UOL Notícias Internacional
 

24/09/2009

No Colorado, o "desperdício-zero" está prestes a se tornar realidade

Le Monde
Grégoire Allix Enviado especial a Boulder (Colorado, EUA)
Se algum dia os Estados Unidos, epítome da sociedade de consumo, conseguirem tirar proveito de suas montanhas de lixo, será graças a ele. De olhar reluzente, sorriso jovial e barba cheia, Eric Lombardi, 54, é o pioneiro americano da reciclagem, o porta-estandarte dos militantes do "desperdício-zero". Um desafio que ele retoma na cidade de Boulder (Colorado), refúgio da ecologia aos pés das Montanhas Rochosas.

  • Maria do Carmo/Folha Imagem - 17.mar.2005

    "A reciclagem integral é o melhor meio para uma cidade atingir os objetivos de Kyoto. Mas também é um bom negócio, que cria dez vezes mais empregos do que um depósito de lixo" é o slogan de Eric Lombadi, pioneiro americano da reciclagem

Ali Eric Lombadi dirige a Eco-Cycle, maior organização de reciclagem sem fins lucrativos dos Estados Unidos: seus 60 funcionários triam 50 mil toneladas de dejetos por ano, ou seja, quase a metade do que os 300 mil habitantes do condado descartam. O resto é transportado por caminhão e enterrado em um depósito de lixo, a 40 quilômetros de lá.

Talvez não por muito tempo: a prefeitura e a administração do condado, comprometidos com uma iniciativa "desperdício-zero", votaram em agosto pela ampliação do ultramoderno complexo de reciclagem administrado pela Eco-Cycle. São US$ 8 milhões (cerca de R$ 14 milhões) de investimento, além dos US$ 14 milhões (cerca de R$ 25 milhões) já desembolsados. Uma política financiada por um dos raros impostos locais do país sobre o lixo doméstico.

Eric Lombardi sabe se mostrar persuasivo. "Tenho um exército de 800 voluntários dispostos a ocupar a prefeitura, caso seja preciso", ele se diverte. Ele tem argumentos, tanto ecológicos quanto econômicos. "Ganhamos dinheiro que reinvestimos. Há um mercado para todos os tipos de resíduos: papel, metal, entulho de construção, adubo... até os mais difíceis de reciclar, como o plástico e o poliestireno", ele garante. Alguns vão para a China, e a maioria fica nos Estados Unidos.

Para ele, "os depósitos de lixo e os incineradores só são competitivos porque não pagam o preço justo pelos danos que infligem a nossa saúde, ao meio ambiente e aos recursos naturais. Ao enterrar e queimar o lixo, destruímos para sempre aquilo que deve ser considerado como riquezas a serem reintroduzidas na economia".

Tudo começou em Boulder, em 1976. Como chefe da primeira associação de recicladores voluntários dos Estados Unidos, Eric Lombardi organizava na época a coleta de lixo diretamente entre pessoas físicas. "A triagem e a reciclagem eram novas demais para os políticos que não gostavam de correr riscos, e sua rentabilidade era incerta demais para o setor privado. A iniciativa só poderia vir da comunidade", ele acredita.

Irresponsabilidade
Trinta anos depois, munido de uma técnica profissional, ele criou a primeira organização nacional militante pelo "desperdício-zero": a Grassroots Recycling Network. "Disse a mim mesmo que a reciclagem era só o começo. Sabemos de onde vêm os resíduos: da irresponsabilidade dos industriais na concepção de seus produtos, desde o processo de fabricação até a embalagem".

Mobilizando milhares de cidadãos e dezenas de universidades, a rede iniciou uma série de quedas-de-braço com os industriais amplamente coberta pela mídia, para forçá-los a tornar seus produtos reutilizáveis e utilizar materiais reciclados. Empresas como a Coca-Cola ou a Dell foram obrigadas a ceder. Outras, como o Wal-Mart, preferiram se converter antes de serem tomadas como alvos.

Cofundador da Zero Waste International Alliance, Eric Lombardi agora leva sua mensagem ao mundo inteiro. Com uma dupla argumentação: "A reciclagem integral é o melhor meio para uma cidade atingir os objetivos de Kyoto. Mas também é um bom negócio, que cria dez vezes mais empregos do que um depósito de lixo". Sem esquecer o argumento arrasador: "Os primeiros que entrarem nesse mercado ficarão bilionários!"

Tradução: Lana Lim

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host