UOL Mídia GlobalUOL Mídia Global
UOL BUSCA

RECEBA O BOLETIM
UOL MÍDIA GLOBAL


28/03/2008
"Panelinha" nas universidades provoca fuga de cérebros na Itália

Elisabetta Povoledo
Em Lucca, Itália


Após cinco anos na Universidade Pompeu Fabra, em Barcelona, onde está prestes a obter um Ph.D. em economia, Ines Buono, está pronta para voltar para casa.

Ela deseja lecionar e buscar seus interesses acadêmicos, que incluem o estudo do possível impacto do ingresso da Turquia na União Européia, mas o mercado de trabalho acadêmico estagnado da Itália oferece poucas perspectivas para uma pesquisadora de 30 anos.

Controladas por um grupo seleto de velhos acadêmicos, as torres de marfim na Itália são tão bem defendidas quanto o Forte Knox, mas sem o ouro.

Entre as poucas exceções: uma bolsa de pesquisa no Institutions, Markets and Technologies Institute for Advanced Studies (IMT), uma escola internacional de doutorado aberta em 2005, que visa fazer o que lugares tradicionais de ensino superior na Itália não conseguem: atrair os melhores acadêmicos para a Itália. Buono, presente na curta lista após uma seleção rigorosa, era uma entre os 301 acadêmicos que disputavam uma única vaga para jovem pesquisador oferecida pela universidade.

"Em parte é pessoal, eu quero me estabelecer", disse Buono, cujo namorado vive perto dali, em Florença. "Mas também sou uma pessoa positiva e ativa e gostaria de dar minha contribuição, por pequena que seja, ao meu país." Mas no final Buono não conseguiu a vaga.

O fato de tantos jovens acadêmicos se candidatarem a um programa que tem apenas três anos de idade "é surpreendente e deveria ser motivo para reflexão", disse Fabio Pammolli, o diretor do IMT, sobre as mais de 800 pedidos que a escola recebe anualmente, tanto de italianos quanto estrangeiros.

"A Itália não possui um modelo para formação de uma elite acadêmica", ele disse. O IMT, que oferece programas de Ph.D. em ciência política e social, economia e ciência da computação, "trabalha fora do sistema universitário tradicional na Itália e é o motivo para ser capaz de experimentar", ele disse.

Em grande parte, as universidades italianas -com funcionários e alunos em excesso e recursos insuficientes- são freqüentemente retratadas pelos críticos como eixos de venda de influência em vez de bastiões do conhecimento.

Os candidatos para as eleições parlamentares de 13 e 14 de abril prometem reformas estruturais e um aumento das verbas para pesquisa universitária, mas os críticos estão céticos. "Todos dizem que vão investir mais, mas quando chegam ao poder, ninguém mais fala das universidades porque o dinheiro não está disponível", disse Mariano Giaquinta, um professor de matemática da renomada universidade Scuola Normale Superiore, em Pisa, e co-autor do livro de 2006, "Ipotesi sull'Università" (uma hipótese sobre a universidade), sobre os problemas da academia italiana.

O desinteresse geral da classe política em relação às questões do ensino superior tem amplas repercussões.

"Todos dizem que para melhorar a economia da Itália é preciso que haja mais investimento em educação e treinamento. Eles dizem que a pesquisa é o motor da inovação que permitirá que a Itália entre em um sistema tecnológico do qual atualmente não faz parte", disse Alberto Civica, um dirigente do sindicato UIL. "A Itália não é competitiva quando se trata de tecnologia, aqui tudo gira em torno dos serviços."

Na quinta-feira, Civica e algumas poucas dezenas de pesquisadores realizaram uma manifestação no Ministério dos Assuntos Públicos em prol de uma maior estabilidade no emprego. "Nós vemos uma constante redução das verbas para universidades e pesquisa, eles dizem que é importante mas fazem o oposto", disse Francesco Sinopoli, um manifestante.

Com o dinheiro para as universidades secando, os italianos têm explorado diversas fontes em busca de recursos. Quando o Conselho Europeu de Pesquisa começou a alocar doações para os pesquisadores universitários no ano passado, os italianos submeteram o maior número de pedidos.

"Se tantos pesquisadores recorreram à Europa é porque na Itália eles contam com recursos magros, em comparação aos seus colegas alemães, holandeses e franceses", escreveu Salvatore Settis, diretor da Scuola Normale Superiore, em um editorial no "La Repubblica" em janeiro. A verdade amarga: a Itália "não é um ambiente de pesquisa atrativo, nossos maiores talentos não têm fé em seu país, os estrangeiros não consideram a Itália uma opção", escreveu Settis.

Uma conseqüência do sistema aqui é o constante êxodo dos melhores estudantes para o exterior.

Rastrear os universitários graduados que se mudam para o exterior não é exatamente uma ciência exata, mas números da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostram que quase 50 mil pessoas com formação superior trocaram a Itália por outros países da OCDE nos últimos dez anos.

Sucessivos governos italianos implantaram vários programas para conter a fuga de talentos, mas as propostas apresentadas não ofereciam segurança a longo prazo e no final fracassaram.

O centro do problema, concordam os críticos, é que no mundo acadêmico, mérito e excelência ficam em segundo plano diante da promoção dos interesses da base de poder de alguém.

"O processo seletivo é bloqueado", sem verdadeira competição, "e aqueles que são contratados não são necessariamente as melhores pessoas para os postos", disse Giovanni Floris, que escreveu no ano passado um livro sobre o desdém da Itália pela noção de meritocracia. "No final, é uma casta que não se diferencia" porque os professores escolhem seus favoritos, ele disse.

E é uma casta antiga. Dos 15.984 professores titulares que trabalham nas universidades italianas, apenas 13 têm menos de 35 anos, segundo números do governo publicados pelo jornal "Corriere della Sera", de Milão. Mais de 30% têm mais de 65 anos. Ao todo há 61.930 professores -tanto titulares quanto assistentes- e pesquisadores trabalhando nas universidades italianas, mas 17.919 deles não possuem estabilidade e estão aguardando por uma cadeira de titular.

O problema fundamental permanece. Escolas como o IMT, assim como um punhado de outras, "podem produzir pessoas de qualidade, mas o problema é que elas têm um futuro bastante complicado" na academia italiana, disse Giaquinta. "A verdadeira questão é o que fazer com estas pessoas em uma situação onde há poucos escoadouros para excelência. Se não existem, então o que você pode fazer?"

Tradução: George El Khouri Andolfato

ÍNDICE DE NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA





Shopping UOL

Gravadores Externosde DVD a partir
de R$ 255,00
Câmera Sony6MP a partir
de R$ 498,00
TVs 29 polegadas:Encontre modelos
a partir de R$ 699