UOL Notícias Internacional
 

07/10/2009

Diante do aumento no consumo de drogas, governo francês alerta os jovens

Le Monde
Martine Laronche
"Drogas: não vamos fechar os olhos": o Ministério da Saúde da França, a Missão Interministerial de Luta contra as Drogas e a Toxicomania e o Instituto Nacional de Prevenção e Educação para a Saúde (Inpes) anunciaram, na segunda-feira (5), o lançamento de uma campanha de informação visando o grande público, e mais especificamente os jovens.
  • Franck Prevel/AP

    Jogo de luzes durante festa rave em Paule, na França. O foco da campanha antidrogas no país são os jovens, que têm experimentado drogas como maconha e ecstasy cada vez mais cedo



Será veiculado na televisão um anúncio sobre o perigo das drogas ilícitas, entre 6 e 26 de outubro. Cada um dos três anúncios no rádio, de 10 a 28 de outubro, tratará de uma substância em particular (maconha, cocaína e ecstasy). Por fim, uma campanha na internet intitulada "Drogas: saiba o que é verdadeiro e o que é falso" que está disponível no site do Inpes trata das falsas ideias que influenciam os jovens em seu consumo.

Lembrete da legislação
Haverá duas outras campanhas governamentais: uma, em novembro, com um lembrete sobre a legislação, e a outra, no segundo semestre de 2010, sobre o papel dos adultos, em especial dos pais, na prevenção do consumo das drogas.

Apesar de uma queda desde 2003, o nível do consumo de maconha na França é um dos mais elevados da Europa: 40% dos jovens de 17 anos declaram ter fumado pelo menos uma vez na vida. Além do mais, as experiências com cocaína e anfetaminas estão em alta: passaram, respectivamente, de 0,9% para 3,3% e de 1% a 2,7%, de 2000 a 2008, entre os jovens de 17 anos.

Entre 1996 e 2008, a resina de cannabis perdeu um quarto de seu valor atingindo 5 euros, ao passo que o preço do grama da erva praticamente caiu pela metade. O preço do grama de cocaína, estável há cinco anos, também caiu pela metade em relação ao início dos anos 1990. Estável desde 2006, o preço do grama de heroína passou, em dez anos, de 70 para 40 euros.

Consequências sérias
Geralmente vista como inofensiva, a maconha leva a uma alteração da percepção, da atenção e da memória imediata. A maioria dos estudos mostra que as modificações resultantes no nível da memória são reversíveis, mas que essas perturbações podem ter sérias consequências sobre o desempenho escolar dos consumidores mais jovens.

Seja como consumidor ocasional ou regular, é possível ser vítima de uma intoxicação aguda ou de perturbações psíquicas como alucinações, surtos de delírio, ataques de pânico.

A cocaína, que proporciona uma euforia imediata e um estímulo intelectual e físico, logo em seguida dá lugar a um estado depressivo e à ansiedade, ou até delírios paranóicos e ataques de pânico.

Tradução: Lana Lim

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host