Ex-presidente Bill Clinton lança seu livro de memórias

Judy Holland
Em Washington

No momento em que o ex-presidente Bill Clinton se prepara para lançar uma mega-campanha publicitária nesta quinta-feira (03/06), para promover o seu novo livro de memórias, uma autora de um best-seller que conhece intimamente o conteúdo do livro prevê que este será objeto de críticas entusiasmadas quando for publicado, até o final deste mês.

A senadora pelo Estado de Nova York, Hillary Rodham Clinton, que atuou como consultora no volume de 957 páginas que o seu marido escreveu do próprio punho ao longo dos últimos dois anos, afirma que ele redigiu "um grande livro".

A Sra. Clinton, também autora de um livro de memórias muito badalado e recordista de vendas, intitulado "Living History" (História Viva ou um trocadilho com Vivendo a História), que se tornou livro de bolso em abril, anunciou reservadamente: "Eu acho que as pessoas vão adorar lê-lo".

Embora a senadora não tivesse desempenhado nenhum papel importante na redação do livro de seu marido, ela disse ter atuado como consultora. "Nós fizemos as mesmas coisas para ajudar um ao outro na elaboração dos nossos respectivos livros", contou Hillary numa entrevista. "O que nós fizemos foi ler e comentar o que o outro escreveu. Ele me ajudou com o meu livro e eu o ajudei com o dele, e posso dizer que ele escreveu um grande livro".

Hillary Clinton insistiu no fato de que ela não está competindo com o seu marido em termos de vendas de livros. "Ele irá certamente vender muito mais livros - porque eu fiz todo o trabalho de base", disse, rindo maliciosamente. "Afinal, ele foi o presidente".

A expectativa é de que o livro de memórias de Bill Clinton, que tem por título "My Life" (A Minha Vida) - editora Alfred A. Knopf, comercializado nos Estados Unidos a US$ 35 (R$ 110,46) - se torne o mais lido entre todos durante este verão, após o seu lançamento oficial, agendado para 22 de junho. O livro também estará disponível na sua versão áudio (em CD e fitas), sendo editado neste formato pela Random House, com narração do próprio ex-presidente.

Ele sobe no palco nesta quinta-feira em Chicago, por ocasião da inauguração da feira de livros BookExpo America, na qualidade de principal orador da inauguração do maior congresso comercial da nação voltado para livreiros e editoras.

A campanha de divulgação terá início com uma operação que já está sendo chamada de "a mãe de todos os lançamentos de livros": O programa do canal de televisão CBS, "60 Minutes" irá dedicar uma edição inteira ao livro de Clinton em 20 de junho; a apresentadora Oprah Winfrey, por sua vez, irá ancorar um programa de entrevistas de uma hora voltado para o livro em 22 de junho, enquanto os programas "Today Show", da NBC, e "Good Morning America", da ABC, já estão gravando segmentos sobre o livro de Clinton, com difusão prevista para 23 de junho.

Quando o seu livro chegar às prateleiras das livrarias, "o presidente já terá viajado para promovê-lo durante pelo menos duas semanas, numa turnê que terá início em Nova York e incluíra a cidade de Little Rock, no Arkansas [Estado onde ele nasceu, em 1946, e do qual foi governador por várias gestões a partir de 1976]", anunciou Paul Bogaards, o diretor executivo de publicidade da editora Knopf.

"My Life" terá uma prensagem inicial de 1,5 milhão de cópias, a maior tiragem inicial de um livro em toda a história da edição americana. Mesmo antes de ter sido publicado, o livro do ex-presidente já está no topo das listas dos mais vendidos dos sites de e-commerce Amazon e Barnes & Noble, devido às encomendas antecipadas que afluíram em massa ao longo das últimas semanas, precisou Bogaards. "Este livro vai ser analisado e esmiuçado como nenhum outro", previu ele.

Hillary Clinton assegurou que ela não tem nenhum plano de escrever um outro livro, após ter recebido, segundo informaram especialistas, US$ 8 milhões (R$ 25,25 milhões) da sua editora, a Simon & Schuster, pelas vendas de seu livro de memórias de 576 páginas, "Living History", publicado um ano atrás. Este livro teve 1,7 milhão de cópias no formato de capa dura, mais de 550 mil cópias na edição de bolso e mais de 1 milhão de cópias fora dos Estados Unidos. A ex-primeira-dama é também a autora do livro "It takes a Village" (sobre a criação de crianças em comunidades), que foi publicado em janeiro de 1996.

Os líderes do Partido Democrata mostram-se sem dúvida aliviados com o fato de o ex-presidente - que tem a fama de se atrasar com freqüência - ter agendado o lançamento de seu livro sem demora. Eles temiam ver o livro de Bill Clinton ser lançado numa data excessivamente próxima das eleições presidenciais de novembro, o que poderia ofuscar a campanha presidencial de uma personalidade menos carismática, o senador John F. Kerry, de Massachussets, o candidato do partido à presidência.

Segundo informações que circulam nos meios especializados, Sonny Mehta, o presidente da editora Knopf, teria pago a Bill Clinton um adiantamento de US$ 10 milhões (R$ 31,56 milhões) pelo seu livro. Mehta explica que a obra é "um dos livros de memórias mais notáveis e reveladores que eu já tive a honra de publicar".

"Trata-se de um drama pessoal cativante, além de um mergulho fascinante no universo político americano das últimas quatro décadas", comentou.

Mehta precisou que Clinton "recorda com certo candor dos seus sucessos, assim como dos seus reveses, abordando paralelamente a sua carreira no serviço público e a sua vida pessoal". "My Life" terá a maior tiragem inicial da história editorial dos EUA: 1,5 milhão de cópias Jean-Yves de Neufville

UOL Cursos Online

Todos os cursos