UOL Notícias Internacional
 

24/11/2009

Um filme sobre a violência conjugal liberta a fala das palestinas

Le Monde
Benjamin Barthe Em Jerusalém
O diretor de gabinete do chefe da polícia de Tulkarem, no norte da Cisjordânia, ainda está pasmo. No fim do mês de outubro, no espaço de 48 horas, ele recebeu 14 telefonemas de jovens mulheres, vítimas de assédio sexual dentro de suas próprias famílias. "Em um ano, costumamos receber menos de dez confissões desse gênero", explica o tenente Emad Salameh. "Em uma sociedade tão tradicional quanto a nossa, as mulheres preferem se calar". O estopim dessa onda de pedidos de socorro foi um documentário de 15 minutos, intitulado "Sementes de romã douradas", exibido alguns dias antes pela Al-Fajer TV, a cadeia de televisão de Tulkarem, e dedicado ao tabu do incesto.
  • Ahmad Gharabli/AFP

    Cenário aterrador No fim do mês de outubro, no espaço de 48 horas, o gabinete do chefe da polícia de Tulkarem, no norte da Cisjordânia, recebeu
    14 telefonemas de jovens mulheres, vítimas de assédio sexual dentro de suas próprias famílias



Produzido pela Shashat ("telas", em árabe), uma ONG palestina que promove o cinema feminino, esse curta-metragem faz parte de um projeto da União Europeia chamado "Masarat" ("itinerários") que pretende suscitar o debate sobre o lugar da mulher na sociedade.

Quatro filmes foram realizados dessa forma, e depois projetados durante o outono em dezenas de associações, centros culturais e universidades de territórios ocupados, e entre eles "Sementes de romã douradas", dirigido pela documentarista palestina Ghada Terawi. Essa bela e dolorosa obra intercala entrevistas de jovens mulheres, que contam seu calvário nas mãos de um pai libidinoso e de uma mãe que finge não ver, com a apresentação de um conto folclórico sob forma de desenho animado.

É a história de uma jovem chamada "Sementes de romã douradas", martirizada pelo xeque de seu vilarejo que ela surpreendeu enquanto devorava uma criança, mas que ela se recusa a denunciar. O filme termina com a súplica de uma das mulheres que depõe, com o rosto à sombra para que não seja reconhecida: "Não fiquem em silêncio. Falem... mesmo que seja ao vento... mas falem, falem..."

A mensagem foi recebida muito além de qualquer expectativa. Duas horas após a projeção do filme no anfiteatro de uma universidade da Cisjordânia, duas alunas entraram na sala do diretor e lhe falaram dos apalpamentos feitos pelo pai. Após a exibição do filme na Gamma TV, o canal local de Nablus, Abir Kilan, a diretora, recebeu cerca de cinco telefonemas, principalmente de mães de família. Mas foi em Tulkarem que o impacto foi mais forte. O celular do tenente Salameh, que havia participado do debate televisionado após a projeção do filme, e que comunicou seu número nessa ocasião, não para de tocar. "Entre os chamados, houve o de uma jovem violentada por seu irmão e seu tio ao mesmo tempo; e também o de uma mãe de família submetida às agressões de seu pai, porque seu marido está preso em Israel e ela teve de voltar a viver com seus pais", ele conta.

Nos escritórios da Shashat, em Ramallah, a diretora Alia Arasoughly continua estupefata diante da reação, quase catártica, gerada por esse filme de 15 minutos. "Costumamos abordar os tabus da sociedade, mas eu não imaginava que desencadearíamos um fenômeno assim", ela afirma. "É como se tivéssemos aberto a caixa de Pandora sem querer".

Entretanto, a realização do projeto foi trabalhosa. Duas universidades, a de Tulkarem e a de Hebron, imediatamente boicotaram o filme, alegando que a acusação de um "xeque" por uma das mulheres entrevistadas poderia entrar em conflito com o conservadorismo prevalente. Muitas outras organizações que inicialmente concordaram foram abaladas pelas críticas que acusavam a Shashat de "promover uma causa ocidental".

Foi necessário o apoio da prestigiosa universidade An-Najah de Nablus, bastião da ortodoxia palestina, para que o ciclo de projeções tivesse início. "Os relatos dos debates chegavam até nós, e então percebemos que na maioria deles uma mulher expunha um abuso contra ela ou contra uma amiga ou parente", diz Alia Arashougly. "É como um imenso tapa na cara. Então para quê serviram os milhões de euros investidos nesses colóquios e outras conferências sobre os direitos da mulher?"

Maha Abu Dayeh, diretora do principal centro de auxílio jurídico para as mulheres na Cisjordânia, reconhece a gravidade. Segundo ela, o caos econômico e social causado pela repressão da Segunda Intifada agravou o flagelo das violências domésticas, comum a todas sociedades patriarcais. "Um homem que é humilhado, privado de meios para prover as necessidades de sua família, traumatizado pelas torturas sofridas na prisão, pode se sentir tentado a reafirmar sua virilidade ridicularizada às custas de sua mulher e de seus filhos", ela diz.

Apesar do trabalho de sensibilização iniciado, em especial junto à polícia, ela reconhece que a lei do silêncio ainda amordaça as mulheres com muita frequência. "A unidade familiar é o cimento de nossa sociedade frente às investidas dos sionistas", afirma Maha Abu Dayeh. "Muitas famílias preferem abafar o escândalo, manter uma aparência de unidade, em vez de ir ao tribunal".

O que acontecerá com as quatorze rebeldes de Tulkarem? "Tenho medo de que elas tenham falado em vão, que ninguém se arrisque a realmente escutá-las", suspira Ghada Terawi, a cineasta. Por enquanto, somente duas delas ousaram passar pela porta da delegacia para prestar queixa oficialmente.

Tradução: Lana Lim

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host