UOL Notícias Internacional
 

12/07/2009

A causa esquecida dos uigures

Le Monde
Caroline Fourest
Os tumultos na China e a repressão sangrenta que se seguiu a eles voltam a colocar em evidência o caso de uma dissidência singular, estranhamente esquecida pelos defensores habituais de qualquer causa muçulmana: a dos uigures.

  • AP/Kyodo News

    Uigures participam de cerimônia religiosa em mesquita na província de Xinjiang, na China

Fala-se menos sobre eles do que sobre os tibetanos. Entretanto, esses 8 milhões de muçulmanos turcófonos que habitam a província de Xinjiang sofrem verdadeiras perseguições em nome da sinização. Colonizada no século 19 e controlada pelo império, a província é rica em hidrocarbonetos, em recursos minerais e em terras agrícolas. O regime comunista sempre temeu que o desenvolvimento de uma cultura uigure autônoma fosse resultar em um desejo de independência. Então assim como com os tibetanos, ele se empenha em diluir a identidade da região com a ajuda de uma grande população han. O que costuma provocar grandes tensões entre as duas comunidades, e de vez em quando, revoltas.

Todo mundo se lembra da repressão sangrenta sobre o movimento estudantil na praça Tiananmen. Sabe-se que 8 anos depois, o regime massacrou de forma sangrenta uma tentativa de insurreição uigur. Os números são difíceis de verificar, mas fala-se de 8 mil desaparecidos e de 50 mil presos ou torturados. Desde então, os manifestantes não pararam mais de radicalizar. Alguns uigures se juntaram a movimentos islâmicos extremistas. O que permite a Pequim que conduza sua política de repressão em nome da luta contra o terrorismo. No entanto, o essencial da dissidência continua a ser conduzido pacificamente, especialmente pelo Congresso Mundial Uigur da dissidente em exílio Rebiya Kadeer. Pequim a acusa hoje de ter articulado os tumultos. Ela, que quase recebeu o prêmio Nobel da Paz, nega e pede por uma investigação internacional.

Tive a oportunidade de encontrá-la um ano e meio atrás em Bruxelas. Aquela que encarna a esperança de uma etnia muçulmana oprimida não usa nem a burca nem nenhum outro tipo de véu. Mãe de sete filhos, sendo que vários deles estão na prisão, ela fez fortuna no setor têxtil antes de ser eleita ao Parlamento chinês. Na época, Pequim a exibia para mostrar seu respeito pela diversidade cultural. Tudo mudou em 1999. Ela foi detida quando estava indo encontrar um emissário da diplomacia americana para lhe levar as provas da repressão. Ela passou seis anos nas cadeias chinesas. Proibida de falar, e até mesmo de sorrir. Hoje refugiada nos Estados Unidos, ela fala sem parar sobre o "genocídio cultural" que acontece contra seu povo. Mais de 15 mil uigures teriam sido presos nos últimos anos. Alguns ainda aguardam para serem executados por "terrorismo".

Estranhamente, esse julgamento por terrorismo não interessa aos muçulmanos de outros países. O mundo árabe se enfurece pelos palestinos, mas nunca pelos uigures. Rebiya Kadeer tem sua explicação: "Para eles, somos só asiáticos, e além disso, e sobretudo, não somos oprimidos pelos Estados Unidos ou por Israel, então isso não os interessa". Embora doze cartuns dinamarqueses possam causar fúria, o fato de que exemplares do Corão possam ser queimados por oficiais chineses em Xinjiang (uma informação dada por Rebiya Kadeer que no entanto não pude verificar) nem chega a dar lugar para resmungos. Quando dissidentes uigures tentam se refugiar em países muçulmanos, eles são imediatamente enviados para as autoridades chinesas.

Nenhum país "irmão" quis acolher cinco uigures libertados de Guantánamo... foi preciso enviá-los para uma ilha do Pacífico despovoada, onde eles vivem agora. É a indiferença do "mundo muçulmano" (na verdade, bem diverso) para com esses correligionários asiáticos. Algumas redes acostumadas a perseguir a "islamofobia" do "Ocidente" permanecem estranhamente silenciosas frente às perseguições, bem reais, sofridas por essa minoria muçulmana por parte de um regime autoritário do Extremo Oriente.

Tradução: Lana Lim

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h29

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host