UOL Notícias Internacional
 

25/01/2005

Nevasca praticamente "enterra" Massachusetts

The New York Times
Pam Belluck

Em Wayland

Massachusetts
Gary Burton, o superintendente de escolas de Wayland, insiste que o fato de ter crescido na Terra Nova não é o motivo para ter decidido abrir as escolas nesta segunda-feira (24/01), neste subúrbio a oeste de Boston.

E daí que a maioria dos outros distritos escolares no leste de Massachusetts estava fechada, lidando com as conseqüências da nevasca que deixou grande parte da região quase paralisada pela neve até a altura da cintura, ventos cortantes e frio penetrante?

"É a Nova Inglaterra [região nordeste dos EUA]", disse Burdon. "Todos sabem que vai nevar."

Mas mesmo nesta comunidade resistente, onde os pais sabem que as escolas raramente fecham, a nevasca feroz do fim de semana foi demais para muitos.

"Muitos pais telefonaram para me dizer que estou errado", reconheceu Burton. "Está 60 a 40 contra mim hoje. A maioria parece argumentar sobre as condições das ruas. E algumas calçadas da cidade não foram desobstruídas, de forma que algumas crianças são obrigadas a caminhar no meio da rua, o que eu concordo que não deveriam fazer. Alguns pais também estão perguntando, se todas as outras escolas estão fechadas, o que eu sei que elas não sabem? Eu acho que há alguns pais para os quais, bem, hoje eu não sou uma de suas pessoas favoritas."

Na maioria dos locais da região, de Boston a Hyannis e Gloucester, as comunidades se renderam aos elementos: escolas, tribunais, repartições públicas e muitas empresas permaneceram de portas fechadas.

"Nós não temos como lidar com isto", disse Bob Burns, o diretor de administração de operações de emergência da cidade de Plymouth, que empatou com Salém como as cidades que apresentaram maior quantidade de neve no Estado: 96,5 centímetros, segundo o Serviço Meteorológico Nacional.

"Nosso pessoal e equipamento não consegue remover este volume de coisa. Nós tivemos muitos equipamentos encalhados. Nós pedimos para a Guarda Nacional tratores carregadores para mover a neve -equipamento bem pesado."

Burns disse que apesar de grande parte do Estado ter enfrentado neve leve, Plymouth e algumas outras áreas costeiras foram atingidas pela variedade úmida e pesada, que rompeu cabos de força e deixou algumas pessoas sem aquecimento, as forçando a buscar refúgio nos abrigos de emergência.

"Em 60% a 80% das áreas mais afastadas do centro, muitas das ruas ainda não foram desobstruídas", ele acrescentou. "Nós simplesmente não temos como chegar até lá. Nós temos alguns bancos de neve com 6 metros de altura, subindo até o segundo andar de um prédio." Estado dá duro com pás e tratores para se livrar de montes de neve George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,48
    3,144
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -0,53
    75.604,34
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host