Freakonomics.com: Ralph Keeney, o mestre da tomada de decisões, responde suas perguntas

Stephen J. Dubner e Steven D. Levitt

Nós solicitamos recentemente através do Freakonomics.com, perguntas para Ralph Keeney, um professor de ciências de decisão da Escola Fuqua de Negócios e Administração da Universidade Duke, nos Estados Unidos. Keeney, cuja disciplina examina a filosofia, metodologia e teoria da tomada de decisão, também preside o comitê consultivo científico do Centro Nacional para Análise Econômica e de Risco de Eventos de Terrorismo (Create, na sigla em inglês). O centro, financiado pelo departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos, se esforça para melhorar a segurança nacional por meio da educação, pesquisa e trabalho de campo.

Há uma desconexão entre a tomada de decisão e de fato fazer algo a respeito. As pessoas podem facilmente evitar por em prática as decisões que tomaram e frequentemente racionalizam posteriormente sua falta de esforço. Dado isso, por que a "tomada de decisão" é relevante para a forma como as pessoas vivem suas vidas?
Keeney: A tomada de decisão é a única forma de se ter um efeito resoluto em sua vida ou em qualquer coisa. O restante da vida - e as decisões das outras pessoas - acontece devido a circunstâncias além do seu controle. É claro, para que suas decisões tenham qualquer efeito, é preciso colocá-las em prática, o que a maioria das pessoas frequentemente não faz. Após um indivíduo reconhecer que um fracasso em colocar em prática tem um impacto negativo sobre sua qualidade de vida, pode ser útil criar alternativas que facilitem a colocação em prática. Por exemplo, você pode anunciar sua decisão a outros que ajudarão você a colocá-la em prática, ou, para dar um exemplo específico, é possível manter sua casa livre de almimentos de alto teor calórico assim que você decidir comer menos.

Há uma forma de pressionar outras pessoas a tomarem decisões rapidamente? Minhas amigas frequentemente não se decidem a respeito de coisas simples, como datas e o horário de um jantar. Elas frequentemente me pedem para reservar três ou quatro datas possíveis para elas, me impossibilitando otimizar minha agenda.
Keeney: Às vezes você pode influenciar as decisões de outros, mas não pode garantir que serão do seu agrado. Entretanto, você pode influenciar suas amigas por meio das decisões que você toma. Algumas delas podem envolver pedidos ou explicações lógicas sobre porque poderia ser melhor se suas amigas decidirem mais rapidamente. Como apenas você controla suas decisões, outras opções podem ser mais práticas para você. Se lhe pedirem para reservar três ou quatro datas, você pode simplesmente dizer não e oferecer reservar uma ou duas. Você poderia estabelecer um prazo para a reserva. Alternativamente, você poderia dizer às suas amigas que as informaria quando a reserva terminaria, e que isso aconteceria quando outros planos fossem programados para o mesmo período.

Obrigado por dedicar algum tempo para ajudar os outros (inclusive a mim) que são incapazes de tomar uma decisão a respeito de algo. Eu me considero uma pessoa bastante racional, mas realmente estou tendo dificuldade com este problema: eu sou da Irlanda, mas me mudei para a Inglaterra para frequentar a universidade e agora trabalho em Londres. Desde minha mudança para a Inglaterra, eu tenho uma namorada à distância que está estudando medicina na Irlanda. São necessários mais dois anos até que ela possa vir para Londres. Isso nos deixaria separados por sete anos no total. Eu agora tenho uma oportunidade de me mudar de volta para a Irlanda, onde acho que teria mais amigos, família e obviamente minha amada. Entretanto, se eu esperar mais dois anos, ela poderia se mudar para cá, onde há maiores oportunidades e salários muito melhores em nossas áreas (eu já ganho cerca de 50% mais em Londres do que ganharia na Irlanda). Eu tentei considerar isso como um cálculo do valor presente líquido - um investimento de curto prazo para considerável retorno futuro. Entretanto, sou incapaz de remover minha ligação emocional do "lar". Você poderia me fornecer algum tipo de análise de terceiro que possa me ajudar a tomar a melhor decisão para todos os envolvidos?
Keeney: Um encontro pessoalmente seria mais apropriado e produtivo para que eu pudesse oferecer um conselho legítimo a respeito de uma decisão significativa como esta. Em pessoa, eu poderia ajudá-lo a articular claramente todos seus objetivos e valores relevantes, profissionais e pessoais, avaliar suas preferências para atingir cada um deles, gerar toda uma série de alternativas e então avaliar essas alternativas. Todavia, com a informação em sua pergunta, eu farei algumas poucas observações.

Você declara que sua namorada poderia ter um bom emprego em Londres daqui dois anos. Eu presumo que se você se mudar para a Irlanda agora, você também poderia retornar para Londres daqui dois anos e obter um bom emprego. Logo, sua decisão envolve principalmente os próximos dois anos.

Como passar um período de dois anos exige pensamento cuidadoso. Para esta decisão, seus objetivos devem basicamente estar relacionados à sua qualidade de vida. Os componentes disso provavelmente incluiriam sua vida pessoal (diversão, empolgação, família), sua vida profissional (interesse, desafio, contribuição e salário) e a qualidade de vida da sua namorada. Em relação às alternativas, poderia ser possível criar algumas opções onde você poderia trabalhar para seu atual empregador por meio período na Irlanda. As possibilidades incluiriam um período de três meses ou um arranjo que permita uma folga a cada três segundas-feiras, para que você possa realizar visitas de fim de semana prolongado à Irlanda pelo menos uma vez por mês. De qualquer forma, 20 visitas por ano nos fins de semana provavelmente não consumiriam toda a diferença salarial maior de seu emprego em Londres.

Compare qualquer outra escolha à sua alternativa "permanecer em Londres" e "mudar para a Irlanda". Para cada uma dessas alternativas, leve em consideração a opção que você terá daqui dois anos de viver na Irlanda ou em Londres. Finalmente, o cálculo do VPL que você mencionou só é relevante para seus objetivos financeiros. Com dois profissionais (você e sua namorada), provavelmente qualquer diferença no VPL para um período de dois anos seria bastante irrelevante dada todas as preocupações pessoais. Logo, nesta decisão, você pode preferir pesar suas preocupações pessoais mais do que suas preocupações financeiras.

Tradução: George El Khouri Andolfato

Stephen J. Dubner e Steven D. Levitt

Stephen J. Dubner e Steven D. Levitt são os autores de 'Freakonomics' e 'Superfreakonomics'. O livro mais recente deles é 'When to Rob a Bank... and 131 More Warped Suggestions and Well-Intended Rants'.

UOL Cursos Online

Todos os cursos