UOL Mídia GlobalUOL Mídia Global
UOL BUSCA

RECEBA O BOLETIM
UOL MÍDIA GLOBAL


18/11/2006
Canal da Al Jazira em inglês não consegue transmitir nos EUA

Andy Robinson
em Nova York


A Al Jazira estreou nesta quarta-feira (15) seu novo canal de televisão em língua inglesa, que, segundo a direção do grupo de televisão árabe sediado no Catar, levará seu sinal a 80 milhões de residências, principalmente nos países árabes e na Europa. Ela tem centros de transmissão em Doha, Londres, Kuala Lumpur e Washington.

Mas no principal mercado de língua inglesa do mundo, os EUA, quase ninguém tem a oportunidade de assisti-lo. Nenhum grupo de cabo - principalmente Comcast, Time Warner Cable, Charter Communications e Cablevision - chegou a um acordo com o canal. "Por enquanto não fizemos um acordo com a Al Jazira e não posso especular sobre o futuro", disse Jenni Moyer, porta-voz da Comcast, o maior grupo de televisão a cabo dos EUA, a "La Vanguardia".

Perguntada se a decisão teve motivos comerciais ou políticos, Moyer respondeu que a Comcast "não questiona as decisões tomadas em discussões com possíveis sócios".

Mas tudo indica que - diante do interesse que haveria nos EUA por acesso a mais fontes de informação sobre a guerra no Iraque, tema principal das eleições de 7 de novembro - a decisão das grandes empresas de televisão a cabo corresponde a "uma censura de fato", segundo Norman Solomon, autor de "War Made Easy" [A guerra explicada]. "Milhões de pessoas gostariam de ver a programação da Al Jazira em inglês, mas há grupos influentes que não querem ofender o governo ou os anunciantes", disse.

As relações entre a Al Jazira e o governo Bush tem sido no mínimo crispadas. O ex-secretário da Defesa Donald Rumsfeld acusou o canal em abril de 2004 de transmitir "informação atroz, imprecisa e imperdoável" sobre as mortes de civis em Faluja, posteriormente comprovadas. Segundo a transcrição de uma conversa entre George Bush e Tony Blair publicada na mídia inglesa em novembro de 2005, embora desmentida pelo governo de Washington, Bush brincou em 16 de abril de 2004 que gostaria de bombardear a sede da Al Jazira no Catar. Os escritórios do canal em Cabul e Bagdá foram bombardeados pelas forças americanas.

No entanto, o governo americano lamentou diversas vezes que a Al Jazira transmitiu os comunicados de Osama bin Laden, vídeos que tiveram audiência máxima quando transmitidos pela CNN ou Fox, o que deixa claro, segundo Solomon, "a desconexão entre o mercado e a censura". O site inglês da Al Jazira foi quase destruído por hackers de identidade desconhecida.

A implantação do novo canal em inglês da Al Jazira foi adiada diversas vezes devido a problemas técnicos e questões de licença. A TV contratou importantes jornalistas de televisão no Reino Unido e nos EUA, entre eles o veterano britânico David Frost, famoso por sua entrevista com Richard Nixon durante o escândalo Watergate, e o correspondente da ABC americana Dave Marash. Ela também conta com os serviços do ex-apresentador da CNN Riz Khan.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

ÍNDICE DE NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA





Shopping UOL

Gravadores Externosde DVD a partir
de R$ 255,00
Câmera Sony6MP a partir
de R$ 498,00
TVs 29 polegadas:Encontre modelos
a partir de R$ 699