UOL Notícias Internacional
 

29/04/2005

Da Apple, um tigre para colocar em seu Mac

The New York Times
David Pogue

Em Nova York
Se alguém considera hoje um dia especial, é provavelmente porque é sexta-feira, ou por causa da estréia do filme "O Guia do Mochileiro das Galáxias", ou porque é o aniversário de Uma Thurman.

Mas para um grupo particular de 25 milhões de donos de computador, 29 de abril representa muito mais. É o dia do lançamento pela Apple do Mac OS X 10.4, apelidado Tiger (tigre) -a mais recente versão da suíte de software que compõe o sistema operacional do Macintosh.

Normalmente, é claro, ler sobre sistemas operacionais é tão divertido quanto um seminário sobre política tributária. Poucas pessoas acordariam às 5 da manhã para serem as primeiras a atualizar o software de seus microondas, celulares ou carros.

Mas o Mac OS X recentemente se tornou interessante mesmo para pessoas de fora do Culto do Macintosh. Quanto mais o Windows da Microsoft se atola em vírus, spyware e atualizações de segurança problemáticas, quanto mais miserável a vida se torna -mais a maioria sofredora de usuários do Windows começa a investigar alternativas livres de vírus, livres de spyware como o Mac OS X.

Mas uma coisa boa sobre o Windows é que a Microsoft lança uma nova versão para seus usuários apenas uma vez em um intervalo de alguns anos. (O Windows XP, por exemplo, fez sua estréia em 2001.

A próxima versão está prevista para 2006.) A Apple tem pedido para seus fiéis seguidores que atualizem o Mac OS X aproximadamente todo ano, por US$ 130 (ou gratuitamente com um novo Mac). O que o Tiger oferece que justifique um novo gasto?

O site do Tiger da Apple lista mais de 200 novas características. Mas nem todas elas provavelmente provocarão um êxodo em massa para o Macintosh. Será que alguém atualizará o Tiger porque, por exemplo, "você pode encontrar facilmente qualquer 'glyph' digitando sua ID unicode"?

Ainda assim, há algumas coisas muito boas naquela lista. A mais importante é o Spotlight, que é uma espécie de Google para o disco rígido. Enquanto você digita na caixa do Spotlight na barra de menu, um menu organizado desce instantaneamente.

Ele lista cada arquivo, pasta, programa, mensagem de e-mail, anotação no catálogo de endereço ou calendário, foto, documento PDF e mesmo fonte que contenha o que você digitou, independente de seu nome ou pasta de localização.

Esse não é apenas um comando Localizar rápido. É uma melhoria tão profunda, conveniente e poderosa que ameaça reduzir o sistema Mac/Windows de 20 anos de pastas à irrelevância. Por que ficar revirando pastas quando você pode abrir qualquer arquivo ou programa com poucas teclas?

De cara, por exemplo, acessar Command e a barra de espaço destaca a caixa Spotlight. Assim, se você apertar Command-Espaço e digitar "Schw", a lista mostra todas as mensagens que Arnold Schwarzenegger enviou para você, todos os compromissos que você tem com ele e, é claro, sua entrada no catálogo de endereços. Tudo bem organizado por categoria; um clique rápido ou apertar de tecla abre o item que você quer.

Você também pode salvar uma busca Spotlight como uma "pasta inteligente", uma pasta que se auto-atualiza que sempre contém coisas que atendem certos critérios -por exemplo, todos os documentos criados na semana passada contendo a frase "hábitos de acasalamento do fascólomo".

Infelizmente, o Spotlight não pode "ver dentro" de muitos programas além dos da Apple, apesar de que isto poderá mudar à medida que as empresas de software atualizem seus programas. Por exemplo, o Spotlight pode verificar o conteúdo de arquivos do Word, Excel e PowerPoint, mas ainda não consegue ver as mensagens no programa de e-mail Entourage da Microsoft.

A segunda característica mais badalada do Tiger é chamada Dashboard. É uma constelação de miniprogramas esplêndidos que aparecem e desaparecem em massa quando você toca uma tecla selecionada.

Eles incluem cotações de ações em tempo real, previsão do tempo e informações sobre vôos, juntamente com calculadora, dicionário, páginas amarelas e outras coisas.

Eles são bastante convenientes, e aparecem com um efeito ondulante atordoante que transforma sua tela na superfície de um lago zen. Mas o Dashboard não é uma exclusividade do Tiger; o programa shareware Konfabulator, disponível para Windows e versões antigas do Mac OS, faz praticamente a mesma coisa.

Por outro lado, algumas das características mais inovadoras do novo Tiger mal são mencionadas no marketing da Apple. Por exemplo, os novos controles para pais permitem que você, a sábia autoridade, especifique quais correspondentes de e-mail, colegas de bate-papo, sites e mesmo programas são permitidos para seus filhos. Crianças mais velhas poderão considerar isto extremamente limitante, mas o design é limpo, eficaz e belamente integrado.

E há a segurança. Por que a Apple nunca anunciou o histórico estelar de segurança do Mac OS X? Talvez a empresa esteja preocupada com o fato de que se o fizer, algum hacker determinado deliberadamente estragará a festa só para provar que a Apple está errada.

Mesmo assim, o Tiger é o sistema mais impenetrável do Mac, repleto de novas defesas contra as artes sombrias. Mensagens alertam você --um pouco incomodamente, na verdade-- toda vez que você faz o download de um arquivo que poderia teoricamente conter um vírus (porque contém um programa executável, mesmo se estiver compactado).

Um novo "modo furtivo" no firewall integrado do Tiger torna seu Mac invisível a sinais de predadores de Internet que estão à procura de computadores para infectar.

Os programas integrados do Mac OS X também foram atualizados. Destes, o iChat AV, que permite chamadas gratuitas de áudio e vídeo pela Internet, é o mais espetacular.

Até 10 pessoas podem participar de uma mesma conversa de áudio. E se um dos participantes tiver um Macintosh G5, quatro pessoas com Tiger com conexões rápidas de Internet poderão conversar por vídeo em tela cheia.

Seus três sócios, onde quer que estejam no mundo, aparecerão em três quadros verticais, refletidos belamente na superfície preta brilhante da mesa. Isto pode lembrar a você os painéis planos rotatórios que prendiam os três vilões no final de "Superman 2".

Mas é um feito visual de cair o queixo e que pode colocar colaboradores distantes face a face, sem a necessidade de passagens aéreas.

O restante das 200 características não se enquadra em nenhuma categoria visionária; são uma série de ajustes e atualizações que se acumulam como algo saído de Gilbert e Sullivan:

Boletins RSS agora são permitidos pelo browser Safari,

E seu modo "navegação privada" esconde os rastros de seus passos online.

Há arquivos agora, e registros, quando você manda ou recebe um fax;

Você pode tornar o ponteiro maior nas telas Jumbotron dos Macs.

Um show de slides a partir de fotos por demanda você pode iniciar;

E a voz que lê a tela em voz alta pode a um cego ajudar.

Há uma função que sugere senhas, que visa tornar as suas mais seguras,

E um módulo Grapher que desenha equações simples e obscuras.

E Automator é um assistente de programa -

Você apenas escolhe os passos que quer realizar, e ele faz todo o trabalho.

Há muita miscelânea, muita coisa a polir,

Mas funciona e não lhe atrasa --e atualmente isto basta.

Agora se não fosse por aquela brilhante função Spotlight, o Tiger não seria uma atualização tão importante quanto, digamos, a edição Panther do ano passado.

Na verdade, sem o Spotlight, você pode argumentar que o Tiger custa caro por US$ 95. (Este é o preço da Amazon.com, contando um desconto que vale até o fim de maio. Uma licença para cinco Macs está disponível na Amazon por US$ 150, já contando o desconto, apesar de não valer nada já que o Mac OS X não é protegido contra cópia e não exige ativação estilo Windows.)

Mas que me desculpem os críticos do Mac de toda parte, o Spotlight muda tudo. O Tiger é a melhor versão do Mac OS X já apresentada e, em vários aspectos, o sistema operacional mais seguro, estável e satisfatório para o usuário disponível no planeta.

Se você é um fã de Mac do tipo que fica alucinado com funções como o Automator e as melhorias no seu mecanismo Unix, então vale a pena pegar o Tiger agora. É claro, se você é um verdadeiro fã de Mac, você não precisa de um colunista de jornal para lhe dizer isto.

Se você é apenas um operário comum de criação, talvez valha a pena esperar o período de acomodação antes de partir para o Tiger. A Apple certamente lançará uma atualização 10.4.1 consertando pequenas falhas, como os erros no sistema de ajuda na tela (que é, felizmente, infinitamente mais rápido do que na última versão).

Nas próximas semanas, um punhado de programas incompatíveis com o Tiger (notadamente o excelente calendário Now Up-to-Date) serão atualizados para rodar no sistema.

E se você é um refugiado do Windows ou alguém que nunca teve um computador, você considerará este "Tigre" impressionantemente domado e amigável. Quem sabe? Talvez 29 de abril poderá significar algo para você. George El Khouri Andolfato

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    14h29

    -0,03
    3,135
    Outras moedas
  • Bovespa

    14h36

    -0,18
    75.855,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host