UOL Notícias Internacional
 

10/04/2005

Político conservador casa-se com outro homem

The New York Times
Adam Nagourney

Em Washington
Arthur J. Finkelstein, um proeminente consultor republicano que dirigiu uma série de campanhas políticas radicais para eleger conservadores nos Estados Unidos e em Israel nos últimos 25 anos, disse na última sexta-feira (8/4) que se casou com seu parceiro em uma cerimônia civil, realizada em sua casa no Estado de Massachusetts.

Finkelstein, 59 anos, que transformou em hábito derrotar os democratas buscando satanizá-los como liberais, disse em uma breve entrevista que se casou com seu parceiro de 40 anos para assegurar que o casal tenha os mesmos benefícios disponíveis aos casais heterossexuais formais.

"Eu acredito que os direitos de visita, benefícios de saúde e outros contratos de relacionamento humano que são considerados garantidos por todas as pessoas casadas devem estar disponíveis para os parceiros", disse ele.

Ele se recusou a fazer maiores comentários sobre o casamento, que ocorreu em dezembro.

Alguns dos associados de Finkelstein disseram que ficaram atônitos ao saber que este proeminente conservador americano tinha se casado com um homem, dada sua história com o partido, especialmente em um momento em que muitos líderes republicanos, incluindo o presidente Bush, têm feito campanha contra o casamento entre pessoas de mesmo sexo e proposto emendas constitucionais para proibi-lo.

Finkelstein tem sido aliado por muitos anos de republicanos que são fortemente contrários a medidas de direitos para gays, incluindo o ex-senador ultradireitista Jesse Helms da Carolina do Norte, e tem sido alvo de ataques de ativistas de direitos gays, que o acusam de hipocrisia. Ele foi identificado como gay em um artigo da "Boston Magazine" em 1996.

Um dos associados de Finkelstein, que se recusou a falar "on the record", citando o desejo de privacidade de Finkelstein, disse que este não considera seu casamento como uma declaração política e decidiu especificamente por uma cerimônia civil em vez de religiosa.

Este associado argumentou que ao longo dos últimos 20 anos, Finkelstein se identificou como libertário e oponente do grande governo, distanciando-se de conservadores sociais à medida que ganhavam força política e domínio do partido.

Os associados de Finkelstein se recusaram o fornecer o nome de seu cônjuge. Ele foi casado em sua casa por uma autoridade estadual gay, cujo nome e cargo não foram divulgados. Compareceram à cerimônia parentes de ambos os homens, uns poucos amigos e um legislador estadual, disse uma pessoa que esteve presente.

Nenhum dos clientes políticos mais conhecidos de Finkelstein, entre eles o governador George E. Pataki e o ex-senador Alfonse M. D'Amato, ambos de Nova York, estiveram presentes, disse a pessoa. Vários associados políticos de longa data de Finkelstein disseram que não foram informados sobre o casamento, e que souberam dele por meio do repórter.

O casamento foi revelado por um associado de Finkelstein, e ele o confirmou em uma entrevista.

Finkelstein tem sido freqüentemente criticado por grupos de direitos gays por representar políticos que são fortes adversários dos direitos gays. Ele ajudou a criar o modelo para uma linha de ataque que repetidamente é usada contra os democratas, incluindo Mario M. Cuomo de Nova York, os descrevendo como liberais.

Em Israel, Finkelstein empregou ataques semelhantes contra o Partido Trabalhista como conselheiro do primeiro-ministro Ariel Sharon e como consultor da campanha de eleição vencedora e de reeleição derrotada de Benjamin Netanyahu, o ex-primeiro-ministro.

Finkelstein regularmente descreve a si mesmo como sendo um libertário que apóia o casamento gay e os direitos de aborto, mas que se opõe ao grande governo. Em uma entrevista para o "Maariv", um jornal israelense, após a eleições americanas do ano passado, ele criticou o Partido Republicano por ter se aproximado demais dos cristãos evangélicos, alertando que isto poderia causar prejuízos a longo prazo para o partido.

Os detalhes do relacionamento de Finkelstein apareceram em relatos regulares na imprensa ao longo dos anos, como no artigo da "Boston Magazine", que informou que Finkelstein vivia com seu parceiro e duas crianças em Ipswich, Massachusetts.

Ainda assim, alguns amigos conservadores disseram que o casamento de Finkelstein irritará os conservadores e acentuará as divisões entre eles sobre a importância das questões sociais para o seu movimento.

"Nos últimos anos. Arthur não fingiu ser um conservador social", disse um antigo associado conservador, que citou a aversão de Finkelstein à publicidade ao se recusar a ser identificado. "Mas este é o mesmo homem que arquitetou a ascensão política de Jesse Helms." Consultor Arthur Finkelstein ajudou candidatos que combatiam gays George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,21
    3,129
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h35

    0,04
    76.004,15
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host