UOL Notícias Internacional
 

29/03/2005

Corpo de Terri Schiavo terá necropsia, diz marido

The New York Times
Rick Lyman

Em Pinellas Park, Flórida
Nesta segunda-feira (28/03), enquanto Terri Schiavo estava em seu 11º dia sem água ou comida e aparentemente com poucos dias de vida pela frente, seu marido disse que uma necropsia será realizada antes da cremação dela.

George Felos, o advogado de Michael Schiavo, disse que seu cliente acredita que "é importante que o público conheça a plena extensão do dano no cérebro da sra. Schiavo", para rebater as acusações de que ela está consciente, se comunicando e sendo morta de fome contra sua vontade.

Além disso, ele disse, Michael Schiavo quer rebater as acusações de alguns daqueles que estão lutando para manter sua esposa viva, a de que ele a cremaria com pressa indevida, talvez por ter algo a esconder, como algum abuso ou trauma físico.

O anúncio da necropsia, que será realizada pelo legista chefe de Pinellas County, John Thogmartin, feito na segunda-feira, faz parte da guerra cada vez mais emotiva de palavras e imagens entre a família de Terri Schiavo, que deseja que seu tubo de alimentação seja reinserido, e o marido dela, que diz que sua esposa preferia morrer.

"Ela está lutando demais para viver, implorando por sua vida", disse o pai dela, Robert Schindler, com olhos vermelhos e cansados enquanto permanecia do lado de fora do asilo onde se encontra sua filha. "Para mim ela ainda está respondendo. Ela está implorando por ajuda."

Felos, que passou mais de uma hora com a mulher na tarde de segunda-feira, contestou a descrição. "A aparência da sra. Schiavo, para mim, era muito calma, muito relaxada, muito pacífica", disse ele. "Eu não vi nenhuma evidência de desconforto."

Não se sabe por quanto tempo Terri Schiavo, 41 anos, poderá resistir sem nutrição. Mas está claro que o fim da longa batalha judicial entre o marido e os pais dela não diminuiu o rancor entre eles nem as emoções brutas que envolvem o caso.

"Não é tarde demais para alguém salvá-la", disse Robert Schindler. "Eu imploro novamente aos poderes constituídos que não desistam dela. Nós não perdemos a esperança. Ela não perdeu a esperança em nós."

Felos disse que, como os médicos dela disseram e os tribunais decidiram, o dano cerebral de Terri Schiavo é muito grande para que ela tenha consciência do mundo ao seu redor, apesar de ela exibir reflexos que às vezes podem imitar consciência.

"Quando eu entrei, os olhos dela estavam fechados", disse ele. "Eu esfreguei a bochecha dela e seus olhos abriram. Para alguém que deseja acreditar que há algo lá, é compreensível."

Os Schindlers descreveram sua filha como semelhante a uma sobrevivente de campo de concentração --emagrecida, mas se agarrando à vida. "Ela ainda tem expressões faciais", disse Robert Schindler. "Eu a abraço, eu a beijo e ela responde a isto."

Felos disse que ela estava respirando mais rapidamente e que seus olhos pareciam mais fundos, mas que sua respiração não era particularmente forçada e que o tom da pele dela estava bom. Mas as enfermeiras do asilo disseram a Michael Schiavo que o pulso da esposa dele estava "fraco" e que ela parou de produzir urina.

"Obviamente, a morte está próxima", disse Felos. Apesar de a família Schindler ter pedido para que sua filha não fosse cremada, mas enterrada perto deles na Flórida, em um funeral católico romano, Schiavo disse que sua esposa não queria ser enterrada, e que ele enterrará suas cinzas em um terreno da família dele, na Pensilvânia.

Felos disse que é cedo demais para dizer se haverá algum serviço religioso ou memorial por Terri Schiavo, ou se os Schindlers serão convidados.

Robert Schindler disse que decidiu repetir seu apelo aos líderes políticos, incluindo o governador Jeb Bush, para que intervenham no caso porque ele não confia nas intenções daqueles que estão cuidando de sua filha.

"Eu tenho graves preocupações de que eles acelerarão o processo para matá-la com uma overdose de morfina", disse Schindler.

A questão de Terri Schiavo estar ou não recebendo morfina e o motivo tem sido uma fonte persistente de preocupação entre os manifestantes do lado de fora do asilo. Alguns dos cartazes e declarações dos manifestantes diziam que ela está recebendo morfina, o que muitos viam como evidência de que ela está morrendo com dor.

Felos disse na segunda-feira que Terri Schiavo não foi saturada de morfina. Ela recebeu duas doses de 5 miligramas de morfina em supositórios nos últimos 11 dias, mais recentemente dois dias atrás, ele disse. Cada dose foi mínima, ele disse, e os efeitos passaram em cerca de quatro horas.

"Eu entendo a frustração da família Schindler, mas não há lugar para declarações como: 'O asilo está tentando acelerar a morte de Terri'", disse Felos.

O dr. Sean Morrison, professor de geriatria e atendimento paliativo da Escola de Medicina Monte Sinai em Nova York, disse que a dose de morfina era "menor do que tomar uma pílula de Percoset" e que dificilmente teria qualquer efeito depressivo na respiração de Terri Schiavo ou aceleraria sua morte.

Outro médico com longa experiência no tratamento de pacientes no fim da vida, Douglas Nelson de Hickory, Carolina do Norte, disse que ministrar morfina para um paciente em estado vegetativo persistente é desnecessário, porque não estaria ciente da dor ou desconforto.

Mas, ele disse, "não é incomum os enfermeiros sugerirem: 'Vamos lhe dar um supositório por precaução'".

A multidão do lado de fora do asilo Woodside, nesta comunidade de Tampa Bay, estava claramente menor do que no fim de semana da Páscoa, apesar da intensidade da revolta e pesar não ter diminuído.

"Este é o pior pesadelo de uma mãe", disse Paul O'Donnell, um frade franciscano de Minnesota, que é um dos conselheiros espirituais da família. "E nós estamos implorando ao governador para que faça algo agora."

Jeb Bush, antes um herói para os simpatizantes dos Schindlers quando defendeu a causa deles e fez com que o tubo de alimentação de Terri fosse brevemente reinserido, rapidamente se tornou um dos principais alvos dos manifestantes, depois de dizer que não podia fazer mais nada.

Como fez desde o final da semana passada, Jeb Bush disse aos repórteres na segunda-feira que ele gostaria de poder fazer mais, mas que chegou ao fim de seus poderes legais.

"Eu tenho o dever de seguir a lei", disse ele. "Eu fui criticado por ter ido até onde fui. Agora sou criticado de não ter feito o suficiente. Este é um bom sinal de que estou na posição certa."

Alguns simpatizantes dos Schindlers levaram o caso deles até Washington na segunda-feira, onde o padre Patrick Mahoney da Coalizão de Ação Cristã liderou um comício do lado de fora da Casa Branca e pediu a intervenção do Congresso no caso.

Quase esquecidas em meio ao rancor da semana passada estavam duas apelações impetradas pelo Departamento da Infância e Família da Flórida, contra três decisões do juiz estadual que ordenou a remoção do tubo de alimentação de Terri Schiavo. Tais apelações ainda estão tramitando no Tribunal do 2º Distrito, em Lakeland, disse Felos, e são as únicas ações pendentes no emaranhado de casos judiciais. O objetivo é confirmar a gravidade dos danos cerebrais da mulher George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h58

    -0,27
    3,252
    Outras moedas
  • Bovespa

    18h23

    1,58
    74.594,62
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host