Dados do emprego nos Estados Unidos são "sinal mais esperançoso"

Krishna Guha Em Washington Alan Rappeport Em Nova York (EUA)

A taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu para 10% em novembro, à medida que a economia perdeu o menor número de postos de trabalho desde o início da recessão, há dois anos, em uma melhora notável que sugere que o mercado de trabalho pode finalmente estar começando a se recuperar.

Os números oficiais divulgados nesta sexta-feira mostraram que os empregadores cortaram 11 mil vagas de trabalho no mês passado, bem abaixo das 125 mil vagas de trabalho que os analistas de Wall Street estavam esperando, enquanto o índice de desemprego caiu de seu percentual mais alto 26 anos, 10,2%.

A Casa Branca comemorou a notícia como "o sinal mais esperançoso" de que a estabilização nos mercados financeiros e o retorno do crescimento econômico estão começando a ser sentidos no mercado de trabalho.

Cobertura completa da crise

  • UOL


O dólar subiu 1,3% na metade do dia em Nova York, enquanto traders faziam suas apostas sobre quando o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) aumentaria modestamente as taxas de juros, enquanto commodities, títulos e ouro sofriam pressão de vendas.

"É um dia de compras na América do Norte", disse Alan Ruskin, da RBS. O índice de ações S&P 500 subiu 1,8% para o ponto mais alto de 2009, antes de ceder ligeiramente, à medida que a queda dos preços dos commodities pesava no sentimento.

Os economistas alertaram que dados mensais do emprego podem ser erráticos e que o índice de desemprego poderá subir de novo ou oscilar próximo do nível atual por muitos meses, à medida que trabalhadores desencorajados voltarem a procurar emprego de novo.

Todavia, o mais recente relatório apresentou um novo quadro da trajetória no mercado de trabalho - reduzindo as preocupações levantadas pelos relatórios de emprego surpreendentemente ruins dos últimos meses.

Não apenas a perda de vagas de trabalho caiu para 11 mil em novembro, mas também as perdas dos dois meses anteriores foram revisadas para baixo, em um total de 159 mil vagas.

Outros indicadores como as horas trabalhadas e uso de trabalhadores temporários - que frequentemente prenunciam melhorias gerais no mercado de trabalho - apontaram todos na direção certa, apesar do crescimento do salário ter permanecido fraco.

"Este relatório deverá reduzir a ansiedade em torno da sustentabilidade da recuperação", disse John Ryding e Conrad DeQuadros, da RDQ Economics.

Mas Han Hatzius, do Goldman Sachs, disse "ele não responde à pergunta chave para 2010" - se o crescimento no próximo ano será forte o suficiente para criar os mais de 250 mil empregos por mês necessários para promover grandes reduções no desemprego.

Reportagem adicional de Michael Mackenzie

Tradução: George El Khouri Andolfato

UOL Cursos Online

Todos os cursos