UOL Notícias Internacional
 

04/02/2005

General sofre reprimenda por dizer que "é divertido atirar em algumas pessoas"

The New York Times
Eric Schmitt

Em Washington
Um alto general marine, que comandou as forças no Iraque e no Afeganistão, foi repreendido pelo comandante da Corporação Marine por dizer publicamente: "É divertido atirar em algumas pessoas".

O general de exército James N. Mattis, um oficial de infantaria que é uma figura reverenciada entre os marines por sua conduta feroz e espírito de guerreiro, fez os comentários na última terça-feira (1/2), enquanto falava em um fórum em San Diego sobre as estratégias para a guerra contra o terror.

Segundo uma gravação em áudio dos comentários de Mattis, obtida pela agência de notícias "The Associated Press", ele disse: "Na verdade, é muito divertido lutar. Você sabe, é uma farra. É divertido atirar em algumas pessoas. Eu vou ser bem sincero com vocês, eu gosto de briga".

Ele acrescentou: "Você vai ao Afeganistão, e encontra sujeitos que batem nas mulheres por cinco anos porque elas não usaram um véu". Mattis continuou: "Você sabe, sujeitos como estes não têm hombridade. Então é muito divertido atirar neles".

Nesta quinta-feira, o general Michael W. Hagee, comandante da Corporação Marine, divulgou uma declaração dizendo: "Eu o aconselhei em relação aos seus comentários, e nós concordamos que ele deve escolher suas palavras mais cuidadosamente".

Hagee acrescentou: "Apesar de entender que algumas pessoas podem discordar dos comentários feitos por ele, eu também sei que ele pretendia refletir as realidades duras e desafortunadas da guerra".

Mattis é atualmente o oficial de comando do Comando de Desenvolvimento de Combate da Corporação Marine em Quantico, Virgínia, que é responsável pelo desenvolvimento da doutrina de combate, técnicas e táticas dos marines.

Não é a primeira vez que o general se vê em controvérsia. Após marines sob seu comando terem tomado uma pista de pouso no sul do Afeganistão, em novembro de 2001, no início da guerra afegã contra o Talebã, Mattis, na época um oficial de uma estrela, declarou: "Os marines pousaram, e agora somos donos de um pedaço do Afeganistão".

O comentário, apesar de factualmente correto, irritou o secretário de Defesa, Donald H. Rumsfeld, que juntamente com outras autoridades do Pentágono consideraram o comentário impróprio, já que a meta declarada do governo era de que os Estados Unidos estavam libertando o Afeganistão da tirania do Talebã, não tomando território de um país muçulmano.

Como comandante da 1ª Divisão Marine na guerra no Iraque, menos de dois anos depois, Mattis ordenou que sua força acelerasse o passo do Kuwait a Bagdá, semeando confusão entre as unidades iraquianas ao longo do caminho com a manobra em ritmo acelerado.

Quando um de seus comandantes regimentais, o altamente estimado coronel Joe D. Dowdy, não foi agressivo o bastante para Mattis, o general destituiu o subordinado de seu comando em campo de batalha, uma medida altamente incomum em tempos de guerra.

Em uma coletiva de imprensa no Pentágono na quinta-feira, Rumsfeld disse que ele não leu os comentários de Mattis e se recusou a comentá-los.

O general Peter Pace, o oficial marine que é vice-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, disse na mesma coletiva de imprensa que deixará Mattis falar por si mesmo.

"Mas eu lhes digo que nas últimas três vezes em que o general esteve em combate, quando estava liderando os marines no Afeganistão, e nas duas vezes em que liderou sua divisão no Iraque, suas ações, e a de seus soldados, claramente mostraram que ele entende o valor da liderança apropriada e o valor da vida humana", disse Pace Militar afirma que gosta de atingir afegãos que batem em mulheres

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,53
    3,128
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,28
    75.389,75
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host