UOL Notícias Internacional
 

21/11/2009

Diplomacia de Israel avança sobre as Ilhas Salomão para evitar condenação mundial

Le Monde
Benjamin Barthe
Em Jerusalém
Em sua luta contra o relatório Goldstone, que o acusa de ter cometido crimes de guerra na faixa de Gaza, Israel não poupa nenhuma frente. Um de seus diplomatas era esperado esta semana em Honiara, capital das Ilhas Salomão, micro-Estado da Oceania. O emissário foi encarregado de comunicar o mau humor do Estado judeu depois que esse arquipélago contribuiu, em 6 de novembro, para a adoção pela Assembleia Geral das Nações Unidas do relatório redigido pelo juiz sul-africano Richard Goldstone. "Diante da Assembleia Geral, a voz das Ilhas Salomão conta tanto quanto a da China ou a da França", explica Yigal Palmor, porta-voz do ministério das Relações Exteriores israelense.

A resolução encarrega Israel e o movimento islâmico Hamas, que também é acusado de crimes de guerra, de investigar essas alegações, sob pena de ver o relatório transferido ao Conselho de Segurança das Nações Unidas. Israel logo condenou essa votação esperada, chamando-a de "fora da realidade". O ministério das Relações Exteriores, quartel-general do contra-ataque, se surpreendeu ao encontrar entre os "instigadores da resolução" o nome das Ilhas Salomão.

Porque, até então, esse país povoado por meio milhão de habitantes era um aliado tão constante quanto anônimo do Estado judeu. A exemplo de Vanuatu, de Palau, de Nauru ou das Ilhas Marshall, seus minúsculos vizinhos dos mares do Sul. "Sabe-se que as Ilhas Salomão receberam US$ 200 mil (cerca de R$ 346 mil) do Irã para enviar estudantes a Cuba", diz Yigal Palmor. "Nada diz que a votação nas Nações Unidas tenha sido comprada, mas temos o direito de nutrir algumas suspeitas".

Uma diplomata israelense, de passagem pela região, foi então encarregada de fazer uma visita ao primeiro-ministro, Derek Sikua, que administra mil atóis e ilhotas. Essa exótica missão mostra a confusão causada pelo relatório. No jornal "Yediot Aharonot", o de maior tiragem local, o colunista Sever Plocker se alarma: "O relatório Goldstone é como o sinal de Caim gravado na testa de Israel. Nossa imagem no exterior está em plena queda livre".

Tradução: Lana Lim

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host