UOL Notícias Internacional
 

24/11/2009

Israel-Palestina: vinte anos de destruição e devastação

Le Monde
Laurent Zecchini Em Jerusalém
Foi com o "coração apertado", segundo sua diretora, Jessica Montell, que a B'Tselem, organização israelense de defesa dos direitos humanos, comemorou no domingo (22) seu vigésimo aniversário. São muitas as razões dessa amarga constatação, mas um número as sintetiza: ao longo das duas últimas décadas, 8.900 palestinos e israelenses foram mortos em decorrência do conflito.
  • Ammar Awad - 23.jan.2009

    Guardas israelenses vigiam palestinos rezando em Jerusalém. Em vinte anos, 7.398 palestinos, entre eles 1.537 menores de idade, foram mortos pelas forças israelenses, sendo que o ano de 2009, com a guerra de Gaza (dezembro de 2008 a janeiro de 2009), foi o mais letal, com 1.033 palestinos mortos



O balanço feito pela B'Tselem surge agora que o "processo de paz" está mais do que nunca em um impasse. Essa ausência de perspectivas alimenta todos os prognósticos, especialmente o risco de uma terceira Intifada. Em uma entrevista à BBC, Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina, convocou no sábado a "resistência popular" (não violenta) contra a ocupação israelense.

Fundada em 1989 por um grupo de universitários, advogados, jornalistas e parlamentares, a B'Tselem pode se gabar de ter ganho sua aposta: seus relatórios regulares sobre as violações dos direitos humanos nos territórios palestinos muitas vezes provocam a irritação das autoridades israelenses, mas a notoriedade conquistada pela organização se deve à credibilidade de suas informações.

A B'Tselem destaca ao menos um motivo de satisfação: "Vinte anos atrás", observa Jessica Montell, "milhares de palestinos eram sistematicamente torturados durante as investigações. Graças aos esforços da comunidade dos direitos humanos, essa prática da tortura acabou". Assim, em novembro de 1989, 1.794 palestinos estavam em "detenção administrativa", ou seja, sem julgamento, ao passo que hoje são 335 deles na mesma situação.

As outras estatísticas não vão na mesma direção: em vinte anos, 7.398 palestinos, entre eles 1.537 menores de idade, foram mortos pelas forças israelenses, sendo que o ano de 2009, com a guerra de Gaza (dezembro de 2008 a janeiro de 2009), foi o mais letal, com 1.033 palestinos mortos. No mesmo período, os palestinos mataram 1.483 israelenses, do quais 139 menores, e 488 dentre eles eram membros das forças de ordem e 995 eram civis.

"A título de punição"
B'Tselem também faz as contas das demolições de casas nos territórios palestinos ocupados: 4.300 casas foram destruídas porque seus proprietários não possuíam permissão para construir, ou a título de punição. A esse total deve-se somar cerca de 3.540 casas, que foram arrasadas durante operações militares israelenses.

Além disso, a organização de defesa dos direitos humanos dá números sobre o avanço da colonização judaica nos territórios ocupados. Em 1989, 68 mil colonos viviam na Cisjordânia, e 118.100 em Jerusalém Oriental. Hoje, mais de 300 mil israelenses vivem do outro lado da "linha verde" (linha de demarcação que data do armistício de 1949), e mais de 190 mil residem em Jerusalém Oriental.

Tradução: Lana Lim

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,12
    3,283
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,05
    63.226,79
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host