UOL Notícias Internacional
 

11/03/2005

Citigroup demite chefe de investimento do Brasil

The New York Times
Todd Benson

Em São Paulo
O Citigroup anunciou nesta quinta-feira (10/03) que demitiu o seu gerente de investimentos no Brasil, Daniel Dantas, uma figura polêmica que se emaranhou em uma rede de batalhas legais, assim como em um escândalo de espionagem empresarial.

Em uma declaração, o Citigroup disse que removeu Dantas, 50, do cargo de gerente-geral do seu fundo de US$ 650 milhões localizado nas Ilhas Cayman, o CVC/Opportunity Equity Partners. O fundo supervisiona os investimentos privados do Citigroup no Brasil, entre eles os bastante contestados investimentos na Brasil Telecom, a terceira maior empresa de telefonia fixa do país.

Pode ter sido a longa e amplamente divulgada batalha pelo controle da Brasil Telecom que finalmente custou a Dantas o seu cargo. Analistas disseram na quinta-feira que a sua partida pode muito bem ter fortalecido a posição da concorrente, a Telecom Italia, na luta. As ações da Brasil Telecom aumentaram 21% quando os investidores apostaram que a disputa teria um desfecho rápido.

Dantas não foi encontrado para fazer comentários na quinta-feira.

O Citigroup, o maior banco do mundo, não citou motivos para a demissão de Dantas. Outrora conhecido como um dos mais habilidosos gerentes brasileiros de fundos, Dantas foi um personagem agressivo no processo de privatização do setor de telecomunicações do país, no final da década de 90, aliando o dinheiro do Citigroup e dos poderosos fundos estatais de pensão à capacitação técnica das companhias estrangeiras de telefonia.

Mas os analistas dizem que o relacionamento do Citigroup com Dantas azedou no último ano à medida que as dificuldades legais que este enfrentava ameaçaram manchar a reputação do banco.

O cabo-de-guerra pelo controle da Brasil Telecom foi peça central para essas dificuldades. Por cerca de quatro anos, a Telecom Itália e a firma privada de investimentos de Dantas, o grupo Opportunity, foram acionistas majoritários da empresa, cuja sede fica em Brasília.

Mas Dantas obteve o controle sobre a Brasil Telecom em agosto de 2002, quando o grupo italiano reduziu a sua participação acionária a fim de driblar uma regulamentação que a impedia de lançar o seu próprio serviço de telefonia celular, a TIM Brasil.

À época, a Telecom Italia reteve o direito de retomar o controle acionário da Brasil Telecom em janeiro de 2004. Mas Dantas resistiu às tentativas da Telecom Italia de retornar ao grupo controlador, alegando que a Brasil Telecom desde então criara o seu serviço de telefonia celular que é concorrente da TIM. A lei brasileira proíbe que empresas sejam parceiras e concorrentes no mesmo setor de telefonia e nas mesmas regiões.

A disputa tomou um rumo bizarro no ano passado, após se descobrir que a gerência da Brasil Telecom, que foi nomeada pelo próprio Dantas, contratara a consultora internacional de risco Kroll para obter informações sobre os executivos da Telecom Italia para utilizá-la em litígio judicial. Mas a investigação acabou atingindo pessoas que desde então se tornaram autoridades de alto escalão do governo brasileiro.

Isso, por sua vez, gerou um inquérito policial, culminando com uma batida em outubro passado nos escritórios da Opportunity e na residência de Dantas, no bairro nobre de Ipanema, no Rio de Janeiro. Dantas ainda está sendo investigado pela Polícia Federal com relação a esse assunto.

Durante todo esse período, o Citigroup se manteve discretamente ao lado de Dantas. Na quinta-feira, o banco transferiu as suas responsabilidades para um recém criado fundo, chamado Citigroup Venture Capital International Brazil, com sede em Delaware, Estado da costa leste dos EUA.

"Agora o Citigroup possui controle sobre o seu dinheiro", diz Stephen Graham, analista de telecomunicação na América Latina da UBS Investment Research, no Rio. "Portanto, assumimos que isso não seja apenas coincidência, que seja parte de uma resolução mais ampla na qual a Telecom Italia terminará tendo o controle sobre a Brasil Telecom".

Tanto a Telecom Italia quanto a Brasil Telecom se recusaram a tecer comentários. A demissão de Dantas ocorreu um dia antes de a Câmara Internacional de Comércio em Londres ser encarregada de dar início aos procedimentos para decidir o destino da Brasil Telecom.

A demissão ocorreu menos de uma semana após o Opportunity ter dito que venderia a sua parte que lhe dá direito ao controle acionário em duas companhias de telefonia celular --a Telemig Celular Participações e a Tele Norte Celular Participações--, e que se tornaram uma fonte adicional de tensão para o Citigroup.

Em outubro do ano passado, a Globalvest Management Co., um grupo de gerenciamento de fundos de mercados emergentes comandado por Peter Gruber, entrou com uma ação judicial de US$ 300 milhões contra o Citigroup em Nova York, alegando que Dantas, agindo em nome do banco, tentou coagir a Globalvest a vender as suas ações da Telemig e da Tele Norte a preços inferiores ao do mercado. O Citigroup está procurando anular a ação. Problemas judiciais de Daniel Dantas teriam motivado sua saída Danilo Fonseca

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    10h39

    0,13
    3,270
    Outras moedas
  • Bovespa

    10h49

    -0,62
    63.689,24
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host