UOL Notícias Internacional
 

22/11/2004

Para mulheres, o divórcio é igual a uma demissão

The New York Times
Theo Pauline Nestor

Em Nova York
Alguns casamentos vão se degradando até acabarem. Outros, como o meu, explodem no meio do vôo, como uma nave espacial destroçada a céu aberto, enquanto uma multidão chocada observa, descrente. E os destroços perigosos da catástrofe continuam caindo.

Era final de setembro, ainda quente, mas depois do último período de calor forte de verão indiano. Eu tinha esperado um dia fresco o suficiente para assar um frango para meu marido e minhas duas filhas. Quando coloquei o frango de 2 kg no forno, com ervas verdes frescas em seu peito, nosso casamento ainda estava intacto. Quando a tirei, meu marido tinha saído de casa para sempre, o carro lotado de roupas caindo dos cabides.

O golpe fatal foi quando liguei para o banco para saber nosso saldo. Apesar de os impulsos financeiros destrutivos de meu marido terem ameaçado nosso casamento antes, eu achava que aquilo tinha acabado. Mas, naquela tarde, sem nem tentar, descobri a verdade: longe de mudar seus hábitos, ele simplesmente estava escondendo-os mais. Eu o confrontei. E, como dizem, foi isso.

Assim, o frango assado alimentou apenas uma pessoa naquela noite: nossa filha de 9 anos, Elizabeth. Eu não conseguia comer, e nossa filha de 5 anos, Grace, anunciou que não ia comer galinha de verdade, só nuggets. Peguei a caixa vermelha do freezer, tirei cinco quadradinhos amarelados, aqueci-os no microondas e coloquei-os em frente de Grace, que acreditava, como sua irmã, que seu pai tinha ido até o centro para encontrar-se com um amigo e sair em viagem de carro. "Papai vai voltar na próxima semana", disse-lhes. Não sabia o que mais dizer.

Pensei na minha amiga de infância, Nancy, cujo casamento tinha desmoronado um ano antes. Tenho três amigas de infância das quais ainda sou próxima; coincidentemente, nós quatro nos casamos em torno dos 30 anos. Durante 10 anos, vencemos as estatísticas. Então, o casamento de Nancy ruiu e agora o meu. Nosso pequeno grupo passou a refletir a estatística tão citada: metade de todos casamentos terminam em divórcio.

Na cerimônia de casamento de Nancy, o ministro falou brevemente ao grupo reunido. "Cabe à comunidade manter um casal unido", disse ele em tom firme. "Cada um de vocês aqui é responsável por lembrar a este casal do amor que os uniu e o compromisso que fizeram."

Levei suas palavras a sério, silenciosamente prometendo apoiar Nancy e Terry; a lembrar Nancy das qualidades de Terry algum dia, se viesse a falar comigo sobre uma discussão marital. Apesar de seus votos e do meu apoio, apesar de 10 anos e dois filhos, seu casamento não pôde se manter. E agora, apesar de 11 anos e duas filhas, o meu também não.

As mulheres com quem cresci, como a maior parte das mulheres de hoje, têm suas habilidades comercializáveis. Uma é eletricista; outra é artista gráfica; uma terceira é enfermeira. Dentro ou fora do casamento, podem se sustentar. Eu também sou uma pessoa bem formada, com um currículo decente. De fato, eu ganhava mais do que meu marido quando nos casamos. Eu me orgulhava de ser auto-suficiente.

Mas nós dois queríamos que um de nós ficasse em casa com as crianças e decidimos que seria eu. Então, parei de trabalhar e deixei-o nos sustentar. E agora acabei na mesma posição vulnerável que pensava ser o destino apenas das mulheres que se casaram logo após o colégio, sem experiência no mercado de trabalho.

Não que eu teria feito diferente. Valorizo o tempo que passei com nossas filhas mais do que qualquer outra experiência que já tive. Mas para uma mãe dona-de-casa como eu, o divórcio não é só divórcio. É um divórcio e uma demissão, porque você não pode mais manter seu trabalho em casa, aquele para o qual você desistiu de sua carreira.

Quando trabalhava como professora de inglês na faculdade local, chamávamos as pessoas como eu de donas-de-casa deslocadas. Imagino legiões de Betty Crockers de avental, eternamente tirando pó de móveis imaginários, nunca parando de cuidar de um "lar" que não existe mais.

Agora que minha renda minguou para a pensão das filhas e um mísero cheque de "manutenção", preciso deixar esse trabalho e procurar um "de verdade". Adiciono nossos gastos do mês e subtraio a contribuição dele. O total restante indica que, para nos manter sem dívidas, preciso ganhar um terço a mais do que jamais ganhei.

E o divórcio é um trabalho em si, com curso e manual. De que adianta minha formação se larguei tudo para criar os filhos? Deborah Weinberg

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h49

    0,07
    3,268
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h59

    -0,64
    63.677,78
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host