UOL Mídia GlobalUOL Mídia Global
UOL BUSCA

RECEBA O BOLETIM
UOL MÍDIA GLOBAL


05/10/2005
'Na verdade o homem é monógamo', diz zoólogo



"Tenho 74 anos e, segundo minha genética, estou jogando a prorrogação, mas com entusiasmo. Sou um inglês cada vez menos tímido. Me interessa mais o pensamento que a hierarquia. Sou moderado e tolerante, como toda a Europa quando foi próspera. Minha mulher e eu estamos unidos por amor e senso de humor. Estou publicando na Espanha 'A Mulher Nua' (ed. Planeta)."

Lluis Amiguet
Em Barcelona


La Vanguardia - Como cientista, o que o senhor vê quando olha para uma mulher?

Desmond Morris -
Um ser muito evoluído, mais neotênico que o homem...

LV - Neo... quê?

Morris -
É a característica evolutiva que permite a uma espécie, quando adulta, conservar traços da infância. As mulheres conservam mais características da infância que os homens.

LV - E isso é importante?

Morris -
A neotenia favorece a criatividade e a inteligência, porque as crianças são mais aptas para o aprendizado. As mulheres, além disso, desenvolveram outras especificidades que são evolutivamente mais avançadas.

LV - Eu já intuía isso.

Morris -
Muitas mulheres ainda desconhecem seu enorme potencial sensorial. Sabe que as mães são capazes de reconhecer seu bebê de olhos vendados, só pelo choro, e que distinguem os batimentos do coração de seu filho entre centenas? Comprovamos isso empiricamente, e é espetacular.

LV - O que o senhor mais inveja nas mulheres?

Morris -
Sua capacidade de percepção: o mundo sensorial das fêmeas humanas é muito mais rico que o dos machos: elas percebem melhor as cores e a gama cromática, têm um ouvido mais agudo, olfato e paladar mais refinados.

LV - E não acha isso injusto?

Morris -
É natural. Elas cuidaram de coletar as frutas enquanto nós caçávamos. Nós podemos correr mais depressa.

LV - O senhor não inveja nada nelas?

Morris -
Invejo sua sensualidade: não só porque sua capacidade de gozar no orgasmo é muito superior à nossa...

LV - Sim...

Morris -
... mas porque essa sensualidade não é só uma extensão de sua capacidade reprodutiva, mas conseqüência de sua maior inteligência emocional. Entre os humanos, foram as mulheres que passaram de copular a fazer amor, e assim estabeleceram vínculos de uma riqueza e sofisticação tais que concederam uma enorme vantagem evolutiva à nossa espécie sobre os outros primatas. Como você deve saber, as mulheres têm quatro zonas erógenas...

LV - Eu me conformaria em encontrar uma.

Morris -
Se eu aos 18 anos soubesse tudo o que descobri em uma vida de estudos!...

LV - Ânimo, ainda somos jovens!

Morris -
Em suma, elas experimentam com maior profundidade percepções, sensações e sentimentos. Vivem mais. Imitar os homens, como propunham algumas tendências feministas errôneas, é retroceder.

LV - Como pintor, o que o senhor vê numa mulher?

Morris -
Cheguei a expor com Miró! Que grande artista! E continuo pintando diariamente.

LV - Eu vi seus quadros e gostei.

Morris -
Quando vejo uma mulher, como pintor, vejo uma curva. Cada mulher tem uma, mas não só uma curva física, também mental.

LV - E como zoólogo, o que o senhor vê numa mulher?

Morris -
Me apaixona o mimetismo entre os lábios de cima e os de baixo, entre peitos e nádegas... que semiótica poderosa!

LV - E como homem, o que vê numa mulher?

Morris -
Me enamoro pela doçura, a calidez e o senso de humor. É o senso de humor compartilhado o que mantém minha esposa e eu unidos durante toda uma vida.

LV - Não tentou a poligamia habitual entre nossos irmãos primatas?

Morris -
O homem na realidade é monógamo.

LV - Mesmo que guarde sua monogamia em segredo?

Morris -
Você crê que é uma ironia, mas acaba de dizer uma grande verdade. Em muitas culturas o poderoso é obrigado a ser polígamo, porque a posse de muitas esposas é um sinal de status. Mas embora haja muitas concubinas sempre existe uma favorita: isso em pureza zoológica se chama monogamia.

LV - Ou seja, essa história de "duas mulheres ao mesmo tempo" é biologicamente improvável.

Morris -
Pode haver duas mulheres ao mesmo tempo, mas na realidade há uma esposa e a outra. Sempre há uma que é a mulher. A outra tem um papel secundário que complementa mais ou menos o homem, mas seu investimento emocional, o homem o realiza só em uma mulher, uma companheira, embora é claro que esse lugar prioritário em seu afeto e sua economia possam ser ocupados por diversas mulheres sucessivamente.

LV - Por que somos seres de uma só mulher?

Morris -
Porque só podemos nos ocupar realmente de uma prole, mesmo que possamos ter engendrado várias. E a natureza hierarquiza nossa dedicação para otimizar as possibilidades de êxito sucessório.

LV - Nunca houve um polígamo de verdade?

Morris -
Eu e minha equipe de pesquisadores e antropólogos procuramos por todo o planeta pelo menos um caso de poligamia real, quer dizer, um polígamo que desse exatamente o mesmo tratamento a todas as suas fêmeas e aos descendentes que tivesse com cada uma.

LV - E...?

Morris -
Não encontramos. Filmamos um famoso bruxo e cantor de rock nos Camarões que tinha chegado a colecionar 58 esposas...

LV - Deve ter sido terrível, coitado.

Morris -
... mas sempre tinha uma favorita.

LV - Ela. Sempre ela.

Morris -
... embora nosso bruxo roqueiro realizasse uma festa de casamento gigantesca cada vez que mudava de favorita.

LV - Como tantas celebridades do rock.

Morris -
E todas as garotas do coro estavam casadas com ele! Na realidade era monógamo, mas para aparentar diante da tribo o pobre homem era obrigado a parecer polígamo.

LV - Extenuante.

Morris -
A mesma coisa aconteceu com um rei do Taiti que pesquisamos: chegou a ter 28 esposas espalhadas pela ilha, cada uma em sua casa. Mas sempre havia uma com a qual passava mais tempo e cuja prole protegia com mais dedicação e recursos. O homem pode ter muitas companheiras, mas uma única dona.

O PINTOR CONGO

Desmond Morris me parece um grande orangotango carinhoso, livre-pensador e reflexivo, que às vezes coça a calva e outras surpreende a si mesmo rindo de seus casos. E tem muitos. Talvez seja o zoólogo mais famoso do planeta, e percorreu selva a selva para fundamentar suas teorias desde que em 1967 "O Macaco Nu" vendeu 10 milhões de exemplares.

Seu prestígio e sua amizade com Congo, um chimpanzé que ele ensinou a pintar nos anos 60 e chegou a realizar --e vender!-- cerca de 50 quadros, o aproximaram dos gênios da época, entre eles seu amigo e mentor Miró.

Dalí também se apaixonou pelo talento pictórico de Congo; em troca, Picasso mordeu a mão do primeiro jornalista que lhe perguntou sobre as pinturas de Congo (o macaco não quis dar declarações).

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

ÍNDICE DE NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA





Shopping UOL

Gravadores Externosde DVD a partir
de R$ 255,00
Câmera Sony6MP a partir
de R$ 498,00
TVs 29 polegadas:Encontre modelos
a partir de R$ 699