UOL Notícias Internacional
 

17/02/2005

Filadélfia pretende disseminar a Internet sem fio

The New York Times
James Dao

Em Filadélfia, Pennsylvania
Se as coisas ocorrerem como quer o prefeito John F. Street, no próximo ano esta cidade se tornará um gigante "hotspot" (ponto de acesso) sem fio, oferecendo a todos os bairros acesso à Internet de banda larga por preços abaixo do mercado, naquela que poderá ser a maior experiência em serviço municipal de Internet nos Estados Unidos.

Ryan Donnell/The New York Time

Homem acessa a Internet em parque na cidade por meio de conexão sem fios
As autoridades municipais prevêem um pacote coeso de sinais que permitirá à polícia realizar o download de fotos de suspeitos enquanto se deslocam para cenas de crimes, motoristas de caminhão tenham acesso pela Internet aos inventários, e estudantes e moradores de baixa renda possam ter acesso à Internet.

Especialistas dizem que o modelo da Filadélfia, se bem-sucedido, poderá provocar um movimento nacional para tornar a banda larga acessível e de baixo custo em todas as cidades. Da minúscula Saint Francis, Kansas, à tecnológica San Francisco, mais de 50 governos municipais já instalaram ou estão prestes a criar sistemas públicos municipais de banda larga.

Mas empresas de cabo e telecomunicações dizem que as redes municipais de Internet não apenas inibirão o empreendimento privado, como também resultarão em serviços de baixa qualidade e desperdiçarão dólares dos contribuintes. E estão organizando campanhas de lobby em muitos Estados para restringir ou proibir os governos municipais de estabelecerem suas próprias redes.

"Esta é uma tendência crescente, mas uma ameaçadora e preocupante", disse Adam Thierer, autor de um estudo que ataca o plano da Filadélfia. "A última coisa que queremos ver é a banda larga se transformar em um serviço público ineficaz."

As autoridades da Filadélfia insistem que isto não acontecerá aqui. Street disse que tentará levantar financiamento junto a corporações e fundações para cobrir o custo inicial da rede, de US$10 milhões. Ele também disse que a cidade recrutará empresas privadas para ajudar a operar o sistema, afirmando que ele será auto-sustentado.

A maioria dos sistemas municipais de Internet se encontra em pequenas cidades rurais, fornecendo serviços a preços abaixo do mercado. A Filadélfia está propondo cobrar de US$ 15 a US$ 20 por mês, ou até menos para usuários de baixa renda, aproximadamente metade do que os provedores privados cobram.

"É justo o setor pagar impostos para a cidade, que então os usará para lançar uma rede que competirá com as nossas?" perguntou David L. Cohen, vice-presidente executivo da Comcast, que tem sede na Filadélfia. "Eu não acho." Críticos afirmam que iniciativa poderá inibir investimentos privados George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    15h49

    -0,59
    3,131
    Outras moedas
  • Bovespa

    15h53

    -0,21
    65.040,10
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host