UOL Notícias Internacional
 

25/12/2008

Microcrédito chega a uma favela chamada "Sodoma e Gomorra"

Le Monde
Philippe Bernard
Enviado especial a Acra (Gana)
Naquela manhã, o bairro de "Sodoma e Gomorra" emergiu da umidade e do barro. Na véspera, chuvas de dilúvio, recebidas como uma bênção nesta estação de aço, caíram sobre o labirinto de ruas esburacadas. Cerca de 200 mil pessoas sobrevivem nesta favela cujo nome não deve nada ao acaso na Gana repleta de referências bíblicas.

Com os pés nus ou em sandálias, multidões de crianças espirravam água ao ziguezaguear pelos caminhos cheios de água avermelhada. A imensa área tem um mercado ao ar livre, um pátio dos Milagres e uma concentração de habitantes miseráveis. Aos aromas das especiarias e das bananas grelhadas se misturam aqueles, menos doces, da lagoa que cerca o bairro, arrastando para o oceano as águas usadas da cidade. O "milagre ganense", nesse país anglofônico orgulhoso de seus 6% de crescimento anual, símbolo raro de estabilidade na África, estende suas agências bancárias e decorações de Natal para além desse esgoto a céu aberto.

Enlameado, sem dinheiro, Sodoma e Gomorra, o bairro, não interessa aos grandes luminosos financeiros. O bairro tem, portanto, seu próprio "banco". Sem climatização nem plantas verdes na agência local da ONG Iniciativa-Desenvolvimento (ID). O guichê ocupa quase todo o pequeno espaço octogonal localizado na parte coberta do mercado. "Guarde seu 'susu' de todo dia conosco", convida um aviso simples colado na vitrine. "Susu", significa poupança em twi, a língua local mais falada.

"Alguns de nossos 'clientes' nos procuram para financiar sua refeição da noite. Poucos financiadores estão mais próximos da realidade do que nós", constata Romain Tevels, 30, diretor do ID-Gana. Esta organização ligada à ONG francesa Entrepreneurs du Monde propõe empréstimos de no máximo mil cedis (€ 660) e planos de poupança em sete bairros pobres da capital.

Patience Tobizo, uma elegante vendedora, personifica com modéstia uma das histórias de sucesso da organização. Como milhões de africanos, esta mãe de seis filhos há tempos vem completando a renda de seu marido, carpinteiro, vendendo doce nas ruas ou produtos domésticos numa bacia sobre sua cabeça.

Graças aos 150 cedis (€ 99) emprestados pelo ID, ela conseguiu comprar o estoque de bebidas, sabonetes e fraldas à unidade que ela oferece aos passantes numa barraquinha revestida com as cores da Coca-Cola. Patience, fazendo jus a seu nome, ainda espera pelo refrigerador prometido pela marca em troca da publicidade. Ela diz conseguir um lucro de 12 cedis (€ 8) por semana depois de pagar as prestações do empréstimo consentido a uma taxa mensal de 3,25%.

Ainda que a taxa elevada surpreenda, Romain Tvels responde lembrando os 18% de inflação anual em Gana, os outros serviços (formação, ajuda ao acesso, assistência médica) que sua ONG fornece à população e o custo elevado da gestão dos empréstimos.

"Nenhum banco quer pagar alguém para recuperar 20 cedis (€ 13,2) no fundo de uma favela". Ele também apresenta como argumento as exigências ainda mais altas dos "caçadores de susu", banqueiros tradicionais, porém vorazes. Se o ID têm 7.500 cadernetas de poupança e 4.600 empréstimos em curso em Acra, somando o equivalente a € 370 mil, "é porque nós respondemos a uma necessidade", observa.

"Ninguém mais quer nos emprestar dinheiro", confirma Mary Ugenagar, que vigia os compradores na frente de uma pilha de inhames. A comerciante acaba de pagar os 200 cedis emprestados que permitiram a ela comprar sua mercadoria num momento de falta de dinheiro.

A ONG financia exclusivamente as atividades produtivas e assegura que não há nenhuma inadimplência. Os empréstimos para os comerciantes só são consentidos depois de uma etapa de poupança e um questionário sério. O dinheiro é dado apenas para grupos em que cada membro assume o compromisso de pressionar os eventuais maus pagadores.

Mais de nove entre dez empreendedores são mulheres, consideradas muito mais confiáveis e aptas a tirar partido de somas ínfimas. "Um homem não consegue fazer nada com um empréstimo de 100 cedis. Uma mulher compra imediatamente alguns tomates ou cebolas e revende, ganhando sua vida assim", afirma Benjamin Sackey, responsável ganense do ID em Sodoma e Gomorra. Para ele, o microcrédito não assegura apenas a sobrevivência, mas permite "uma mudança de status" social.

Bem longe de Wall Street, a dona de casa das favelas de Acra também pode padecer rapidamente com a crise financeira mundial. A rarefação do crédito bancário e a queda nas transferências de dinheiro dos ganenses que moram no exterior já comprometem a decolagem de Gana.

A escassez do microcrédito também a ameaça. Uma ONG como o ID sofre com a diminuição das doações de empresas e subvenções públicas. Ela própria teve de começar a emprestar dinheiro dos bancos. O furacão financeiro vindo dos Estados Unidos ameaça também as migalhas vitais do microcrédito. Eloise De Vylder

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h19

    -1,28
    3,140
    Outras moedas
  • Bovespa

    16h23

    0,74
    70.532,01
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host