UOL Notícias Internacional
 

01/03/2005

Boom no mercado imobiliário atrai investidores

The New York Times
Motoko Rich

Em Sunny Isles, Florida
Apenas num período de seis meses no ano passado, Carlos e Betti Lidsky compraram e venderam dois apartamentos em condomínios. Depois compraram e venderam duas casas. Eles dizem ter faturado meio milhão de dólares (cerca de R$ 1,35 milhão) em lucros, sendo que nenhuma das casas ainda sequer chegou a ser construída.

Richard Patterson/The New York Times

Carlos e Betti Lidski, que lucraram US$ 500 mil em transações, na praia diante de condomínio
Agora Carlos Lidsky, advogado, e sua mulher, que trabalha com arrecadação para fundos de caridade, já deram entrada numa quinta propriedade.

"É bem melhor que o mercado de ações", segundo Carlos Lidsky.

Em várias regiões metropolitanas nos Estados Unidos, de Miami a Riverside, na Califórnia, onde o mercado imobiliário está aquecido, a rápida ascensão dos preços está atraindo um número cada vez maior de pessoas normais que compram e vendem residências sem intenção de ocupá-las. E isso apesar dos alertas de alguns economistas, de que os preços não poderão seguir subindo tão intensamente como aconteceu nos anos recentes.

De acordo com a empresa Loan Performance Inc., que atua na área de crédito para casa própria em São Francisco, cerca de 8,5% dos financiamentos imobiliários por hipoteca que ocorreram nos primeiros 11 meses do ano passado foram solicitados por pessoas que não pretendiam viver nesses imóveis, contra o índice de 5,8% aferido no ano de 2000.

Em alguns mercados, essa proporção é ainda maior: em Phoenix, no Arizona, mais de 12% desses financiamentos imobiliários foram solicitados por meros investidores; em Miami, 11%.

A Associação Nacional de Agentes Imobiliários afirma num relatório, que está sendo divulgado nesta terça-feira (1/3), que a porcentagem de casas compradas como opção de investimento pode ter chegado até a um quarto do total de 7,7 milhões de imóveis vendidos no ano passado.

"Os americanos estão encarando o mercado imobiliário como uma alternativa viável às ações e aos títulos", disse David Lereah, economista-chefe da associação de agentes imobiliários. E alguns investidores estão comprando até dois imóveis de uma vez.

Como os investidores que compravam e vendiam títulos num mesmo dia, durante o boom das empresas pontocom nos anos 90, agora as pessoas investem num mercado que, ao que parece, só faz subir. Corretores utilizam sites para atraírem investidores, prometendo lucros rápidos.

Alguns economistas dizem que esse influxo de investidores no mercado imobiliário poderá trazer conseqüências negativas.

"Os investidores agora visivelmente estão comprando baseados na expectativa de que os preços das casas irão subir tão rapidamente como ocorreu no passado recente, com previsão de que isso siga acontecendo no futuro", disse Mark Zandi, economista-chefe na empresa Economy.com, um grupo de pesquisas particulares.

"Como subirão, e a que velocidade subirão, essas taxas hipotecárias fixas --é isso o que irá determinar se essa febre especulativa no mercado irá prosseguir ou se irá desmoronar."

Por enquanto, investidores como os Lidskys ainda estão comprando. "Talvez não venhamos a perder dinheiro, mas acho que os preços não seguirão nesse mesmo pique acelerado", disse Betti Lidsky. Para comprador, negociar imóveis é melhor do que comprar ações Marcelo Godoy

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,54
    3,265
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    1,36
    64.085,41
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host