UOL Notícias Internacional
 

09/01/2010

Colisão entre baleeiro japonês e ecologistas causa tensões diplomáticas

Le Monde
Marie-Morgane Le Moël e Philippe Mesmer
Em Sydney (Austrália) e Tóquio (Japão)
Todos os anos, durante o verão austral, a expedição de caça às baleias conduzida pelos japoneses nas águas antárticas causa comoção na Austrália e na Nova Zelândia. O naufrágio do Ady Gil, a embarcação da associação ambientalista Sea Sheperd, atingida pelo navio japonês Shonan-Maru No.2 na quarta-feira (6), episódio pelo qual as duas partes se acusam mutuamente, marca uma escalada na batalha entre pesqueiros e defensores das baleias. Há alguns anos os confrontos vêm crescendo entre os baleeiros e a organização Sea Sheperd, liderada pelo midiático Paul Watson.

As seis pessoas que estavam a bordo do navio conseguiram ser socorridas. A Nova Zelândia, país cuja bandeira ele carrega, e a Austrália - o acidente aconteceu em uma zona onde esta é responsável pelo socorro - abrirão uma investigação. O ministro neo-zelandês das Relações Exteriores, Murray McCully, lembrou que "o governo neo-zelandês é totalmente contrário à campanha japonesa de caça às baleias, mas também somos contrários a que seres humanos sejam mortos ali".

"Guerra da baleia"
Do lado australiano, a questão constrange o governo de Kevin Rudd. Em 2007, nas ultimas eleições, o Partido Trabalhista havia ameaçado prestar queixa internacional contra o Japão se ele chegasse ao poder. Um navio aduaneiro coletou imagens da campanha de pesca em 2008, para utilizá-las em caso de litígio com o Japão, para o governo que decidiu privilegiar, até o momento, a via diplomática.

Na quinta-feira (7), a vice-premiê Julia Gillard declarou que o governo continuaria a defender sua posição junto a Tóquio. "Se, por fim, a questão da pesca da baleia não puder ser resolvida por meio da diplomacia, nós nos reservamos o direito de conduzir uma ação legal internacional", ela comentou, enquanto muitos na Austrália exigem uma reação mais agressiva.

O porta-voz da Sea Sheperd, Paul Watson, disse que o confronto estava se transformando em uma "verdadeira guerra da baleia". O Ady Gil, uma embarcação futurista preta de fibra de carbono e kevlar que pode chegar à velocidade de 93 km/h, afundou quando estava sendo rebocado.

Do lado japonês, as reações também foram muito incisivas. Na quinta-feira, Tóquio dirigiu um protesto oficial à Nova Zelândia, e exigiu a abertura de uma investigação. A frota japonesa havia zarpado para os mares austrais em 3 de dezembro, a partir de Shimonoseki, porto de tradição baleeira, em sua expedição anual de caça, com o objetivo de capturar 935 baleias Minke e 50 rorquais comuns. Tóquio afirma agir "com fins científicos", o que lhe permite usufruir de dispensas da moratória sobre a caça comercial, decidida em 1986 pela Comissão Baleeira Internacional.

Desde a retomada da caça, em 1988, os japoneses pescaram quase 10 mil baleias. "E nenhum dado científico útil foi produzido", lamenta Jun Hoshikawa, diretor executivo do Greenpeace Japão.

Então o argumento científico mal convence. Mas o governo japonês finca o pé em suas posições, apesar da mudança de maioria no parlamento que ocorreu nas eleições de agosto. A atitude da nova administração é ainda mais surpreendente visto que ela se comprometeu a lutar contra o desperdício de dinheiro público. Ora, as caças às baleias custam caro ao contribuinte: neste ano, o orçamento concedido chega a 795 milhões de ienes (R$ 15 milhões).

Ao mesmo tempo, as vendas não decolam, uma vez que os japoneses já não compram a carne do cetáceo como antes. Seu consumo caiu para 50,6 gramas por pessoa ao ano, contra 2,3 quilos antes da moratória sobre a caça. Em novembro, os preços da carne de baleia caíram 17%. E os estoques aumentam: atingiram 4.800 toneladas em abril de 2009.

O Greenpeace Japão critica a defesa dos interesses particulares praticada pelos parlamentares das zonas de tradição baleeira, bem como a cumplicidade entre a agência governamental da pesca, o Instituto de pesquisa sobre os cetáceos e o grupo particular Kyodo Senpaku, que administra as campanhas de caça, para estimular o consumo de carne de baleia no país.
  • JoAnne McArthur/ Sea Shepherd Conservation Society /AFP

    Foto divulgada nesta quarta-feira (6) mostra a embarcação Ady Gil destruída após confronto com barco baleeiro japonês na região da Antártida. Segundo os ativistas da organização ecologista Sea Shepherd, que protesta na região da Antártida contra a caça às baleias, os seis tripulantes do barco foram resgatados sem ferimentos

Tradução: Lana Lim

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host