China poderia aprender política e economia com o Vietnã

Rafael Poch
Em Pequim

Em pleno congresso do Partido Comunista Chinês, inaugurado na segunda-feira em Pequim, se especula sobre a possível aplicação de alguma medida para ampliar a democracia no interior do partido. Uma delas poderia ser que nas listas de nomes para formar o novo Comitê Central fossem incluídos 10% ou 15% de nomes a mais que os cargos disponíveis. Embora a opinião majoritária seja de que essa medida só será aplicada para a eleição do Comitê Central (200 membros), alguns esperam que também alcance o Birô Político (25). Ninguém espera que a lista para o órgão máximo, o comitê permanente do Birô Político, inclua mais candidatos do que os que vão entrar.

As listas foram confeccionadas de forma fechada, e isso quer dizer que os delegados poderão, no melhor dos casos, ratificar 200 membros do Comitê Central de uma lista de 220 ou 230, de cuja elaboração não participaram.

O PCC nunca tentou estabelecer mecanismos de concorrência para a eleição de seus líderes, mas se olhasse para seu pequeno vizinho do sul poderia aprender algumas coisas e constataria que não é tão difícil fazê-lo.

Kham/Reuters - 18.set.2007 
Vista aérea de Hanói, capital do Vietnã, país que cresce em um ritmo de 8% ao ano

Em abril do ano passado, o décimo congresso do PC do Vietnã inaugurou a eleição do secretário-geral, Ngong Duc Manh, entre vários candidatos. Um de seus concorrentes foi o secretário do partido em Cidade Ho Chi Minh (antiga Saigon), Nguyen Minh Triet, que mais tarde foi eleito presidente do país.

Mais da metade da composição do Comitê Central do partido vietnamita foi renovada então, e a participação também envolveu suas bases. O relatório político da direção, que traça a linha política para o futuro, foi discutido publicamente nas organizações de base do partido. Na China é um documento secreto e os vazamentos de seu conteúdo podem ser penalizados com a prisão.

Em 2004 um vazamento sobre a demissão do ex-secretário geral do partido Jiang Zemin de seu último cargo foi punido com três anos de prisão para o jornalista Zhao Yan, que a divulgou em um jornal ocidental.

No Vietnã, o Parlamento pode exigir contas do governo e suas sessões são transmitidas ao vivo pela televisão. A greve é legal, os tribunais do Estado costumam apoiar os trabalhadores nos conflitos trabalhistas com as empresas, e tudo isso não impede que o país goze da sacrossanta estabilidade e cresça em um ritmo de 8% ao ano. O Vietnã é o segundo país da Ásia em dinamismo de crescimento, atrás da China. Em cinco anos os vietnamitas duplicaram suas exportações e em dez anos reduziram à metade a população pobre, que hoje representa 20% do total.

Na China, a informação sobre essas aberturas no partido vietnamita foi considerada delicada e por isso foram distribuídas diretrizes aos meios de comunicação para que se restrinjam na matéria exclusivamente aos despachos da agência oficial chinesa, Xinhua. O vizinho do sul está dando uma lição ao PCC em termos de abertura interna. As bases do Partido Comunista do Vietnã ajudaram a traçar a linha política do país Luiz Roberto Mendes Gonçalves

UOL Cursos Online

Todos os cursos