UOL Notícias Internacional
 

19/01/2010

Haiti, Sichuan, amanhã...

Le Monde
Hervé Kempf
Como poderíamos, aqui e agora, não pensar no Haiti? E não buscar, para além da comoção, o sentido que um acontecimento como esse traz, e que permite um preparo para o futuro? Mas, saturada de emoção, a tragédia ainda foge da discussão. "Analisar enquanto todas essas pessoas sofrem! Não tem vergonha?" Não. Analisemos, para não permanecermos em silêncio, alheios a este sofrimento.

Um país devastado

  • Caio Guatelli/Folha Imagem

    Vista aérea da cidade de Porto Principe mostra região atingida por terremoto de 7 graus

Poderíamos lembrar que, na sociedade do espetáculo, a própria comoção é um espetáculo, que a organização da caridade e da "mobilização" forma uma terna imagem de união na "solidariedade", que remete à unanimidade no sofrimento das vítimas. "Nós, bons ricos ocidentais, temos um bom coração e ajudamos os pobres infelizes do Haiti, vítimas da fatalidade". A sequência lógica seria retomar a história das relações da França e dos Estados Unidos com o Haiti, para identificar as responsabilidades pela fragilidade desse Estado. Mas essa abordagem, legítima, é seca demais para realmente ressoar com a tragédia de Porto Príncipe.

Sigamos duas outras linhas de questionamento, no passado próximo, e depois em um futuro indeterminado. O passado próximo é o terrível terremoto que atingiu Sichuan, no sudoeste da China, em 12 de maio de 2008: 90 mil mortos, 400 mil feridos, 370 mil prédios destruídos. Um drama tão grande quanto o do Haiti. Mas uma dramaturgia totalmente diferente: uma comoção mundial bem menor, e uma reação rápida e bastante eficaz do governo de Pequim. E, como observa Laurent Hou, doutorando da Universidade Paris IV (Sorbonne), que apresentou suas pesquisas sobre a catástrofe durante o seminário "História ambiental do comunismo e do pós-comunismo" em 15 de janeiro em Paris, uma verdadeira responsabilidade pela reconstrução nos meses que se seguiram.

Ainda que nem todas as feridas tenham se cicatrizado, a economia voltou a crescer, fortemente sustentada por Pequim: um quarto do plano de retomada de 2009 foi dedicado a Sichuan!

Daí a questão: os ocidentais, cujos aviões cargueiros levam suas bandeiras até o aeroporto de Porto Príncipe, estarão lá dentro de um ano para realmente auxiliarem na reconstrução do Haiti, e na sua condução sobre um caminho para sair da miséria que dependeria, prioritariamente, da agricultura e do reflorestamento?

Segunda linha: o que aconteceria em um mundo tão desigual quanto o de hoje, e onde as catástrofes ligadas à mudança climática se multiplicariam? Um mundo desigual, no qual países muito frágeis, como o Haiti, seriam atingidos repetidamente por inundações, secas e outros ciclones? Poderíamos suportar "auxílios de emergência" cada vez mais frequentes e as desordens geopolíticas que isso causaria? Não seria melhor, a partir de hoje, prevenir a catástrofe global em vez de esperar para ter de aliviar os efeitos? Para que o sofrimento do Haiti não tenha sido em vão...

Tradução: Lana Lim

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,31
    3,266
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,60
    62.662,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host