UOL Notícias Internacional
 

09/09/2004

Gays republicanos retiram seu apoio a Bush

The New York Times
David D. Kirkpatrick

Em Nova York
O comitê da organização Log Cabin Republicans, o mais expressivo grupo que reúne gays e lésbicas no partido que governa os Estados Unidos, votou maciçamente nesta semana contra o apoio à reeleição do presidente George W. Bush. O motivo do boicote é a aprovação dele a uma proposta de emenda constitucional que proíbe o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A decisão é resultante de seis meses de debates internos. O grupo apoiou Bush em 2000 e Bob Dole in 1996, e estava em dúvidas ideológicas sobre que posição tomar nesse momento.

Embora a organização tenha tido uma postura crítica imediatamente após o presidente ter anunciado seu apoio à emenda, em fevereiro, também não descartou uma mudança de posição. Esse esforço de equilibrar de um lado a lealdade ao partido e do outro a oposição, por princípios, a um item importante na agenda Republicana, faz com que esse grupo de gays conservadores seja criticado tanto pelos que apóiam a emenda como pelos que são contra a proibição do casamento gay.

A polêmica chegou à Convenção Nacional Republicana. Enquanto os delegados do partido se preparavam para apoiar um estatuto partidário condenando pais e mães gays, por exemplo, um grupo de ativistas pelos direitos civis dos gays protestava do lado de fora de uma festa dos Log Cabin, no final de agosto no Bryant Park em Nova York.

No encontro terça à noite em Washington, o comitê dos Log consagrou por 22 votos contra 2, segundo o porta-voz do grupo, a suspensão do apoio à reeleição. O porta-voz não quis entrar em maiores detalhes sobre a votação.

Mas numa declaração posterior, Patrick Guerriero, diretor executivo dos Log Cabin Republicans, lembrou que em 2000 George W.Bush recebeu mais de um milhão de votos dos gays e lésbicas. Desse total Bush conquistou pelo menos 45.000 votos gays num Estado que foi decisivo na eleição --a Flórida, onde Bush venceu por apenas 500 votos (numa votação contestada).

"Alguns nos acusarão de deslealdade", disse Guerriero, arrematando: "Na verdade a Casa Branca é que foi desleal com esses eleitores gays".

Os organizadores da campanha de Bush não retornaram as ligações para comentar o assunto.

Apesar do apoio do presidente à proposta de emenda e da posição do partido Republicano, contrária ao reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo e contrária também à concessão de direitos civis aos gays e lésbicas, Guerriero disse que o grupo dele não irá mudar de partido.

Os Log Cabin, segundo seu diretor executivo, "orgulhosamente apoiou a firme liderança do presidente na guerra contra o terror". E Guerriero acrescentou: "aplaudimos especialmente a liderança do presidente na condução do corte de impostos para as famílias americanas e para as pequenas empresas, sua crença nos princípios do livre mercado e sua liderança histórica e compassiva na luta global contra o vírus HIV da Aids".

O grupo também criticou as mudanças de posição tomadas pelo candidato Democrata, senador John Kerry, numa referencia às declarações em que Kerry se opôs ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e apoiou emendas que revoguem esse tipo de união nas constituições estaduais. Mas ele também se opõe a emendas federais que proíbam o casamento gay.

William Brownson, o presidente do comitê dos Log Cabin, falou sobre a próxima prioridade do grupo, dizendo que a organização planeja "canalizar seus recursos políticos e financeiros para derrotar a direita radical", parcialmente por meio do apoio à eleição no Congresso de candidatos Republicanos mais simpáticos aos gays.

Ao anunciar a suspensão do apoio à reeleição, o grupo dos Log Cabin afirmou que Bush começou sua escalada ao lado deles. Em 2000, depois de se encontrar com simpatizantes gays de sua candidatura, Bush disse que se sentia "uma pessoa melhor". Em seu governo nomeou vários gays e lésbicas.

Guerriero atribuiu o apoio do presidente à proposta de emenda a uma decisão "dramática e decepcionante" dos assessores políticos do presidente, de estabelecer como prioridade na eleição de 2004 a conquista do apoio dos cristãos evangélicos.

Mas o grupo dos Log Cabin (ao pé da letra, os "chalés de madeira") aparentemente se beneficiou por conta dessa controvérsia em torno dos gays Republicanos. Christopher Barron, diretor político do grupo, disse que a organização dobrou de tamanho, e que agora tem 12.000 integrantes, tendo crescido depois que Bush apoiou a emenda contrária ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O grupo já levantou dinheiro o bastante para lançar suas primeiras campanhas publicitárias. Numa propaganda deles, lançada semana passada, os Log Cabin lembraram uma declaração do presidente Ronald Reagan em que ele dizia querer "estimular suas melhores esperanças, não os seus piores medos". Grupo afirma ter sido fundamental nas eleições de 2000 na Flórida Marcelo Godoy

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host