Prêmio Nobel diz ter sido mais feliz quando era louco

Lluís Amiguet

Tenho 79 anos. Nasci na Virgínia Ocidental. Tenho dois filhos: estive casado, deixei de estar e agora volto a estar. As estatísticas demonstram que é melhor estar casado. Seria penoso explicar toda a minha evolução religiosa. Votar é fácil e pouco. Colaboro com a Universidade Pompeu Fabra (Barcelona). A entrevista:

La Vanguardia - Por que lhe deram o prêmio Nobel de Economia?
John Forbes Nash -
Descobri uma forma de equilíbrio -hoje chamado de Nash- na teoria dos jogos: um ponto em que nenhum dos jogadores pode melhorar sua situação. Hoje esse conceito é aplicado de forma interdisciplinar.

LV - Fez essa descoberta apesar de sua enfermidade mental?
Nash -
Tenho um histórico, sim, de distúrbio mental temporário que se manifestava de diversas formas. Hoje temos medicamentos que na época não existiam, que tratam os sintomas e permitem continuar com o que se considera uma vida normal, mas têm efeitos indesejáveis.

IDAS E VINDAS
Divulgação
Russel Crowe em cena do filme "Uma Mente Brilhante"

"É um gênio": foram as três palavras com que o recomendaram a Princeton. Sua irmã, ao saber, acrescentou: "É muito estranho". Aos 21 anos, enunciou a tese de equilíbrio que desbancou Adam Smith e fundou a economia moderna. Participou como cientista militar até o delírio -literal- na Guerra Fria que sua esquizofrenia paranóica simboliza à perfeição: acabou acreditando ser perseguido por conspiradores comunistas. Internado depois de uma crise psicótica, passou 30 anos alheio, vagando pelo campus de Princeton, onde o apelidaram de o fantasma. Conseguiu recuperar a sanidade de forma milagrosa e suficiente para receber o prêmio Nobel em 1994. É o ser mais inquietante que conheci.
LV - Quais?
Nash -
Para restituir sua normalidade, reduzem sua atividade neurológica e suas funções cognitivas. O devolvem à normalidade, sim, mas às custas de sua capacidade pessoal de raciocínio.

LV - E hoje o senhor o exerce integralmente?
Nash -
Eu posso trabalhar, mas meu filho, que também sofre esse distúrbio, toma esse medicamento que não lhe permite se dedicar a nada concretamente; mas pode observar um comportamento normal.

LV - Como se manifestou esse transtorno?
Nash -
Tive de ser internado em um hospital depois de vários episódios de disfunção social, e afinal melhorei, mas não pude evitar um poço de infelicidade em meu ânimo e em minha conduta.

LV - A que se refere?
Nash -
Era infeliz ao me recuperar, porque a normalidade não me deixava feliz. A loucura começa quando você descobre uma segunda realidade em sua mente e às vezes a prefere, porque o faz mais feliz que a normalidade. Assim, cheguei a um ponto em que eu era mais feliz louco do que são.

LV - Mas era capaz de distinguir entre a realidade e sua ilusão?
Nash -
Chega um momento em que fica difícil distingui-las e você vai escolhendo cada vez mais a ilusória. Assim se transforma em disfuncional.

LV - Disfuncional em que sentido?
Nash -
É natural que um ser humano deva atuar com o resto do grupo: trabalhar, observar as normas, comportar-se como todos...

LV - Há exceções.
Nash -
Correto. Suponhamos que eu não trabalhe nem seja rico e diga que ouço vozes, tenho visões e as desenho ou escrevo: o que você pensaria?

LV - Talvez sugira que poderiam interná-lo.
Nash -
Suponhamos que eu lhe diga que sou um monge enclausurado. Você aceitaria que uma freira ou um monge em seu convento pode não trabalhar, ter visões e explicá-las, no entanto esse monge não será considerado anormal por isso.

LV - Certamente.
Nash -
A sociedade os aceita porque, fora eles, há muitos e suficientes outros homens e mulheres que se comportam de forma normal.

LV - A maioria tem senso comum.
Nash -
Falso. O senso comum não é majoritário: por exemplo, na Espanha e no Ocidente o cristianismo é a religião majoritária...

LV - Continua sendo, sim.
Nash -
... mas o cristianismo exige de seus fiéis fé cega em dogmas que em caso algum poderiam ser considerados senso comum.

LV - A trindade ou a virgindade de Maria.
Nash -
Hoje eu vi a obra de Gaudí: magnífica.

LV - Sem dúvida.
Nash -
Apesar de não conhecer sua vida, tenho certeza de que foi considerado um anormal, um louco.

LV - Creio lembrar-me que sim.
Nash -
Van Gogh também tinha problemas para discernir a realidade de suas visões. O que me pergunto é se a medicação que temos hoje teria sido capaz de devolver a normalidade a Van Gogh sem privá-lo de seu talento.

LV - ...
Nash -
No entanto, o progresso teria sido difícil sem as visões de Van Gogh ou o autismo de Newton. Newton também foi considerado um tipo suspeito: não se casou, era estranho...

LV - O senhor acredita que Newton precisava de medicação?
Nash -
Era Newton, mas nem todos os doentes são gênios. Muitas vezes a diferença entre um louco e um gênio esteve na quantidade de dinheiro que ganhava. Van Gogh acabou se suicidando também por ser pobre, e hoje meu filho recebe um subsídio federal que eu não ganhei porque não existia. Esse subsídio é importante para evitar que um doente mental seja marginalizado por não ser rico e não trabalhar.

LV - O que o senhor achou do livro e do filme sobre sua pessoa, "Uma Mente Brilhante"?
Nash -
O livro foi feito sem contar comigo, e embora a autora tenha acumulado uma quantidade de informações notável também acumulou uma quantidade notável de erros.

LV - E o filme com Russell Crowe?
Nash -
Os autores foram mais cooperativos conosco. Assinamos um acordo com a Universal Studios. Isso não quer dizer que esse filme tenha muito a ver com a minha vida.

LV - Isso não pareceu importar muito a eles...
Nash -
... a ninguém exceto a mim. Na realidade, tem muito pouco a ver com a minha vida. Você acredita que me pareço com Russell Crowe? Mas é um filme com valores estéticos e uma boa mensagem proativa para os doentes mentais.

LV - Em que trabalha agora?
Nash -
Questiono o conceito keynesiano de inflação. Também me interessa a teoria das cordas da física teórica e suas derivações na antropologia e nas ciências sociais.

LV - Conte-nos, por favor.
Nash -
Talvez o universo não seja indiferente à nossa existência: temos um instinto descobridor manifesto na colonização da América que nos levará para fora do planeta antes que ele entre em colapso. "Cheguei a um ponto em que era mais feliz louco que são", diz John Forbes Nash, prêmio Nobel de Economia , cientista que foi esquizofrênico e inspirou o filme "Uma Mente Brilhante" Luiz Roberto Mendes Gonçalves

UOL Cursos Online

Todos os cursos