UOL Notícias Internacional
 

07/10/2008

O tabaco e os combustíveis sólidos poderiam matar mais de 80 milhões de chineses daqui até 2033

Le Monde
Jean-Yves Nau
Se nenhuma medida preventiva de grande vulto for implementada, três doenças pulmonares serão, dentro do próximo quarto de século, responsáveis por cerca de 80 milhões de óbitos prematuros na China. Esta sombria profecia estatística é o resultado de um estudo que foi tornado público no sábado, 4 de outubro, pelo site na Internet da publicação "The Lancet". Esta revista médica britânica também reproduziu os comentários redigidos por dois especialistas chineses, que exortam o seu governo a tomar as medidas sanitárias cabíveis para reverter esta situação. Essas medidas devem capazes, sobretudo, de modificar os comportamentos individuais (no que se refere ao consumo de tabaco, por exemplo) e as práticas domésticas (modo de calefação e de cozimento dos alimentos) mais nefastas para a saúde pública.

Na China, um cidadão em cada dois é atualmente consumidor regular de tabaco, enquanto mais de 70% da população vivem em habitações cujo ambiente está poluído pela utilização que nelas é feita de combustíveis sólidos, dos quais o carvão de lenha ocupa o primeiro lugar no ranking dos mais utilizados. Esta situação explica a freqüência dos casos de broncopneumopatia crônica obstrutiva (BPCO), de câncer bronco-pulmonar, e também de tuberculose. Estas três moléstias são respectivamente a segunda, a sexta e a oitava causas de mortalidade na China, o que corresponde a 2 milhões de óbitos a cada ano.

Extensa análise estatística
Esse tipo de poluição ambiental pode ser encontrado num grande número de países do Terceiro Mundo que não dispõem de outras fontes de calefação e que se tornaram um alvo privilegiado das multinacionais do tabaco.

No final de uma extensa análise estatística que incorporou múltiplos dados epidemiológicos, os autores da publicação da "Lancet" construíram vários cenários que dizem respeito à evolução da mortalidade provocada por estas três doenças. Eles concluem que se nenhuma iniciativa de grande vulto for tomada no sentido de lutar contra o tabagismo e a poluição doméstica causada pelos métodos de calefação, 65 milhões de pessoas morrerão de maneira prematura daqui até 2033, das conseqüências de uma BPCO ou de uma tuberculose, enquanto outros 18 milhões de pessoas perderão a vida por efeito de um câncer bronco-pulmonar. Isso representaria então cerca de um quarto dos óbitos recenseados na China durante este período.

Esta pesquisa foi conduzida por um grupo de epidemiologistas americanos e britânicos dirigido por Hsien-Ho Lin e Majid Ezzati (do departamento de saúde ambiental da Escola de Saúde Pública de Harvard, em Boston). Eles acrescentam que este balanço poderia não ser tão drástico caso as autoridades agissem contra os principais fatores de riscos. Assim, uma ação progressiva destinada a eliminar essas duas fontes de poluição (entre outros, por meio da instalação de dispositivos de arejamento e de ventilação) poderia permitir, daqui até 2003, prevenir 26 milhões de casos de óbito prematuro provocados pela BPCO ou pela tuberculose, e impedir 6,3 milhões de mortes em conseqüência do câncer bronco-pulmonar. Jean-Yves de Neufville

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host