UOL Notícias Internacional
 

13/01/2005

Epidemia de obesidade muda perfil de brasileiros

The New York Times
LARRY ROHTER

No Rio de Janeiro
John Maier/The New York Times

Estudo do governo aponta epidemia
de obesidade no Brasil

Brasileiros gordos? Numa sociedade consciente do corpo, que deu à cultura global o biquíni "de tanga", a Garota de Ipanema, Gisele Bündchen e outras modelos, a idéia parece herética. Mas um polêmico estudo do governo, divulgado em dezembro, acusa: o Brasil sofre uma epidemia de obesos.

Segundo o relatório, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e divulgado assim que o verão chegou e as pessoas começaram a tomar as praias em trajes minúsculos, pouco mais de 40% da população adulta do Brasil está acima do peso. No geral, 1 adulto entre 10, ou mais de 10 milhões de pessoas, é obeso, em comparação com menos de 4 milhões que são considerados desnutridos.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva contestou imediatamente os resultados. Desde que assumiu o governo dois anos atrás, o Partido dos Trabalhadores --de esquerda-- que ele comanda sempre defendeu que a fome, e não a obesidade, é o principal problema social do Brasil e, como resultado, criou um programa "Fome Zero" como peça central de seus programas de saúde e bem-estar social.

"Fome não é algo que pode ser medido em pesquisa", contestou Lula. "O fato é que as pessoas não têm orgulho de dizer que passam fome."

Mas as estatísticas mostram o que os nutricionistas e médicos consideram como prova inegável de um crescimento alarmante da obesidade desde meados dos anos 70, quando a pesquisa, utilizando padrões internacionais, foi realizada pela primeira vez na sua forma atual. Como em outros lugares no mundo, os principais culpados, eles dizem, são uma dieta desequilibrada e um estilo de vida sedentário, com algumas variantes que são particularmente brasileiras.

John Maier/The New York Times

Mulheres caminham no calçadão da praia de Ipanema, no Rio, cartão-postal da cidade
Os brasileiros têm, por exemplo, uma pronunciada paixão por doces, talvez natural em um país que é o maior produtor de açúcar. As pessoas rotineiramente colocam açúcar em frutas naturalmente doces, como abacaxi e mamão, e às vezes parece que metade da massa do "cafezinho", que é consumido por toda parte no país, é açúcar, e não líquido.

"Brasil e Estados Unidos são os países que apresentam os maiores níveis de consumo de açúcar no mundo, representando cerca de 19% das calorias", disse Carlos Augusto Monteiro, um nutricionista da Universidade de São Paulo e que foi consultor do estudo do governo.

"O consumo de refrigerantes, por exemplo, cresceu 400% nos últimos 30 anos, e nós achamos que isto pode ter um papel importante no Brasil estar se tornando mais gordo."

Além da incorporação de crescentes quantidades de alimentos processados e gordos nos últimos anos, a dieta brasileira é incomumente carregada de amido e carboidratos. Um prato típico de almoço, especialmente no interior e nos bairros pobres, conterá não apenas um pequeno pedaço de carne e feijão para proteínas, mas também arroz, batata, massa e mandioca.

Como as pessoas em países economicamente mais desenvolvidos, os brasileiros também estão levando uma vida mais sedentária atualmente. Entre 1940 e 2000, a população do Brasil, atualmente de 175 milhões de habitantes, passou de 80% rural e 20% urbana para 80% urbana e 20% rural, o que resultou em um decréscimo acentuado na atividade física.

Os ideais brasileiros de beleza ou sensualidade também podem ser um fator para encorajar a rechonchudez. Tradicionalmente, a forma feminina idealizada aqui é do "corpo em forma de violão", uma mulher com busto e cintura esbelta e traseiro avantajado.

"Os homens americanos podem se concentrar nos seios, mas o homem brasileiro sempre quis algo para agarrar", disse Constanza Pascolatto, uma das principais comentaristas do país de questões de estética, moda e beleza. "As mulheres sempre escutaram: 'Você tem que comer ou vai ficar parecendo um palito', e eram encorajadas a ser mais carnudas."

Apesar de tal preferência ainda ser forte, especialmente nas áreas rurais e entre os pobres, as classes alta e média urbanas parecem ter adotado a preferência global pela forma esbelta. Monteiro notou que em São Paulo atualmente há clínicas que tratam de anorexia e bulimia, problemas que mal existiam 30 anos atrás mas que estão aparecendo agora, devido às "mensagens conflitantes que são transmitidas" pela mídia sobre tipos de corpos desejáveis.

John Maier/The New York Times

Jovens que observam o entardecer no Rio de Janeiro são exemplo do novo modelo de Garota de Ipanema
Os pobres, que o estudo revelou ser o grupo mais acima do peso, recebem as mesmas mensagens, mas não têm dinheiro para explorar outras opções. José Roberto Lucena, por exemplo, é um vendedor de rua daqui que tem 1,70 metro de altura, pesa 104 quilos e se preocupa com sua saúde, mas argumenta que está fazendo o melhor que pode para criar uma família com um salário inferior a US$ 200 por mês.

"Eu certamente não posso pagar uma academia, e apesar de saber que verduras e legumes são bons para mim, eles são muito caros", ele se queixou. "Minha filha de 5 anos também está acima do peso, e mesmo depois do médico ter ordenado uma dieta para ela no mês passado, é difícil fazer ela comer coisas como salada."

A fome infinita de Lula

Alguns comentaristas daqui sugeriram que a não disposição de Lula em aceitar o estudo pode derivar em parte de sua história pessoal. Como nunca se cansa de lembrar aos brasileiros e aos líderes estrangeiros que encontra, ele passou fome como criança camponesa pobre e pode lembrar vividamente da sensação de ir para a cama de estômago vazio.

Mas hoje Lula é um destes brasileiros que lutam para manter o peso sob controle. Com uma mistura de simpatia e diversão, a imprensa nacional narra seus esforços para limitar seu consumo de churrasco, cerveja e buchada, um prato gordo de sua região natal que é a ruína dos nutricionistas.

"A verdade é que a fome de Lula não passou", especulou recentemente o colunista Arnaldo Bloch no jornal "O Globo" do Rio. "Por mais que o presidente coma e beba e coma e beba, a fome e a sede persistem. É uma fome e sede que são ancestrais, que voltam a atacar diariamente" e que ele, como outros que já foram pobres, "nunca superaram". Símbolo do país, Garota de Ipanema, agora, seria gorda sedentária George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    11h39

    0,17
    3,285
    Outras moedas
  • Bovespa

    11h46

    0,17
    63.365,40
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host