UOL Notícias Internacional
 

06/08/2008

A Conferência Internacional sobre a Aids insiste no papel primordial da prevenção

Le Monde
Paul Benkimoun
Na Cidade do México
Redobrar os esforços em favor da prevenção e lutar contra as discriminações que vêm alimentando a epidemia. Estas metas despontam como as duas temáticas mais fortes da 17ª Conferência internacional sobre a Aids, que iniciou suas atividades no domingo (3) na Cidade do México. No decorrer dos inúmeros discursos e apresentações que foram pronunciados por ocasião da cerimônia inaugural - que se revelou extensa demais -, este duplo objetivo foi abordado de maneira recorrente.

Prevalência - O Unaids estimou em 33 milhões o número de pessoas que conviveram com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) no mundo em 2007, das quais 67% vivem na África subsaariana.

Novos casos de infecção - De 3 milhões em 2001, o número de pessoas que contraíram o HIV no decorrer de um mesmo ano passou para 2,7 milhões em 2007.

Óbitos - O Unaids recenseou 2,2 milhões de casos de morte em decorrência da Aids em 2007, dos quais 72% foram registrados na África subsaariana.

Tratamentos - Em 2007, 1 milhão de doentes da Aids que vivem nos países nos países de renda reduzida ou de nível econômico intermediário, tiveram acesso a medicamentos anti-HIV. Isso aumentou para 3 milhões o número total de pessoas desses países que recebem tratamentos antiretrovirais.
NÚMEROS
Os mais recentes números disponíveis a respeito da situação da pandemia provocada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), que foram publicados duas semanas atrás, e que mostram que a quantidade de novos casos de infecção e de óbitos em 2007 havia ligeiramente diminuído nestes dois planos, poderiam contribuir para tranqüilizar falsamente as populações. "O fim da Aids está muito longe de despontar no horizonte", alertou Peter Piot, o diretor executivo do Unaids, o Programa Comum das Nações Unidas de Luta contra a Aids. "Todo dia, surgem mais e mais pessoas recém infectadas, e o seu número é cerca de três vezes superior ao dos pacientes que passam a contar com um tratamento antiretroviral".

Daí a preocupação que foi manifestada pelo secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon: "Em sua maioria, os países ainda têm um extenso caminho pela frente, se quiserem atingir o objetivo de médio prazo que eles mesmos definiram já faz dois anos, por ocasião da Assembléia Geral das Nações Unidas. Ou seja, o objetivo de se alcançar o acesso universal aos meios de prevenção, de tratamento, de atendimento médico e de apoio contra o HIV até 2010. Em conseqüência disso, eles enfrentarão grandes dificuldades para atingirem o objetivo do Milênio e para o desenvolvimento, que consiste em debelar e em reverter a propagação da Aids daqui até 2015".

Os esforços de pesquisa ampliaram o número de medicamentos anti-HIV disponíveis. Mas, acima de tudo, foram os esforços empenhados no sentido de se alterar as condições e as chances de acesso aos tratamentos dos doentes nos países pobres que permitiram alcançar, ainda que com dois anos de atraso, a meta de 3 milhões de pessoas beneficiando de tratamentos antiretrovirais nesses países.

Chamando a atenção para a importância de se desenvolver uma "prevenção combinada", Peter Piot sublinhou que esta meta "requer os mesmos níveis de paixão e de militância do que as motivações que haviam resultado no sucesso do movimento em favor do acesso aos tratamentos". Num contexto marcado pelos recentes fracassos dos testes de uma vacina preventiva, assim como dos nove testes que foram conduzidos com microbicidas, esta prevenção combinada visa a associar diferentes modalidades (uso de preservativos, redução do número de parceiros, circuncisão...).

Durante a sessão plenária que foi realizada na segunda-feira, o antigo ministro mexicano da saúde, Jaime Sepulveda, que trabalha atualmente a serviço da Fundação Bill e Melinda Gates, insistiu na importância de se desenvolver novos estudos científicos destinados a uma melhor avaliação dos diferentes tipos de prevenção: "Nós temos uma idéia bastante consolidada a respeito dos tipos de tratamento que são necessários, e em relação a quais pacientes eles se destinam. Mas este não é o caso no que diz respeito à prevenção".

A luta contra a discriminação é o corolário da prevenção. Conforme explicou Ban Ki-moon, "nos países onde não existem leis para proteger as prostitutas, os usuários de drogas e os homens que se dedicam a práticas homossexuais, apenas uma pequena parcela da população tem acesso à prevenção", ao contrário dos países que oferecem a essas minorias uma proteção legal. O secretário-geral das Nações Unidas acrescentou: "O fato de não proteger esses grupos não é apenas contrário à ética, como isso tampouco faz sentido de um ponto de vista sanitário".

O presidente mexicano, Felipe Calderón, mostrou estar em sintonia com essas concepções, lembrando que é preciso "enfrentar não apenas o vírus responsável por esta terrível doença, como também os mitos, a homofobia, os preconceitos, a discriminação, todos os quais provocam tantos prejuízos sociais quanto o próprio vírus".

Daqui até o encerramento da conferência, na sexta-feira (8) os congressistas vão ouvir comunicações dedicadas tanto aos estudos sobre os medicamentos, as vacinas ou ao gel microbicida, quanto às pesquisas sobre o vírus e os mecanismos da infecção.
Jean-Yves de Neufville

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    0,44
    3,190
    Outras moedas
  • Bovespa

    18h21

    0,14
    76.390,52
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host