Ahmadinejad está tentando mudar o Irã para ser do modo que ele quer, e este é o oposto do que os jovens iranianos querem", diz Azar, um cabeleireiro de 37 anos. Ahmadinejad tem algum apoio entre os jovens, mas eles tendem a ser de origem pobre ou do interior.

Qualquer que seja o resultado da eleição, a pergunta agora é: o que vai acontecer com toda essa energia que foi liberada nas últimas semanas? Alguns observadores dizem que ela não poderá ser contida facilmente. Outros, porém, temem que um súbito afrouxamento das restrições seja seguido de repressão quando o Estado recuperar o controle.

A derrota de Ahmadinejad - ele seria o primeiro no cargo a perder - poderia levar a uma reação contra os reformistas. Mas os seguidores de Musavi ficariam decepcionados se seu movimento popular falhasse ou não conseguisse prosperar.



Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

UOL Cursos Online

Todos os cursos