UOL Notícias Internacional
 

07/01/2009

As obras da Cité de la Musique no Rio de Janeiro foram suspensas

Le Monde
Frédéric Edelmann
Do Le Monde
É uma história alegremente "carioca", que portanto deveria resultar em zombarias e abraços. Em questão: o financiamento da Cité de la Musique do Rio de Janeiro, projetada pelo francês Christian de Portzamparc - já o autor da de Paris - e praticamente concluída. No dia 1o de janeiro, o prefeito recém-eleito, Eduardo Paes (PMDB), anuncia, entre uma série de medidas visando reduzir as despesas da cidade, que as obras da Cité foram suspensas por um período de quatro meses.

O projeto, lançado em 2002 pelo antigo prefeito do Rio, César Maia (DEM), havia sido estimado em 80 milhões de reais (menos de 25 milhões de euros). A construção já empatou 518 milhões, ou seja, quase 160 milhões de euros. Só faltam alguns meses de trabalho, e segundo a prefeitura, 40 milhões de reais, 80 milhões segundo a construtora.

A Cidade da Música é uma magnífica construção suspensa, na Barra da Tijuca - bairro de prédios residenciais da zona oeste - que se estende por mais de 95 mil m2. O grosso da obra está concluído e uma parte dos acabamentos, difícil de avaliar, mesmo que o projeto possa ser em parte revisado. Sobrevoando a Barra da Tijuca de helicóptero, Portzamparc não havia se entusiasmado com o local. Mas a ideia de inventar um projeto cultural no meio deste "centro impossível" o levou a imaginar um mecanismo naval no centro dos anéis rodoviários, e a pensar em uma Cité suspensa, composta de dois terraços de onde se poderia "descobrir as montanhas, o mar, a cidade".

O projeto, que havia sido bem recebido, foi no entanto vítima de uma certa fantasia local, que Portzamparc só pode constatar. Assim, mal a Cité começou, a prefeitura preferiu apostar nos jogos pan-americanos de julho de 2007. Em 2006 e 2007, foi pedido às empresas que elas interrompessem as obras e esperassem sabiamente que fossem pagas - situação raramente favorável para o comando de uma obra dessa espécie.

Porta-aviões melodioso
Em 2008, no entanto, Maia decidiu acelerar. Quase 3 mil operários trabalharão para terminar esse grande porta-aviões melodioso, de forma que possa ser inaugurado pelo menos parcialmente pelo prefeito, que termina seu terceiro e último mandato no dia 31 de dezembro de 2008. A eleição teve lugar em fim de outubro, e é o centrista Eduardo Paes, do PMDB, próximo de Lula, que obtém 50,8% dos votos, ultrapassando o candidato do Partido Verde. Paes assume suas funções no dia 1o de janeiro e decide então a suspensão das obras por quatro meses, tempo de estudar o financiamento e a validade do projeto.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, ele teria consumido em 2008 "um quarto dos investimentos em obras da prefeitura".

Alegando que muitos cariocas teriam preferido uma realização mais modesta, e que as somas gastas para essa construção deveriam ter sido investidas em educação e saúde, dos quais o Rio tanto precisa. Nem Portzamparc nem seu trabalho estão sendo questionados. No Brasil, o arquiteto não tem nenhum controle sobre as licitações e os contratos com as empreiteiras. É a Rio Urbe, importante empresa municipal de urbanização, que administrou os custos, e o Atelier Portzamparc garante não ter responsabilidade nenhuma sobre o resultado dos gastos.

A inauguração desejada por Maia foi cancelada e substituída, no dia 26 de dezembro de 2008, por um concerto mais modesto, ao qual Paes não quis comparecer. Mas o jornal O Globo, a partir de 29 de dezembro de 2008, veio ao socorro da Cité, descrevendo com lirismo suas qualidades arquitetônicas e a qualidade de sua acústica. De resto, Portzamparc, cuja Cité foi concluída a 95%, não se mostra muito inquieto. "Desde o início", ele nos disse, ele se preocupou "com as dimensões populares de sua Cité, principalmente com a presença da dança e do ensino".

Nas primeiras horas da Era Paes, Christian de Portzamparc teve uma longa reunião com Jandira Feghali (PC do B), candidata à prefeitura, que Paes integrou à sua equipe como secretária da Cultura. Nos próximos dias, Paes, Feghali e os novos responsáveis pela candidatura do Rio aos Jogos Olímpicos de 2016 deverão visitar, com o arquiteto, essa obra tão rapidamente inaugurada.

Tradução: Lana Lim

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host