UOL Notícias Internacional
 

04/09/2008

A origem da doença da vaca louca permanece misteriosa

Le Monde
Jean-Yves Nau
Mais de vinte anos depois do seu surgimento, no rebanho bovino inglês, em 1986, da encefalopatia espongiforma bovina (ESB, ou doença da vaca louca), ainda falta muito para os pesquisadores desvendarem todos os seus secretos. Apesar da quantidade considerável de estudos no campo da pesquisa fundamental que foram empreendidos sobre este tema, e a respeito daquele, mais geral, dos agentes transmissíveis não-convencionais, a origem exata desta doença animal, que é transmissível ao homem por via alimentar, permanece misteriosa.

Mais precisamente, os pesquisadores já não duvidam mais de que as farinhas animais chamadas de "de carnes e de ossos", incorporadas na alimentação dos ruminantes de criação, constituíram um dramático vetor amplificador do fenômeno. No entanto, nada permite determinar a origem exata da família de proteínas-príones patológicas, cujas características físico-químicas despontam como fora do comum, e que está na origem da ESB.

Publicados na sexta-feira, 29 de agosto, no site da revista "PloS Pathogens", os resultados de uma pesquisa experimental, dirigida por Thierry Baron, da Agência Francesa de Segurança Sanitária dos Alimentos (Afssa), fornecem uma série de respostas inéditas. No entanto, estas não oferecem soluções definitivas.

Para os especialistas, a ESB não pode, esquematicamente, ter outra origem do que a de um agente infeccioso transmissível não-convencional, presente nas espécies bovinas ou ovinas, antes da sua reciclagem por via alimentar. Considerando-se os interesses consideráveis em jogo nos planos sanitários e econômicos, as diferentes hipóteses que foram apresentadas neste campo ao longo dos últimos anos, foram objetos de numerosas e vivas polêmicas. Era de se esperar que as pesquisas desenvolvidas pelo grupo dirigido por Thierry Baron permitiriam, finalmente, chegar-se a uma conclusão.

Infectologia contemporânea

Mas, este não foi o caso. "Considerando os resultados das nossas pesquisas, que foram conduzidas a partir de cepas patogênicas que nós isolamos em ruminantes doentes; e que nós inoculamos em ratos transgênicos, tudo o que nós podemos fazer e apresentar argumentos que não apontam favoravelmente para uma origem ovina da ESB", explica M. Baron. "Seria presunçoso da nossa parte se tentássemos nos aprofundar sobremaneira em nossas conclusões ou, mais ainda, em nossas extrapolações".

O surgimento, entre os bovinos, da doença da vaca louca, seguido pela demonstração da sua possível transmissão por via alimentar à espécie humana, sob a forma da doença de Creutzfeldt-Jakob, permanece um dos grandes enigmas da infectologia contemporânea. Jean-Yves de Neufville

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host