UOL Notícias Internacional
 

09/01/2010

Reaproximação entre os Estados Unidos e Cuba está comprometida

Le Monde
Jean-Michel Caroit
Em Santo Domingo (Cuba)
A esperança de normalização entre os Estados Unidos e Cuba, com a entrada de Barack Obama na Casa Branca, se foi. A prisão de um americano acusado de espionagem em Cuba, no dia 4 de dezembro de 2009, e o protesto de Havana contra as medidas de segurança aérea das autoridades americanas que visam os passageiros de 14 países, entre os quais Cuba, são os sinais de um endurecimento entre os dois vizinhos.
  • AP Photo/Charles Dharapak (19.09.2009) e AP Photo/Ismael Francisco/Prensa Latina (01.01.2009)

    Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama (esq.), e presidente de Cuba, Raul Castro (dir.)

Em 5 de janeiro, Havana criticou "essa nova ação hostil do governo dos Estados Unidos", respondendo a "motivações políticas que visam justificar o embargo" imposto há 47 anos pelos Estados Unidos. As medidas anunciadas por Washington após a tentativa frustrada de atentado no Natal em um voo que ia de Amsterdã a Detroit preveem a inspeção das bagagens de mão e a revista dos passageiros de 14 países, todos de maioria muçulmana, com exceção de Cuba.

A ilha consta, ao lado do Irã, do Sudão e da Síria, na lista dos países que apóiam o terrorismo, estabelecida pelo departamento de Estado. Segundo Washington, a inclusão de Cuba nessa lista negra justifica-se pelo apoio dado pelo regime comunista à guerrilha colombiana e ao grupo separatista basco ETA.

As autoridades cubanas rejeitam essas acusações, afirmando que fazem parte da luta internacional contra o terrorismo. Elas criticam "o discurso duplo" dos Estados Unidos "que abrigam terroristas" como os anti-castristas Luis Posada Carriles e Orlando Bosch, acusados por Havana de serem responsáveis pela explosão de um avião cubano perto da ilha de Barbados em 1976.

Pouco depois de seu juramento, o presidente Obama suspendeu as restrições de viagens e envios de remessas a Cuba. Durante a cúpula das Américas, no mês de abril de 2009 em Trinidad e Tobago, ele havia anunciado "um novo começo" das relações com Cuba.

Foram iniciadas conversas para restabelecer o serviço postal e facilitar as telecomunicações entre os dois países. O diálogo retomou a questão migratória. Raúl Castro, que sucedeu seu irmão Fidel, enfermo, se disse "disposto a conversar sobre tudo, contanto que se respeitasse a soberania de Cuba". Mas Barack Obama se recusou a retirar o embargo, uma vez que a repressão de Havana contra os dissidentes e os jovens blogueiros que criticam o regime continuava.

A prisão de um cidadão americano, acusado pelas autoridades cubanas de distribuir "equipamentos sofisticados de comunicação" para a oposição em nome do governo dos Estados Unidos, endureceu as relações. "Essa pessoa não tem relação com nossos serviços de inteligência", afirmou, na quinta-feira (7), o porta-voz do departamento de Estado, desmentindo as acusações feitas na véspera pelo presidente do Parlamento cubano, Ricardo Alarcón. Esse caso prova que "o governo americano não desistiu de destruir a revolução", declarou Raúl Castro.

As "Reflexões" publicadas por Fidel Castro na imprensa são cada vez mais críticas em relação a Barack Obama. Depois de ter elogiado a "inteligência e a honestidade" do novo presidente no início de seu mandato, agora ele critica "o cinismo e a arrogância do presidente 'yankee'". "As verdadeiras intenções do império são evidentes, por baixo do sorriso amistoso e do rosto afro-americano de Barack Obama", escreveu em 14 de dezembro de 2009, referindo-se ao golpe de Estado em Honduras e à assinatura de um acordo sobre a presença de militares americanos nas bases colombianas.

Tradução: Lana Lim

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,59
    3,276
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,54
    61.673,49
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host