UOL Notícias Internacional
 

30/11/2004

Motoboys de SP são odiados, mas indispensáveis

The New York Times
LARRY ROHTER

Em São Paulo
Esta é uma cidade com cerca de 11 milhões de habitantes e 4,5 milhões de carros de passageiro, 32 mil táxis e 15 mil ônibus. Congestionamentos que chegam a mais de 160 quilômetros não são incomuns e, mesmo em um dia comum, ir de um lado a outro da cidade pode levar duas horas ou mais.

Apenas um grupo em São Paulo, a maior cidade da América do Sul, parece imune a estas frustrações e atrasos: o ousado exército de mensageiros de motocicleta conhecidos como "motoboys". Ziguezagueando entre os carros parados, ignorando as demarcações de faixas, semáforos vermelhos e sinais para parar, eles ameaçam regularmente os pedestres e enfurecem os motoristas enquanto passam às pressas por ruas e avenidas congestionadas, armados com o conhecimento de que sem eles os negócios praticamente parariam.

"Atualmente estamos tão integrados à economia que São Paulo não funcionaria sem nós", disse Ednaldo Silva, um motoboy que é dono de uma firma que emprega cerca de 50 mensageiros. "As pessoas não gostam de nós nem nos respeitam, mas somos tão essenciais para o transporte quanto os caminhões, e se fizéssemos greve, a cidade entraria em colapso."

Grande parte do trabalho dos motoboys envolve o envio rápido de contratos e outros documentos legais de uma empresa a outra, especialmente para empréstimos bancários. Mas de autopeças a plantas de arquitetura, órgãos humanos para transplante a passaportes e pizza, não há quase nada que não possam entregar.

"Não há como nos livrarmos deles", reconheceu Gerson Luís Bittencourt, o secretário municipal dos Transportes. "Eles empregam uma tonelada de pessoas e facilitam as coisas para todos. Assim, o que temos que fazer é encontrar uma forma de regular o fenômeno e restaurar a sociabilidade no tráfego."

Apesar de ninguém saber ao certo qual é o número exato deles, as estimativas começam em 120 mil e vão até 200 mil. Muitos trabalham 12 horas por dia ou mais e ganham um salário de R$ 900 por mês ou menos.

Segundo números oficiais, São Paulo tem no momento 332 empresas de motoboys. A concorrência é forte, e eles adotam nomes, freqüentemente em inglês, destacando eficiência: Adrenaline Express, Moto Bullet, Fast Express, Agile Boys, Motojet, Fly Boy, Motoboy Speed, AeroBoy Express, Fast Boys.

Com tanta ênfase na velocidade e tamanha competição com outros veículos, o serviço é freqüentemente perigoso. Ossos quebrados e motos destruídas são um risco ocasional, e segundo números compilados pelo sindicato, em média, pelo menos um motoboy morre por dia em um acidente de trânsito.

"A verdade é que somos descartáveis", disse Edson Agripino, 38 anos, veterano de 15 anos como motoboy. "Quando um colega se machuca ou morre, a primeira coisa que os expedidores perguntam é: 'Ele entregou o documento?'"

Mas muitos motoboys, especialmente os mais jovens, vêem a si mesmos como espíritos livres ou caubóis urbanos, desafiando as convenções da sociedade e invejados pelos enfadonhos assalariados presos em seus carros e escritórios.

"É ótimo estar na rua, por conta própria, vendo as garotas, e não em um cubículo com um chefe perturbando você o tempo todo", disse Fábio César Lopes, que, aos 29 anos, tem nove anos de experiência como motoboy. "Eu passei cinco anos em uma seguradora, e acredite, eu não só ganho mais fazendo isto, mas também é muito mais divertido."

Pragas

Os motoristas comuns consideram os motoboys uma praga, e a hostilidade entre os dois grupos é feroz e está crescendo. Há pelo menos 17 grupos de bate-papo online dedicados a queixas contra motoboys, e conflitos nas ruas e até mesmo brigas entre motoristas e motoboys não são incomuns.

"Eu não suporto os motoboys", disse Flávio Kobayashi, um artista gráfico. "Você está sentado lá preso no trânsito, a caminho de casa após um dia longo e difícil, e eles vêm com suas buzinas infernais, costurando em meio ao tráfego em total desrespeito a todos os demais na rua. Eles quebram o espelho retrovisor do seu carro se você ficar no caminho, e toda vez que há uma discussão eles se unem para espancar os motoristas indefesos."

Os pedestres, especialmente os recém-chegados de cidades pequenas no interior, se sentem particularmente vulneráveis. Em um notório incidente em 2001, Marcelo Fromer, guitarrista do popular grupo de rock Titãs, foi atropelado e morto por um motoboy com carteira vencida, que fugiu mas foi preso um ano depois, julgado e condenado.

Para colocar a situação sob controle, a Prefeitura criou no ano passado um sistema de registro obrigatório. As novas regras exigiam que todos os motoboys pagassem uma taxa de R$ 317, provassem não ter antecedentes criminais, obtivessem seguro de vida, usassem capacetes, dirigissem motos com no máximo 10 anos de idade e transportassem sua carga em cestos montados na traseira, com os números de registro indicados neles, para fins de rastreamento.

Mas os motoboys resistiram ao sistema, dizendo que foi concebido para bani-los das ruas. Apenas 40 mil deles se registraram. Eles organizaram protestos e bloquearam alguns das principais ruas. Durante a campanha para as eleições municipais que ocorreram em outubro, alguns candidatos endossaram a posição deles e alguns conseguiram liminares na Justiça os isentando do registro.

A prefeita Marta Suplicy (PT) reformulou o programa.

Há poucos anos, o Congresso tentou uma abordagem diferente e aprovou uma lei que tornaria praticamente ilegal aos motoboys o exercício de sua profissão, que começou a se espalhar para outras cidades do Brasil. Mas o presidente na época, Fernando Henrique Cardoso, que é de São Paulo, vetou o projeto, reconhecendo tacitamente a indispensabilidade do motoboy.

"Todos odeiam os motoboys exceto quando precisam de um", disse Caíto Ortiz, diretor de "Motoboys -Vida Loca", um recente documentário premiado. "Quando ele está levando às pressas um documento seu pela cidade, então ele se torna seu salvador, um herói, e você adora o sujeito." Pedestres e motoristas, mais cuidado! Eles estão com muita pressa George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host