Google lançará rival para o Windows, desafiando o domínio da Microsoft

Richard Waters e Chris Nuttall
Em San Francisco (EUA)

O elemento final no esforço do Google para mudar o cenário da informática foi apresentado na quarta-feira, quando a empresa apresentou seus planos para um sistema operacional para PCs que competiria diretamente com o Windows da Microsoft.

Mas a fortaleza que a Microsoft construiu em torno do Windows provavelmente suportará este ataque por algum tempo, dando espaço de manobra à empresa de software enquanto tenta moldar sua própria tecnologia em torno da Internet, disseram os analistas.

O Google disse que vários laptops de baixo preço conhecidos como netbooks, baseados em seu novo sistema operacional, chegarão ao mercado na segunda metade do próximo ano.

A empresa previu que o software traria benefícios para os usuários de PCs, desde reduzir enormemente o tempo de inicialização das máquinas até simplificar a complexidade de administração dos computadores pessoais.

Chegando no rastro de seu sistema operacional Android para celulares e do browser Chrome para acesso à Internet, o sistema operacional planejado pelo Google, que se chamará Chrome OS, completará a série de programas produzidos pela empresa para aparelhos conectados à Internet.

O Google não ganha diretamente dinheiro com software de código-fonte aberto como o Chrome OS.

A importância do software para a empresa é servir como uma plataforma capaz de guiar mais usuários aos seus serviços de Internet, alimentando seu negócio de publicidade ligada a buscas. Os usuários não terão que depender do dominante Windows da Microsoft.

O desafio para a Microsoft é claro. Cerca de 45% de seus lucros operacionais de US$ 22,5 bilhões no ano passado vieram do sistema operacional Windows para PC, mas a importância do software para a Microsoft vai muito além.

Seu segundo maior gerador de dinheiro, a suíte de aplicativos Office, está ligada ao Windows.

Como um sistema de código aberto baseado no software Linux, disponível gratuitamente, o Chrome OS mira nisso.

Dada a posição altamente entrincheirada do Windows no mundo dos computadores, a maioria dos analistas disse que o Google terá dificuldade em tomar o lugar do grupo de software. "Isso não é algo que prejudicará a Microsoft rapidamente. Levará algum tempo para que realmente deixe uma marca", disse Mike Silver, um analista da Gartner.

Mais de 70% dos aplicativos usados por uma empresa comum rodam no sistema operacional Windows, ele disse, o que torna um processo dispendioso de tempo e dinheiro para as empresas considerar a mudança para um novo sistema operacional.

O Chrome OS pode ter um impacto maior entre os consumidores, apesar de até mesmo usuários individuais de PCs demonstrarem uma forte preferência por aplicativos que rodam em Windows, disseram os analistas.

A Microsoft já provou ser capaz de rechaçar uma série de ataques ao Windows para PC, o que a deixou com uma participação de mercado de cerca de 97%, segundo a Gartner.

Tradução: George El Khouri Andolfato


UOL Cursos Online

Todos os cursos