UOL Notícias Internacional
 

30/11/2009

Estudo sobre aquecimento global não é para amedrontar, diz climatologista

Le Monde
Raphaëlle Besse Desmoulières
Vinte e seis climatologistas de renome publicaram, no dia 24 de novembro, um documento de cerca de sessenta páginas sintetizando os trabalhos publicados sobre o aquecimento global desde o último relatório do GIEC (Grupo Intergovernamental sobre a Evolução do Clima) em 2007. Entre eles, Nathalie de Noblet, diretora de pesquisa do Comissariado de Energia Atômica, explica os motivos dessa publicação, a poucos dias da conferência de Copenhague sobre o aquecimento global.

Le Monde: Por que vocês publicaram o "Diagnóstico de Copenhague"?
Nathalie de Noblet
A ideia era fazer um inventário das pesquisas direcionado aos tomadores de decisão e a todas as pessoas envolvidas em Copenhague. Foram publicados centenas de estudos nos últimos três anos e nós queríamos fornecer todos os elementos para que os líderes pudessem tomar as melhores decisões possíveis, com todo o conhecimento de causa.

Obama vai propor corte de 17% nas emissões dos EUA em Copenhague

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, irá a Copenhague para a conferência sobre mudança climática promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU) no dia 9 de dezembro, na esperança de reforçar o processo internacional, apesar do lento avanço relacionado a um projeto de lei nos EUA para cortar as emissões de carbono

Le Monde: O que disseram esses últimos estudos?
Noblet
Eles mostram que aquilo que havia sido previsto nos últimos relatórios do GIEC em relação ao aumento dos gases de efeito estufa, o derretimento das geleiras, a redução do gelo dos mares, o aumento dos níveis dos oceanos, está acontecendo de acordo com as piores previsões que fizemos até agora.

Le Monde: É uma resposta aos céticos em relação ao clima?
Noblet
Não. Os céticos em relação ao clima fazem muito barulho por nada. Eles não apresentam nenhum argumento cientificamente válido. Gastamos muita energia para responder a eles. Como cientistas, nós continuamos a observar a natureza, a criar modelos com ferramentas mais sofisticadas que levam em conta cada vez mais fatores. Quanto mais os tornamos complexos, mais percebemos que as coisas estão acontecendo. Nosso objetivo é que os líderes possam reagir corretamente face ao que acontece. Se quiséssemos combater os céticos em relação à mudança climática, não faríamos nada além disso e não trabalharíamos mais. A última ação deles, de vasculhar os e-mails dos climatologistas, foi um bom exemplo de que eles não têm muito a argumentar.

Le Monde: Você não tem medo de ser muito alarmista?
Noblet
Alarmista é a interpretação. Nós, enquanto cientistas, permanecemos factuais. Nós medimos, simulamos, e damos os resultados com a maior precisão e a menor margem de erros possível. Depois, a interpretação é que pode ser alarmista: é preciso levar em conta que acontecem coisas cujas consequências nós não somos capazes de medir porque não temos todos os meios para avaliar as consequências de nossos atos. Acho que é preciso tomar decisões, uma vez que sabemos que a ação do homem está na base do problema. É necessário que os cérebros dos cientistas passem a lutar contra a produção de gases de efeito estufa, que a sociedade tome consciência que emite gases de efeito estufa e que diminua sua produção.

Nosso objetivo não é deixar as pessoas com medo. Nosso objetivo é o de sermos objetivos, de trabalhar e fazer avançar a ciência. Não procuramos criar problemas. Foi a observação da Terra que nos fez ver que algo estava acontecendo. Depois, cada um tem sua interpretação enquanto cidadão. Acho que efetivamente estão acontecendo coisas importantes que não foram observadas no passado e que é importante ver como podemos lutar para combater esses efeitos.

Le Monde: Enquanto cidadã, qual é a sua visão sobre a conferência de Copenhague?
Noblet
Não sei. Acho que os cientistas fizeram seu trabalho. O mesmo vale para os meios de comunicação que divulgaram o conjunto de informações publicadas desde o relatório do GIEC de 2007. Os tomadores de decisão têm, portanto, todos os elementos necessários para refletir. Quanto à parte da decisão, é algo que não me diz respeito. Enquanto cidadã, espero que saia alguma coisa dessa conferência. Acho que é importante as pessoas tomarem consciência sobre seu modo de vida. Será igualmente importante apoiar os governos caso eles tomem decisões, uma vez que estas serão certamente dolorosas no começo para os cidadãos. É preciso que os cidadãos estejam prontos para aceitar isso.

Tradução: Eloise De Vylder

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h29

    -0,25
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h37

    0,02
    76.007,89
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host