UOL Notícias Internacional
 

18/11/2004

Dor após atividade física é vingança do músculo

The New York Times
Vicky Lowry

Em Nova York
Pessoas ativas conhecem bem a sensação: em torno de 24h depois de se exercitar, os músculos começam a ficar duros e doloridos. Isso pode acontecer depois de uma longa corrida, de uma sessão de levantamento de peso ou do primeiro dia de volta às montanhas de esqui.

Os pesquisadores de esportes chamam de dor muscular tardia. Os atletas chamam de incômodo, porque até o mais simples dos movimentos, como descer escadas, pode se tornar uma tortura. Se a dor for severa o suficiente, pode prejudicar a próxima sessão de exercício ou até arruinar as férias de esqui.

Por causa do intervalo de tempo entre a atividade física e o início das dores, as pessoas às vezes não se dão conta da relação de sua jardinagem, por exemplo, ou dos pregos que martelou com suas dores.

"Alguns pacientes me ligam achando que estão com um vírus", disse o Dr. Gary Wadler, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York e especialista em medicina esportiva.

O culpado pela dor muscular tardia não é, como se pensava, o acúmulo de ácido lático, subproduto do exercício que se dissipa dos tecidos musculares decorrida uma hora. Essa dor é considerada aguda. Assim que a pessoa pára de se exercitar, ou pouco depois, a queimação cessa.

"Não é o principal agente", disse Michael Saunders, diretor do Laboratório de Desempenho Humano da Universidade James Madison, em Harrisonburg, Estado da Virgínia.

Ninguém sabe exatamente o que causa a dor muscular tardia. Muitos cientistas, porém, atualmente acreditam que é causada por rompimentos microscópicos nos músculos, quando se exerce nova atividade. Esses rompimentos eventualmente produzem uma inflamação e a dor correspondente, entre 24 e 36 horas depois.

"Células brancas do sangue começam a reparar o músculo danificado, cerca de 12 a 24 horas depois do exercício e liberam uma série de compostos químicos que provavelmente estão envolvidos na geração da dor muscular local", disse Mark Tarnopolsky, especialista em distúrbios neuromusculares do centro Médico da Universidade MacMaster em Hamilton, Ontário. "Você vê danos em nível microscópico depois do exercício, mas a dor em geral tem início com 24 horas e seu pico com 48 horas."

A boa notícia é que esses rompimentos microscópicos são reparados e preparam os músculos para lidar com o mesmo tipo de exercício melhor da próxima vez.

"O músculo fica mais resistente, ou seja, da próxima vez que a pessoa fizer o mesmo exercício ele não vai ficar tão danificado", disse Priscilla Clarkson, professora de ciência do exercício da Universidade do Massachusetts e pesquisadora das dores musculares.

"Isso não significa que você está mais forte ou que possa levantar mais peso. Apenas significa que suas fibras musculares provavelmente estão mais fortes e não vão rasgar-se tão facilmente. Com o tempo, elas se reforçam e se tornam fibras mais fortes para levantar mais peso."

Certos exercícios quase sempre levam à dor tardia: por exemplo, correr, caminhar e esquiar ladeira abaixo e abaixar pesos --o que os praticantes de musculação chamam de movimentos "negativos".

Nessas moções para baixo, chamadas de ações musculares excêntricas, as fibras musculares têm que se alongar e contrair, "como se estivéssemos freando" o movimento, explicou Clarkson. "Esse alongamento com contração é o que mais coloca tensão na fibra e causa o maior dano."

Dos 600 músculos aproximadamente do corpo humano, cerca de 400 são esqueléticos. Os maiores desses são os mais suscetíveis à dor tardia, disse Wadler.

Problema renal

Dor muscular severa que dura muitos dias pode ser sinal de rabdomiolise, um distúrbio que ocorre quando uma quantidade grande da proteína mioglobina é liberada do músculo para as células do sangue e pode prejudicar os rins.

Urina escura, indicando a presença de mioglobina, pode ser sintoma de rabdomiolise, que em casos raros pode levar à falência renal.

Correr em maratonas e participar de outros eventos de resistência pode causar a doença, disse William O. Roberts, presidente da Faculdade Americana de Medicina Esportiva. Outros fatores de risco incluem estar fora de forma, desidratado e exercitar-se em altas temperaturas.

"Essa é uma das razões para se hidratar bem, se você vai trabalhar muito os músculos", disse Roberts. "Beba o suficiente para ter boa saída de urina e expelir esses dejetos."

Evitando a dor

Na maior parte dos casos, porém, a dor muscular tardia não é séria e desaparece depois de um ou dois dias de descanso. Quem levanta peso, em geral, trabalha a parte inferior do corpo em um dia e a parte superior no seguinte, para das aos músculos cansados uma chance de se recuperarem.

Atletas condicionados, como ciclistas e corredores, frequentemente alternam dias de exercícios leves com dias pesados. "Adapte-se ao estresse para poder lidar cada vez mais com mais exercício", disse Tarnopolsky. "É isso que um atleta faz."

Outras estratégias para evitar a dor têm resultados variados. Muitas pessoas ativas procuram drogas antiinflamatórias, como Advil e Aleve. Apesar de alguns dados sugerirem que as drogas talvez funcionem para aliviar a sensação de dor, o grau de redução é pequeno, disse Clarkson.

Raramente os médicos receitam analgésicos inibidores de Cox-2 para dor muscular de curto prazo. As drogas, que incluem Celebrex e Bextra, são mais comumente usadas para tratar artrite.

Todos os inibidores de Cox-2 estão sob análise rigorosa, depois que o Vioxx foi retirado do mercado em setembro. A Merk recolheu-o depois que estudos revelaram um risco maior de ataques cardíacos ou derrame.

O alongamento não impede a dor muscular, revelaram os pesquisadores. Massagem é de pouca ajuda depois de uso muscular excêntrico, de acordo com um estudo publicado em setembro na revista "The American Journal of Sports Medicine".

No estudo, pesquisadores em Estocolmo descobriram que, depois que os pacientes faziam exercícios para as pernas até a exaustão, as massagens não afetavam o nível ou a duração da dor, a perda de força ou da função muscular.

Consumir proteína, entretanto, pode ajudar. Em um artigo publicado na edição de julho da revista Medicine & Science in Sports & Exercise, cientistas descobriram que ciclistas que consumiam uma bebida de proteína e carboidrato durante e imediatamente após uma prova, eram capazes de correr 29% a mais na primeira sessão e 40% a mais na segunda do que os que consumiam apenas carboidratos.

"Nossas descobertas sugerem que a mistura proteína-carboidrato aumentou o desempenho muscular e a recuperação", disse Saunders de James Madison, autor do estudo.

No entanto, os resultados do estudo podem ter sido influenciados pelo conteúdo calórico mais alto da bebida de carboidrato com proteína.

"Existem evidências de que consumir proteínas e carboidratos no período imediato após o exercício pode diminuir os danos musculares subseqüentes, mas essa pesquisa está na infância,", disse Tarnopolsky. "O que foi bastante bem estabelecido é que comer depois de se exercitar é melhor do que passar fome."

"A mensagem para levar para casa é: se você está treinando à noite, não vá para cama de barriga vazia. E se você se exercita pela manhã, coma um café da manhã depois ou leve um lanche para o trabalho."

Treinando certo

Uma tática é tentar limitar a dor antes de ela impor-se. Para isso, você precisa treinar o corpo a se acostumar com os movimentos para baixo.

"Corra ou ande para baixo, descendo morros, se você planeja participar de um evento que desce morro, ou pegue um elevador até o topo de um prédio alto e desça as escadas andando ou correndo", recomendou Roberts.

Quem gosta de fazer trilhas deve considerar o uso de bastões ajustáveis, que distribuem parte do estresse das pernas, transferindo-o para os membros superiores, em descidas íngremes.

"Coloco bastões de caminhada na mão de todos os meus clientes e digo a eles que, se acharem ruim, depois eu os carrego. Muito raramente eles me entregam os bastões", disse Nate Goldberg, que leva grupos até 4.000 metros nas montanhas Sawatch de Colorado, como diretor do Centro de Caminhada Beaver Creek.

Atletas experientes, aparentemente, não estão imunes à dor tardia. "Se eu pedisse a Lance Armstrong para descer correndo 10 andares, ele ficaria muito doído", disse Clarkson. "Está tudo relacionado com a especificidade do esporte." Além de exercícios, tarefas do dia-a-dia podem causar desconforto Deborah Weinberg

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,51
    63.760,94
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host